Como criar um sistema corrupto e como eliminá-lo

No mundo inteiro, proliferam empresas estatais criadas através de medidas coercitivas que, não apenas tolhem a liberdade dos que querem empreender ou consumir, como confiscam recursos da população para que tais iniciativas sejam implementadas. Por trás de toda intenção baseada na coerção, há agendas arquitetadas e colocadas em prática, sem racionalidade e moralidade adequadas.

Leia também:
General Enzo é suspeito de estar envolvido em corrupção e desvio de recursos
Investigação de corrupção leva alto oficial da Marinha chinesa a se suicidar
Urnas eletrônicas brasileiras: corrupção, fraudes e ameaças

Como criar um sistema corrupto:

1. Crie leis que impeçam a iniciativa privada de empreender livremente.

2. Crie empresas estatais para fazer aquilo que a iniciativa privada foi proibida de fazer.

3. Determine que as empresas estatais contratem os serviços ou produtos na iniciativa privada, pois elas próprias não têm capacidade empresarial nem gerencial para fazê-lo.

4. Crie agências reguladoras para controlar a iniciativa privada, criando dificuldades para a livre iniciativa.

5. Comece a exigir da iniciativa privada, cada vez mais, que atenda normas e procedimentos ainda mais burocráticos e de difícil solução técnica.

6. Ofereça relaxamento de exigências, privilégios e outras facilidades à iniciativa privada em troca de propina para o partido político que está no poder e para ganho pessoal de quem decide.

7. Crie arranjos entre as empresas líderes da iniciativa privada para que não haja denúncias. Assim, todos estarão envolvidos e comprometidos com o sistema.

8. Cobre o máximo de propina que der, pelo maior tempo possível. Não importa o atraso da entrega nem o custo final do negócio.

9. Se a falcatrua vier a público, tenha um laranja para levar a culpa.

Como acabar com ele:

1. Desestatização de toda e qualquer empresa estatal existente.

2. Liberação do mercado a qualquer um que queira ofertar produtos e serviços ao público consumidor, seja de que área for, inclusive arbitragem e segurança preventiva.

3. Cadeia para todo mundo e confisco de todos os bens amealhados a partir do comprovado envolvimento na fraude.

4. Perda de mandato eletivo, ou possibilidade de contratação em qualquer órgão governamental, dos envolvidos. Para sempre.

5. Limitar a atuação do governo à polícia, forças armadas e justiça.

6. Eliminar toda legislação que viola os direitos individuais.

Mãos à obra!

Roberto Rachewsky é empresário da área de comércio exterior. Fundador do Instituto Estudos Empresariais (IEE), do qual foi vice-presidente (1984-85) e presidente (1986-87). Também fundou o Instituto Liberal do Rio Grande do Sul, do qual foi vice-presidente na década de 1980. Atualmente, é conselheiro do IEE

 
Matérias Relacionadas