Como fazer com que cada dia pareça sagrado, cultivando o profundo dentro do mundano

Podemos ficar conectados ao profundo ao viver o mundano?

Por Nancy Colier 

Recentemente voltei de um tipo de fim de semana diferente e marcante. Foi um fim de semana repleto de poesia, ritual, música, beleza e bondade. Três dias dedicados a trazer sentido à superfície da vida, das profundezas ocultas onde normalmente vive. Ouvimos as palavras requintadas do poeta David Whyte, que ressoaram com histórias de amor, amizade e perda, embebidas na música das terras celtas, curvamos com intenção à terra e aos céus, e compartilhamos experiências humanas universais na segurança e camaradagem da comunidade espiritual. Foi um fim de semana de nomear, marinar e honrar o significado e a profundidade do ser humano. Se houvesse uma maneira de tocar a própria alma, seria essa.

E então eu fui para casa.

Eu amo minha família, meu trabalho e muito sobre minha vida. Tenho muita sorte e sei disso. Mas à medida que as reentradas acontecem, no instante em que entrei pela porta na tarde de domingo, fui imediatamente catapultada de volta ao mundo “normal”. Tarefas, responsabilidades, mantimentos, celulares quebrados, pratos… todas as coisas usuais da vida moderna, me atingiram como uma pancada na cabeça. E com isso também veio a sempre presente (e abençoada) necessidade de minha atenção, de todos. Eu precisava estar em dia com o que eu tinha perdido enquanto estava fora. A verdade avassaladora que eu tinha vivido nos últimos três dias, por outro lado, era incomparável, pelo menos na linguagem. E certamente eu não poderia esperar que aqueles que não o experimentaram o “entendessem” de maneira real ou, nesse caso, estivessem particularmente interessados ​​nele. A vida em casa, regular como é, precisava de minha atenção — agora. Em um instante, eu havia deixado o lugar para me banhar na inefável profundidade e significado da existência, alimentando admiração por essa experiência humana e mergulhando em gratidão por estar vivo. De volta à vida cotidiana, não era mais sobre o sentido da vida, era sobre o fazer dessa vida.

Foi uma reentrada dolorosa, não porque não estivesse emocionada por estar com aqueles que amo, mas porque parecia uma perda, como se para reentrar na vida, tive que desistir da minha bela conexão com o Divino, como se eu tivesse que voltar e nadar na superfície quando eu estava mergulhado na beleza do atemporal.

A experiência me fez pensar muito sobre se é realmente possível sentir admiração e gratidão por estar vivo o tempo todo? Podemos ficar conectados ao profundo ao viver o mundano? Podemos nos apegar ao sagrado em meio ao mundo normal e estressante da vida – ficar preso ao que realmente importa ao fazer o que precisa ser feito?

Acontece que há boas e más notícias. A má notícia primeiro: não é possível (a menos que você seja iluminado e eu não, então não posso garantir) sentir admiração e reverência o tempo todo. Enquanto gurus da autoajuda nos dizem que devemos estar em um estado contínuo de admiração por podermos andar, ou felicidade porque podemos experimentar a cor azul, na verdade, se sempre caminhamos e sempre vimos o azul, nem sempre é possível ver essas experiências como incríveis ou particularmente fabulosas. Não há nada de errado com você se as atividades da vida normal não evocam um sentimento de grande reverência. Às vezes, depois que alguém morreu, ou passamos por trauma, nós, por um tempo, quebramos a janela do sagrado. Entendemos o que significa estar vivo e ter este dom da encarnação. E então, geralmente, esse sentimento de admiração por estar vivo se encerra e voltamos ao cotidiano com talvez apenas um leve cheiro do sagrado deixado para trás. A verdade é que só sabemos que estamos vivos, então o fato de estarmos vivos nem sempre parece o golpe incrível que deveria ser. E realmente, como poderia?

A boa notícia: precisamos de contraste para sentir o que sentimos. Precisamos viver sem a sensação do inacreditável da vida para que, quando ele aparecer, possamos realmente experimentá-lo. Se estivesse aqui o tempo todo, não o reconheceríamos como algo notável. Mais uma boa notícia: a gratidão aparece quando paramos de exigir que ela apareça; a graça se apresenta quando paramos de esperar que ela esteja presente o tempo todo.

Embora nossa conexão com o sagrado não seja algo que deva ou possa estar na frente e no centro o tempo todo, e não algo que possamos controlar, no entanto, há certas coisas que podemos fazer para incentivá-lo a aparecer – convidar a reverência para dentro de nossa vida cotidiana. E, uma vez que a maioria de nós quer sentir uma sensação de admiração por estar vivo e gratidão pela oportunidade de ter experiências, de “conseguir” viver, vale a pena estabelecer as bases internas a partir das quais a admiração pode crescer.

Para sentir gratidão, precisamos, antes de tudo, estar em nossa vida, ou seja, estar presente, agora. A maneira mais segura de sentir gratidão é prestar atenção em como estamos e onde estamos neste momento, para que, quando a gratidão aparecer, estejamos aqui para notá-la e senti-la. Embora algumas experiências contenham uma beleza que pode tornar irrelevante qualquer emaranhado de pensamentos em que estamos perdidos, na maioria das vezes, perceber a graça quando ela surge depende de estarmos despertos e conscientes do que estamos vivendo por dentro e por fora.

À medida que cultivamos nossa própria presença, podemos também, conscientemente, mover nossa atenção e ponto de referência dos conteúdos de nossa vida, os pensamentos, sentimentos e sensações que estão surgindo, para a presença que percebe os conteúdos. Isto é, podemos tornar uma prática não apenas focar no que está acontecendo no mundo relativo, os pratos que estamos lavando, como o determinante da admiração, mas sim em quem ou o que está ciente de que tudo está acontecendo, quem ou o que está dentro da lente que chamamos de consciência. Essa ligeira, mas enorme mudança de paradigma, do que é percebido para o que está percebendo, pode instantaneamente nos colocar em contato com uma sensação milagrosa.

Também vale lembrar que todas as experiências aparecem e desaparecem sem exceção. Embora seja da natureza agarrar-se a essas experiências que gostamos, como admiração e gratidão, para tentar fazê-las ficar, elas também estão sujeitas a mudanças intermináveis. Imaginar que a admiração poderia ou deveria ser permanente é como imaginar que nós mesmos poderíamos ser permanentes. E lembrar, como paradoxo final, que é justamente em sua impermanência que existe sua graça. Um sem o outro não poderia ser.

Esta história foi originalmente publicada no Nancy Colier Blog.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas