COI destina US$ 800 milhões para cobrir custos de adiamento de Tóquio 2020

Por EFE

Redação Central, 14 maio – O Comitê Olímpico Internacional (COI) destinará até US$ 800 milhões para cobrir os custos extras do adiamento dos Jogos de Tóquio para 2021, anunciou nesta quinta-feira o presidente da organização, o alemão Thomas Bach.

Até US$ 150 milhões desse montante serão repartidos entre os diferentes grupos do Movimento Olímpico, especificamente as federações internacionais e os comitês olímpicos nacionais. A ideia do COI é que o dinheiro seja usado para continuar com as atividades e os programas de apoio aos atletas.

A decisão foi tomada durante uma reunião da Diretoria Executiva do comitê internacional feita por videoconferência, da mesma forma que deve ser realizada a 136ª Assembleia Plenária do organismo, em 17 de julho.

Segundo os cálculos do COI, o adiamento dos Jogos custará 800 milhões a seus cofres, o que corresponde à sua participação e responsabilidades na organização dos Jogos adiados. A informação foi dada por Bach em entrevista coletiva por telefone após a reunião.

No dia 24 de março, o COI e o governo japonês concordaram em adiar os Jogos diante da grave crise global de saúde resultante da pandemia do novo coronavírus.

O valor comprometido será dividido em dois grupos: até US$ 600 milhões para cobrir as consequências econômicas do adiamento e até 150 milhões para auxiliar as entidades esportivas. Esta última é uma resposta às preocupações expressas nas últimas semanas pelas federações e comitês sobre a perspectiva de ter que estender seus orçamentos por um ano sem a distribuição dos fundos que esperavam após os Jogos de 2020.

O valor total de 800 milhões virá dos fundos próprios do COI, incluindo verbas da Fundação Olímpica, que contém as reservas do organismo.

Perguntado se os Jogos de 2021 poderiam ser transferidos ou cancelados se a crise de saúde não terminasse, Bach disse que pretende manter a data prevista.

“Estamos comprometidos com o sucesso dos Jogos a partir do dia 23 de julho de 2021, organizados em um ambiente saudável para todos os participantes. O grupo de trabalho criado para este fim está fazendo todo o esforço e ouvindo todas as recomendações dos especialistas para fazer a abertura dos Jogos em um ano e dois meses, e não há necessidade de alimentar qualquer especulação sobre desenvolvimentos futuros”, declarou.

 
Matérias Relacionadas