China pode invadir Taiwan em um futuro próximo diz almirante dos EUA

Por Frank Fang

Taiwan está enfrentando uma ameaça mais iminente de uma possível invasão chinesa do que a maioria das pessoas imaginam, disse o almirante americano John Aquilino durante sua audiência de nomeação na terça-feira.

Aquilino foi nomeado comandante do Comando Indo-Pacífico dos Estados Unidos (INDOPACOM), sucedendo ao atual comandante almirante Philip Davidson. Na terça-feira, enquanto testemunhava perante o Comitê de Serviços Armados do Senado, Aquilino foi questionado sobre a observação recente de Davidson de que Pequim poderia invadir Taiwan nos “próximos seis anos”.

Em resposta, Aquilino se recusou a endossar a estimativa de seis anos, dizendo que havia “muitos números por aí” variando de “hoje a 2045”. No entanto, Aquilino alertou sobre a ameaça iminente contra a ilha autogovernada.

“Minha opinião é que esse problema está muito mais próximo de nós do que muitos pensam”, disse Aquilino. “Temos que assumir isso, colocar esses recursos de dissuasão como o PDI em prática no curto prazo e com urgência.”

Pacific Deterrence Initiative (PDI), criada sob a Lei de Autorização de Defesa Nacional de 2021, o projeto de lei de gastos anuais do Pentágono , visa garantir capacidades militares avançadas para deter as ameaças militares da China na região Indo-Pacífico. O PDI é semelhante à Iniciativa de Dissuasão Europeia ( pdf ), que foi lançada em 2014 para aumentar a prontidão militar dos EUA na Europa.

O INDOPACOM propôs  que o Congresso forneça ao PDI cerca de US$ 27 bilhões em gastos adicionais de 2022 a 2027, incluindo US$ 4,6 bilhões para o ano fiscal de 2022. O dinheiro seria gasto em novas armas, como um sistema de defesa antimísseis em Guam e colaboração com aliados na região.

“Eles vêem isso como sua prioridade número um. O rejuvenescimento do Partido Comunista Chinês está em jogo ”, disse Aquilino.

Taiwan é um país independente de fato com seus próprios funcionários, forças armadas, constituição e moeda eleitos democraticamente. Atualmente, Washington não tem laços diplomáticos formais com Taipei, mas mantém um relacionamento sólido com a ilha sob a Lei de Relações com Taiwan, que autoriza os Estados Unidos a fornecer a Taiwan equipamento militar para a defesa da ilha.

Dois soldados da marinha hastearam a bandeira nacional de Taiwan durante uma cerimônia oficial em um estaleiro em Su’ao, um município no leste do condado de Yilan de Taiwan, em 15 de dezembro de 2020 (Sam Yeh / AFP via Getty Images)

No entanto, os Estados Unidos mantiveram uma política de longa data de “ambigüidade estratégica” – o que não significa dizer claramente se o governo dos Estados Unidos viria defender Taiwan no caso de um ataque chinês.

Aquilino deu a entender que os militares dos EUA não ficariam de braços cruzados, pois isso “impactaria a credibilidade dos Estados Unidos como parceiro na região”.

Além disso, o comércio global seria afetado devido à localização estratégica de Taiwan, de acordo com Aquilino.

Em termos de autodefesa de Taiwan, Aquilino aplaudiu a ilha por investir no sistema de mísseis Harpoon.

“Sinto-me encorajado pelas capacidades em que estão investindo, de maneira indígena para sua defesa. O exemplo que eu daria é o sistema Harpoon. Achei isso muito atencioso e a capacidade certa para um exemplo ”, disse Aquilino.

O Harpoon Coastal Defense System fazia parte de uma venda de armas de US$ 2,37 bilhões para Taiwan, aprovada pelo governo Trump em outubro do ano passado.

O vice-ministro da Defesa de Taiwan, Chang Che-ping, em uma entrevista coletiva em 27 de outubro de 2019, disse que os mísseis Harpoon permitiriam aos militares da ilha destruir metade de qualquer força de invasão chinesa, de acordo com a mídia taiwanesa.

A venda do míssil Harpoon foi uma das mais de 10 vendas de armas para Taiwan que a administração Trump aprovou em quatro anos. Em novembro do ano passado, aprovou a venda de um pacote de drones avançados de US$ 600 bilhões para a ilha.

Taiwan estaria mais vulnerável a uma invasão chinesa na primavera. De acordo com Aquilino, a primavera seria a melhor época do ano para os militares chineses invadirem, considerando a luz, o clima e as condições do mar.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer
 
Matérias Relacionadas