Cinco erros de segurança que você comete todos os dias navegando na internet

Navegar na Internet, seja por telefone ou em um computador, tornou-se uma atividade cotidiana. Como tal, ela traz alguns riscos, especialmente devido ao constante ataque dos cibercriminosos.

Por isso, o Gizmodo (blog publicado originalmente nos Estados Unidos pela Gawker Media, sediada em Nova Iorque, sendo o terceiro, em número de acessos, de toda a Terra, segundo a Technorati) aponta quais são os cinco erros mais comuns que cometemos em nossa navegação diária, para que prestemos atenção à nossa segurança e daqueles que nos cercam.

A mesma senha para tudo

Este é um erro muito comum. E-mail, Facebook, Twitter, Instagram… é como se você tivesse uma única chave para abrir sua casa, seu carro e acessar seu banco. Se roubarem de você, você perde tudo. Portanto, especialistas recomendam não só usar uma senha diferente para cada serviço, mas também alterá-la com frequência e mantê-la guardada em local seguro.

Não proteger a tela de bloqueio do celular

A tela de bloqueio do celular é uma porta que dá acesso à sua conta do Facebook ou do Twitter, à sua conta de e-mail, à sua conta na Amazon, e inclusive sua conta bancária. Apesar disso, ainda existem muitos usuários que não a protegem. Este pode ser um erro fatal. No entanto, é muito mais aconselhável usar um código numérico ou pin do que um padrão de desbloqueio.

Não usar a autenticação em duas etapas

Quase todas as plataformas online como Facebook, Twitter, Google, Apple, Microsoft e Instagram incluem a possibilidade de autenticação em duas etapas. Além da senha, é gerado um código aleatório que é enviado por SMS para o celular e que funciona como uma segunda chave de acesso.

Compartilhar muita informação

Este é um grande erro que cometemos nas redes sociais. Revelar sua localização, se está de férias, os dados pessoais e até mesmo o nome do seu cachorro (principalmente se você o usa como senha!), pode ser muito útil para os cibercriminosos.

Não ter cuidado com o WiFi

As redes WiFi públicas são perigosas porque são facilmente acessadas pelos cibercriminosos. Especialistas recomendam ler atentamente as condições de acesso, não realizar transações sensíveis com o WiFi público (por exemplo, acessar sua conta bancária) ou registrar-se em novos serviços.

Leia também:
Pergunte a um físico quântico: existem universos paralelos?
Bebês e adultos sincronizam ondas cerebrais através do contato visual
Amazon abre nova loja com autoatendimento, sem caixas nem atendentes (Vídeo)

 
Matérias Relacionadas