China se prepara para dominar a América Latina em 5 anos: especialista em segurança

Regime chinês busca usar a América Latina como alavanca contra os Estados Unidos

Por David Zhang & Hannah NG 

A China está expandindo sua influência na América do Sul para combater o domínio dos EUA no Hemisfério Ocidental, de acordo com o especialista em segurança Joseph J. Humire.

“Eles estão construindo isso gradualmente, sistematicamente, ao longo de muitos, muitos anos, ao longo de décadas”, disse Humire recentemente ao programa “China Insider” da EpochTV.

Humire disse que o comércio e o investimento na região têm sido parte integrante dos esforços de Pequim nesse sentido, mas essa troca vem com restrições.

“Essas condições geralmente são a perda de sua soberania, a perda em alguns casos de seu território… e em alguns casos a China pode enganar para trazer isso para sua órbita geopolítica”, disse Humire, diretor executivo de especialistas em segurança nacional, Centro para uma Sociedade Livre Segura.

A China e a Argentina aprofundaram recentemente seu relacionamento ao assinar um acordo nos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, em 6 de fevereiro, que adicionou o país à “Iniciativa Cinturão e Rota”, um projeto maciço de investimento em infraestrutura destinado a expandir a influência econômica e política global de Pequim. Com este acordo, a Argentina tomará US $23,7 bilhões em empréstimos da China para o desenvolvimento de infraestrutura.

Tais compromissos estão permitindo que o regime avance em sua ambição militar, de acordo com Humire.

Para ilustrar esse ponto, ele apontou para a estação de rastreamento por satélite controlada por militares chineses, estabelecida em 2014 na província de Neuquén, no noroeste da Patagônia argentina. A China afirmou que a estação espacial é para observação e exploração espacial pacífica. No entanto, analistas técnicos denunciaram que a instalação foi preparada para guerra eletrônica, segundo Humire.

“Isso significa que, em pouco tempo, eles vão pegar satélites americanos e tirá-los de órbita na América Latina (…) onde os Estados Unidos deveriam ter mais influência”, disse Humire na Conferência de Ação Política Conservadora em Orlando, na Flórida, em 26 de fevereiro.

O regime chinês busca usar a América Latina como alavanca contra os Estados Unidos, disse o especialista.

“Os chineses estão se certificando de que a América Latina se torne uma área inóspita para os Estados Unidos negociarem, viajarem e fazerem negócios”, disse Humire.

“Isso faz parte do cálculo estratégico para poder limitar a capacidade dos Estados Unidos de conter as ambições da China em seu exterior imediato”, acrescentou.

A crescente influência do regime na região se reflete na mudança da relação dos países sul-americanos com Taiwan, um país com governo próprio, mas que Pequim considera seu.

“Taiwan (…) teve um forte reconhecimento na América Latina por décadas. A China vem minando esse reconhecimento ao longo do tempo”, disse ele.

Consequentemente, alguns países como Honduras e República Dominicana mudaram sua posição em relação a Taiwan e reconheceram a China.

Enquanto isso, Guatemala e Paraguai continuam fortes aliados de Taiwan, mas estão sob pressão da China em todas as frentes para abandonar esse reconhecimento, segundo Humire.

O especialista acredita que se a China finalmente conseguir que esses dois países mudem de posição, então Pequim tomará medidas para invadir Taiwan porque a ilha ficaria mais isolada internacionalmente e sem apoio.

Ele alertou que dentro de cinco anos, a China assumirá o controle da América Latina e pediu aos Estados Unidos que “se apressem e os parem”.

“Enquanto a China estiver na América Latina, sempre poderá tomar ações mais agressivas no Indo-Pacífico”, disse Humire.

“E essa parte é uma séria ameaça não apenas para os Estados Unidos, mas para o mundo ocidental”, acrescentou.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas