China parou de fornecer empréstimos à América Latina e Caribe em 2020, primeira vez em 15 anos

Por Débora Alatriste

Um relatório recente observou que em 2020 a China não concedeu novos empréstimos aos governos da América Latina e do Caribe, tendência que vem aumentando há alguns anos.

O relatório intitulado “Mudando as engrenagens: Finanças chinesas na LAC, 2020”  – produzido pelo The Inter-American Dialogue e pelo Centro de Políticas de Desenvolvimento Global da Universidade de Boston – observa que, pela primeira vez em 15 anos, o Banco de Desenvolvimento da China (CDB) e o Banco de Exportação e Importação da China (Eximbank) não concedeu novos empréstimos aos governos da região em 2020.

De acordo com o documento, em 2010 a região recebeu o maior montante de recursos, com US$ 37,5 bilhões, enquanto 2006 e 2020 foram os únicos anos em que não houve novas concessões. Da mesma forma, desde 2015, o montante total dos empréstimos para a América Latina e o Caribe vem diminuindo.

“Embora seja uma novidade nas relações recentes entre a China e a ALC, a falta de financiamento neste ano também reflete uma tendência mais ampla de queda nas finanças chinesas para a região, evidente desde 2015”, explica o relatório.

Ambos os centros de pesquisa estimam que a China financiou mais de US$ 136 bilhões em crédito para a região desde 2005. Esses empréstimos foram direcionados principalmente aos setores de energia e infraestrutura, ao contrário de doações de instituições financeiras internacionais (IFIs), como o Inter-American Development Banco e Banco Mundial, de acordo com o relatório.

O relatório explica que um dos fatores recentes na redução dos empréstimos está relacionado ao impacto da pandemia do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), apesar do fato de muitos países latino-americanos terem recebido equipamentos e suprimentos sanitários de Pequim, como parte de seu controversa estratégia de “diplomacia” .

Durante a pandemia, a China doou mais de US$ 215 milhões em suprimentos médicos para a região, de acordo com o relatório. Pequim também realizou testes clínicos para a vacina em países como Peru, México, Argentina e Brasil.

Diante dessa situação de pandemia – somada ao fato de a China ter se tornado um dos mais importantes parceiros comerciais dos países latinos – os Estados Unidos manifestaram sua preocupação.

“Certamente, parte da resposta da COVID da região tem uma face chinesa”, disse Rebecca Ray, economista da Universidade de Boston e uma das autoras do novo relatório, à Associated Press . “Esta é uma oportunidade perdida para a América, mas desde que a manufatura americana atingiu o seu ponto mais baixo nos anos 1990, realmente não há como competir. Muitos dos mesmos suprimentos médicos que a China envia para a América Latina, também compramos da China”, acrescentou.

Um relatório da Comissão de Revisão de Segurança e Economia EUA-China observou que Pequim tem dois objetivos principais na América Latina e no Caribe: obter acesso aos recursos naturais; e obter “influência geopolítica em uma região geograficamente próxima e historicamente sujeita à influência dos Estados Unidos”.

Durante sua gestão, Trump impulsionou os investimentos no setor privado da região com iniciativas como a América Cresce – cuja parte do propósito era a saída dos países do regime. Desde o seu lançamento em 2018, 10 países assinaram os acordos, incluindo El Salvador, Equador, Brasil, Honduras e Bolívia.

“Equador, Bolívia e Peru têm relações comerciais ‘anormais’ com a China e seria bom se suas relações com os EUA fossem fortalecidas, porque afinal o que a China viu são os piores hábitos do passado. Dependência, dívida e corrupção, isso é o que trouxe para o Hemisfério Ocidental coisas do século 20, que foi um século perdido para a América Latina”, disse  Mauricio Claver-Carone, então Assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, durante sua passagem pela América do Sul em janeiro do ano passado promovendo sua iniciativa.

Em janeiro de 2020, a International Development Finance Corporation (DFC) investiu US$ 10,4 bilhões na região e assinou um acordo com o Equador de US$ 2,8 bilhões para projetos de infraestrutura que poderiam refinanciar sua dívida com a China, que soma US$ 5.288 milhões – o equivalente a mais de 70% da dívida total com outros países.

O país teve que reestruturar duas partes de sua dívida com a China. O pagamento da primeira parte, no valor de US$ 417 milhões, terá um atraso de um ano; já um segundo acordo, feito em setembro de 2020 pelo Banco de Desenvolvimento da China e pelo Ministério das Finanças do Equador, concede um período de carência de 16 meses para uma dívida adicional de US$ 474 milhões.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas