Coreia do Norte continua a violar sanções da ONU com a ajuda da China, afirma relatório

“Uma grande frota de cargueiros norte-coreanos continua entregando carvão à China, violando as resoluções do Conselho de Segurança da ONU"

Por Frank Fang

A China tem ajudado a Coreia do Norte a evitar sanções internacionais, inclusive permitindo que o país exporte recursos dentro de suas águas, de acordo com um relatório recente.

O Royal United Services Institute (RUSI), um centro de estudos de defesa e segurança de Londres, publicou um relatório em 5 de março no qual analisa fotos de satélite, informações sobre navios comerciais e o sistema de identificação automática de navios (AIS), que emite um sinal de localização que pode ser captado por satélites e equipamentos de rádio para evitar colisões no mar.

“Uma grande frota de cargueiros norte-coreanos continua entregando carvão à China, violando as resoluções do Conselho de Segurança da ONU (CSNU), no que parece ser um esforço coordenado em larga escala para evitar as sanções impostas ao país por seus programas de armas nucleares e mísseis balísticos”, conclui o relatório.

Sanções internacionais são impostas à Coreia do Norte desde 2016, após seus testes de mísseis nucleares e balísticos. Em agosto de 2017, o Conselho de Segurança das Nações Unidas adotou a Resolução 2371, que proíbe o regime de exportar produtos como carvão, ferro, minério de ferro e marisco. Em dezembro do mesmo ano, o CSNU golpeou a Coreia do Norte com a Resolução 2397, visando as importações de petróleo do país, estabelecendo um limite de 500.000 barris por ano.

Segundo o relatório, os navios norte-coreanos transportam carvão e outros recursos – provavelmente mercadorias sancionadas – e depois navegam para as águas chinesas nas ilhas Zhoushan, um arquipélago que faz parte da província costeira chinesa de Zhejiang. Essas remessas provavelmente foram destinadas a terminais de embarque na China, segundo o relatório.

Zhoushan é uma das bases navais da China. Abriga a frota do mar leste, com destróieres, fragatas e corvetas estacionadas lá. As ilhas também abrigam instalações operadas pela Guarda Costeira da China, pela Administração de Segurança Marítima da China e pela Autoridade Portuária de Zhoushan, segundo o relatório.

Apesar de uma presença militar muito forte, o centro de estudos descobriu que, de acordo com imagens de satélite, os navios norte-coreanos não eram detidos ou parados – mesmo quando os navios transmitiam sinais fraudulentos do AIS para se disfarçar.

Alguns dos navios norte-coreanos foram incluídos na lista negra pelo Conselho de Segurança da ONU.

A resolução 2397 da ONU declara que os estados membros da ONU “apreenderão, inspecionarão e congelarão qualquer navio” em seus portos e águas territoriais, se tiverem motivos razoáveis ​​para acreditar que o navio esteja realizando uma atividade ilegal proibida pela resolução.

No entanto, o regime chinês parece ter deixado os navios norte-coreanos navegarem sem impedimentos.

Em 1º de fevereiro deste ano, por exemplo, um barco de patrulha marítima chinês “navegou por um grupo de navios norte-coreanos às 03:40 UTC”.

O fato de a China não tomar medidas contra os navios norte-coreanos “levanta sérias preocupações sobre a capacidade da China de patrulhar efetivamente as águas em torno de uma de suas bases navais mais importantes, ou sobre não parecer impor as resoluções do Conselho Segurança da ONU que ela apoiou em resposta aos programas nucleares e de mísseis balísticos norte-coreanos em andamento”, segundo o relatório.

O relatório também encontrou evidências apoiando um relatório da ONU de 2019, que afirmava que navios norte-coreanos estavam realizando transbordo ilegal de navio para navio no mar, uma prática proibida por resoluções da ONU.

O relatório da ONU disse que a Coreia do Norte poderia ter violado sua cota anual de 500.000 barris nos primeiros quatro meses de 2019 e teria exportado um total de 930.000 toneladas de carvão durante o mesmo período, violando as sanções.

Além disso, o relatório das Nações Unidas determinou que os navios norte-coreanos eram transbordos de navio para navio nas águas da costa norte do Vietnã e na cidade chinesa de Ningbo, uma importante cidade portuária na província de Zhejiang.

Em 10 de maio de 2019, o RUSI avistou um navio de bandeira norte-coreano ladeado por duas barcaças não identificadas com uma plataforma de transbordo flutuante, perto das Ilhas Zhoushan.

“Em alguns desses casos, as barcaças [chinesas] podiam ser vistas navegando em direção aos navios norte-coreanos antes de emitir sinais do AIS, apenas para aparecer novamente nos sistemas de rastreamento dias depois, antes de voltar a navegar para as instalações de manuseio de remessas ao longo do rio Yangtze”, afirmou o RUSI.

Em resposta ao relatório da ONU, a China disse que as alegações eram “ambíguas” e insuficientes para “constituir uma cadeia completa de evidências ou uma base para futuras investigações”.

O RUSI tomou nota da resposta da China, dizendo: “Se essa evidência, além da apresentada aqui, é insuficiente para induzir a China a agir, é difícil imaginar que conjunto de fatos levaria o país a cumprir suas obrigações perante o CSNU”.

O relatório RUSI foi publicado apenas um dia depois que o Centro de Estudos Avançados de Defesa (C4ADS) publicou um relatório afirmando que a Coreia do Norte violou uma resolução da ONU de 2017 que a impedia de “fornecer, vender ou transferir areia ”, segundo a Reuters.

“Entre março e agosto de 2019, o C4ADS observou uma grande frota de navios das águas chinesas que viajaram para a Coreia do Norte para dragar e transportar areia da Baía de Haeju [da Coreia do Norte]”, disse o C4ADS.

O C4ADS chegou à sua conclusão com base na análise dos dados do AIS, mas ainda media quanta areia poderia ter sido exportada da Coreia do Norte.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

 
Matérias Relacionadas