China planeja implementar sistema de crédito social em Hong Kong, Macau

Por Frank Fang, Epoch Times

A China planeja impor uma forma de seu sistema de crédito social em Hong Kong, de acordo com as diretrizes políticas anunciadas recentemente.

Na China continental, as autoridades monitoram as atividades dos cidadãos, incluindo compras on-line e comportamentos diários em espaços públicos, e atribuem a elas uma classificação de “confiabilidade”. As autoridades locais compilam “listas negras” de indivíduos com mau crédito, que são então banidos de serviços públicos, como embarcar em um avião ou comprar um bilhete de trem.

Partes do sistema foram lançados em 2014 e está previsto que ele seja implementado em toda a China em 2020. Críticos levantaram preocupações de que tal vigilância poderia ser usada pelas autoridades para rastrear alvos políticos ou dissidentes.

Em 5 de julho, o governo provincial da província de Guangdong divulgou um plano de ação de três anos (2018-2020) para o desenvolvimento da região da Grande Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau.

Isso se refere à ambição do regime chinês de construir um centro de tecnologia no Delta do Rio das Pérolas no sul da China, integrando nove cidades do continente chinês e as regiões vizinhas de Macau e Hong Kong.

Ambas as regiões são antigas colônias europeias que desde então foram devolvidas à soberania chinesa sob o princípio “um país, dois sistemas” – sob o qual Pequim prometeu um alto grau de autonomia e liberdades preservadas.

Mas em Hong Kong, os residentes reclamaram que nas últimas duas décadas desde que a cidade retornou ao domínio chinês, a influência crescente de Pequim afetou a política local, a educação e a liberdade de imprensa. Os residentes de Macau também exigiram nos últimos anos o sufrágio universal nas eleições para o principal funcionário da cidade.

O novo plano de ação lista 100 itens, colocados em nove categorias diferentes, como a construção de indústrias modernas competitivas internacionalmente; melhorar as condições de vida e o ambiente de negócios; e acelerando o processo de abertura de “uma nova frente”, um slogan do Partido referente às reformas econômicas.

Nessa categoria, o sistema de crédito social foi mencionado. Em particular, a região da Grande Baía “exploraria a implementação de um sistema de crédito de recompensas e punições para as empresas”.

Em outro documento da Província de Guangdong divulgado em 5 de julho, as autoridades explicaram que o plano visava desenvolver ainda mais o modelo “um país, dois sistemas” e integrar “crédito e compartilhamento de informações” entre a província de Guangdong, Hong Kong e Macau.

Duas agências do governo de Guangdong serão encarregadas de tornar possível o sistema de crédito social, bem como a agência da cidade de Guangzhou do Banco Central da China, o Banco do Povo da China. Os documentos não ofereciam detalhes.

Na página do Facebook do canal a cabo de notícias de Hong Kong, i-Cable, muitos usuários deixaram comentários expressando preocupações de que os Hongkongers poderiam estar sujeitos ao sistema de pontuação individual – embora os documentos chineses não fizessem referência a esses planos.

Um usuário com o nome “Cloud Ip” escreveu: “É o fim do mundo”. “Sau Saam” escreveu que “o sistema de crédito social na China é, de fato, um novo sistema de escravidão”.

Outro usuário com o nome “Ada Lee” brincou: “Então você tem dez pontos deduzidos toda vez que entra em uma marcha, e então você não pode nem viajar para o exterior”.

Em Hong Kong, houve protestos em massa no último mês, com a participação de milhões de pessoas que se opunham a um projeto de lei de extradição polêmico que permitiria a qualquer país, incluindo a China continental, buscar a extradição de suspeitos. Muitos estão preocupados com a possibilidade de que, se o projeto fosse aprovado, isso iria corroer a independência judicial da cidade, o que sinalizaria o fim do modelo “um país, dois sistemas”.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

 
Matérias Relacionadas