Compreenda sua visão e torne seus olhos saudáveis novamente – Parte 2

No início do século XX, o médico oftalmologista de Nova York, William H. Bates (1860-1931), constatou, após anos de pesquisa, que as bases teóricas da oftalmologia sobre os distúrbios de refração (miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia) não estavam totalmente corretas, e que era possível recuperar a capacidade de ver perfeitamente, ao ponto de não ter mais necessidade de utilizar lentes corretivas (óculos, lentes de contato, etc.).

A oftalmologia convencional considera que os distúrbios de refração devem-se  às alterações anatômicas (deformações) do globo ocular e às deficiências funcionais do cristalino.  Segundo a oftalmologia, a origem dessas alterações é congênita, ou seja, o indivíduo nasce com elas. Sendo assim, essas formações imperfeitas do aparelho visual são as bases nas quais os distúrbios de refração da luz (miopia, hipermetropia, astigmatismo) tenderão a se manifestar e, normalmente, a se desenvolver ao longo da vida do indivíduo.

Por isso, para a oftalmologia convencional, esses distúrbios podem ser corrigidos apenas com o uso de lentes específicas, que reorganizam os feixes de luz segundo as imperfeições oculares que os indivíduos apresentam, ou, em alguns casos, com cirurgias que podem corrigir certas deformações na curvatura do globo ocular.

Através de longos anos de atendimento clínico, o Dr. Bates sentia-se frustrado com os resultados da oftalmologia, porque, apesar da indicação das lentes corretivas, muitos de seus pacientes continuavam com enxaquecas, tensões na cabeça e nos olhos, além de precisarem de lentes cada vez mais fortes ao decorrer dos anos.

Depois de muita reflexão, muitas pesquisas e certas percepções sobre si mesmo (ele usava óculos para presbiopia), Bates começou a compreender que a causa de uma visão defeituosa se devia ao uso incorreto dos olhos para enxergar. Ele compreendeu que as deformações do globo ocular e do cristalino não são estáticas e nem sempre congênitas; na realidade, é o contrário: é o uso incorreto dos olhos que ocasiona padrões de deformidade no globo ocular e as alterações nas funções do cristalino.

Ele constatou que todas as pessoas que têm distúrbios de refração utilizam a visão a partir de um certo padrão crônico de tensão anormal. Ou seja, essas pessoas condicionam-se a olhar para as coisas de um modo fixo, rígido e tenso, que com o passar do tempo, produz alterações anatômicas e funcionais aos olhos. Uma vez que começou a compreender esses princípios, o Dr. Bates aprofundou-se na observação de si mesmo e dos seus pacientes para entender quais eram os erros fundamentais e mais comuns que as pessoas cometem ao utilizarem a visão. Ao mesmo tempo, começou a desenvolver métodos para desfazer as tensões visuais e uma série de outros métodos para a recuperação da visão.

Com mais pesquisas e estudos, foi compreendendo onde estavam os erros da oftalmologia clássica, e desenvolveu uma metodologia simples e eficaz para recuperar a visão das pessoas. Sua compreensão e soluções para os distúrbios visuais estavam corretas, e em pouco tempo recuperou sua própria visão e não necessitou mais de óculos. Então, começou a tratar de seus pacientes a partir dessas novas descobertas: ensinava-lhes a causa de seus distúrbios visuais, os princípios da visão correta e os exercícios para a recuperação da mesma.

Os resultados efetivos começaram a surgir e ele se tornou famoso por recuperar a visão de muitas pessoas; inclusive de pessoas famosas, como o escritor Aldous Huxley, que sofria de graves distúrbios visuais, estando praticamente cego na época em que aprendeu os princípios e os exercícios com o Dr. Bates. Depois de sua recuperação, Huxley, encantado com suas descobertas sobre os potenciais da mente e do corpo humano, escreveu o livro “A Arte de Ver”, onde fala sobre as relações da mente com o cérebro e com a visão.

Bates também ofereceu seu método a escolas em New Jersey e outras cidades dos EUA. Os resultados foram muito positivos, de tal modo que algumas escolas adotaram o seu método permanentemente, e em alguns estados dos EUA o ensino do seu método é obrigatório ainda hoje nas escolas.

Em 1919, o Dr. Bates publicou o livro Perfect Eyesight Without Glasses (“Visão Perfeita Sem Óculos”). Nele apresenta suas descobertas e seu método de forma aberta e didática para beneficiar os interessados em recuperar a visão. Como suas descobertas e teorias divergiam das da oftalmologia convencional, foi criticado e isolado pela comunidade médica da época, e ainda hoje seu método é ridicularizado pela maior parte dos oftalmologistas, que o classificam como superstição ou placebo.

Ainda assim, devido à sua real eficácia que ajudou um grande número de pessoas, em inúmeros países, a recuperarem suas visões a partir do método de Bates, este é amplamente difundido em instituições especializadas para a saúde da visão, em escolas públicas e particulares, através de terapeutas e professores, etc.

Muitos outros métodos foram desenvolvidos a partir do Método Bates, e em suas variações também surgiram novas técnicas e desenvolvimentos de muito valor, que resultaram em benefícios surpreendentes a pessoas que possuíam doenças (não só oculares) até então ditas incuráveis pela medicina convencional.

No próximo artigo, abordaremos mais explicitamente o Método Bates, mostrando seus princípios e algumas de suas técnicas. Também mencionaremos alguns outros profissionais, suas descobertas e métodos para a recuperação da saúde.

Alberto G. Fiaschitello é terapeuta naturalista e cientista social

 
Matérias Relacionadas