Coreia do Norte: os próximos passos

Kim Jong-un sabe que diplomacia é sua melhor chance de permanecer no poder

Por Príncipe Michael de Liechtenstein, Serviços de Inteligência Geopolítica

Kim Jong-un, o atual governante norte-coreano da dinastia comunista Kim, seguiu os passos do seu pai, mas ele é um líder não ortodoxo. Como ele continuava testando material de armas nucleares e ameaçando com ataques de mísseis a Coreia do Sul, o Japão e os Estados Unidos, muitos o consideram um louco.

No entanto, Kim não é louco. Ele segue sua própria lógica, terrível e cruel, mas lógica ainda assim.

O objetivo principal é manter o poder. Desta forma, Kim precisa de uma dissuasão efetiva – por exemplo, a capacidade nuclear – para impedir que as potências estrangeiras intervenham nos assuntos do seu país. Além disso, ele só pode manter seu regime repressivo internamente mostrando-se forte e bem-sucedido ao seu povo.

Mas a Coreia do Norte não está isolada no mundo. Existem outras partes interessadas neste jogo perigoso.

A primeira é a Coreia do Sul, que, teoricamente, ainda está em guerra com a Coreia do Norte. O Norte ameaça o Sul com milhões de soldados, artilharia posicionada ao longo da fronteira dentro do alcance de Seul e, mais recentemente, sua capacidade nuclear.

A China é a segunda parte mais interessada. Ela se vê como o hegemon da região e considera a Coreia do Norte dentro de sua esfera de influência. A reunificação coreana representaria problemas geopolíticos para Pequim, pois fortaleceria o sistema de alianças liderado pelos Estados Unidos na região e traria a influência americana até a fronteira chinesa.

A Rússia tem um problema semelhante, pois sua fronteira com a Coreia do Norte fica a menos de 100 quilômetros de Vladivostok, seu principal porto no Pacífico. A dinastia Kim é o eixo do sistema que impede a reunificação das Coreias. É por isso que a China quer manter a dinastia Kim no lugar, apesar de não gostar do atual líder, Kim Jong-un.

O desenvolvimento das capacidades nucleares da Coreia do Norte chegou ao ponto de representar uma ameaça direta ao Japão, e os Estados Unidos podem vir em seguida. Washington é obrigado a proteger seus aliados Japão e Coreia do Sul e, em caso algum, tolerará a ameaça norte-coreana ao seu país.

O presidente norte-americano Donald Trump respondeu ao teste nuclear de Kim de forma assertiva, colocando o sistema de míssil antibalístico THAAD na Coreia do Sul e ordenando uma concentração de recursos navais e aéreos dos EUA perto da Península Coreana. Washington também incentivou o Japão e a Coreia do Sul a mostrarem força.

Essa ameaça militar era credível o suficiente para desencorajar Kim.

Reação diplomática em cadeia

Depois de trocar insultos pela maior parte de 2017 e início de 2018, o governante norte-coreano e Trump concordaram em se encontrar, surpreendendo o mundo. Para Kim, essa cimeira era um objetivo há muito procurado, pois mostraria sua própria importância. A pré-condição de Trump para seguir adiante é o total compromisso de Kim com a desnuclearização da Coreia do Norte.

Este movimento iniciou uma reação diplomática em cadeia. O líder norte-coreano foi a Pequim e presumivelmente aprendeu até onde os chineses estão dispostos a deixá-lo entrar em negociações com os Estados Unidos. Outro resultado foi um encontro dos líderes das duas Coreias, seguido por uma visita ao norte de Mike Pompeo como secretário de Estado dos EUA. O encontro entre Trump e Kim será realizado em Cingapura em 12 de junho.

Esses eventos diplomáticos podem exigir uma mudança de paradigma para Seul, e reconhecer a soberania da Coreia do Norte poderia ser um dos resultados. Na opinião da Coreia do Sul, existe apenas uma Coreia. Mas o progresso diplomático torna menos provável um ataque militar por parte do Norte.

Como uma potência crescente na Ásia, a China está procurando uma solução segundo a qual a soberania da Coreia do Norte possa ser garantida de maneira teórica, enquanto na verdade o país seria um Estado vassalo da China. Com Kim permanecendo como uma figura representativa, a China pressionaria por uma nova variação do antigo esquema de “um país, dois sistemas” na relação China-Coreia do Norte.

Para os Estados Unidos e o Japão, tudo isso provocaria um arrefecimento bem-vindo numa área muito perigosa. É também um triunfo diplomático para Trump. Podemos ter uma situação vantajosa para todos, com a possível exceção de Moscou, que tem ficado insatisfeita em ver a crise coreana expandir as forças dos Estados Unidos no Extremo Oriente.

O que ainda não está claro é a agenda de Kim. Ele teve uma grande repercussão internacional e agora está em posição de trocar suas armas nucleares por reconhecimento e, provavelmente, concessões econômicas significativas. Mas ele também deve estar ciente de que qualquer transição do atual sistema extremamente repressivo da Coreia do Norte para formas mais brandas de governança pode ser arriscada para seu regime.

Uma aniquilação abrupta da antiga elite dominante e dos membros do clã Kim poderia facilmente acontecer. Por esta razão, ainda se deve esperar surpresas. Apenas Kim conhece sua agenda completa.

Príncipe Michael de Liechtenstein é o presidente-executivo da empresa fiduciária Industrie und Finanzkontor e fundador e presidente dos Serviços de Inteligência Geopolítica. Este artigo foi originalmente publicado pelo GIS Reports Online.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas