Colômbia pede ao mundo que ‘tome nota’ das acusações dos EUA contra dissidentes das FARC

Nos últimos 20 anos o executivo venezuelano conspirou com as FARC para introduzir toneladas de cocaína no território americano

Agência EFE

O governo colombiano instou nesta quinta-feira a comunidade internacional a levar em conta as acusações de que a Justiça dos EUA apresentou-se contra o líder socialista venezuelano Nicolás Maduro e outros líderes do Chavismo, bem como contra dois líderes dissidentes das FARC por tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e terrorismo.

“É urgente que a comunidade internacional tome nota das acusações feitas que indicam o alcance das ações do regime ilegítimo e de organizações terroristas como o Grupo de Dissidência Residual Armado”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores em comunicado.

O Ministério das Relações Exteriores catalogou o anúncio da Justiça dos EUA como “determinante” porque “apenas a cooperação judiciária internacional permitirá que o mundo enfrente o terrorismo, o tráfico de drogas e todas as formas de crime transnacional”.

A Procuradoria Geral dos Estados Unidos anunciou hoje acusações contra Maduro, o presidente da Assembleia Nacional Constituinte (ANC), Diosdado Cabello e outras figuras chavistas, bem como contra o pseudônimo Iván Márquez e Jesús Santrich, chefes de uma dissidência das FARC, guerrilha que se desmobilizou após a assinatura em 2016 do acordo de paz com o governo colombiano.

Segundo os promotores norte-americanos, nos últimos 20 anos o executivo venezuelano conspirou com as FARC para introduzir toneladas de cocaína no território americano.

Por esse motivo, ele ofereceu US$ 15 milhões por qualquer informação que levasse à prisão de Maduro, US$ 10 milhões para Diosdado Cabello e até US$ 5 milhões para Luciano Marín Arango, também conhecido como “Iván Márquez”.

“A Colômbia tomou nota das informações, bem como dos dados e fatos que estão sendo divulgados. Há menções diretas na acusação comunicada a ‘Jesús Santrich’ e ‘Iván Marquez’, líderes da (…) organização terrorista de dissidência ”, acrescentou o Ministério das Relações Exteriores.

Márquez e Santrich, que em meados de 2019 abandonaram o acordo de paz, apareceram em 29 de agosto do mesmo ano em um vídeo anunciando seu retorno às armas, alegando violações do governo ao acordo de paz.

Segundo as autoridades colombianas, o grupo dissidente liderado por Márquez, número dois da antiga guerrilha e principal negociador nas negociações de paz, está escondido no território venezuelano, onde desfruta da proteção do regime de Maduro.

“O Ministério das Relações Exteriores enfatiza que há muito tempo nossas autoridades enfatizaram a necessidade de levar à justiça essas pessoas protegidas pelo regime ilegítimo de Nicolás Maduro”, acrescentou o comunicado.

Colômbia e Venezuela não mantêm relações diplomáticas desde 23 de fevereiro de 2019, quando foram rompidas por Maduro após a tentativa fracassada do líder do Parlamento, Juan Guaidó, reconhecido como presidente “interino” da Venezuela por mais de 50 países, de entrar na fronteira com a Colômbia à frente de uma caravana de ajuda humanitária.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas