China fracassa em sua quinta tentativa de lançar foguete este ano, apesar de tentar dominar o espaço

O Kuaizhou-11, o maior foguete sólido da China até hoje, com a maior capacidade de carga, não decolou em uma base de lançamento na Mongólia Interior

Por Eva Fu

O regime chinês não conseguiu lançar um foguete em 10 de julho – a quinta tentativa fracassada que Pequim reconheceu publicamente por quatro meses – em sua tentativa de promover suas ambições espaciais.

O lançamento inaugural do Kuaizhou-11, o maior foguete sólido da China até hoje, com a maior capacidade de carga, não decolou em uma base de lançamento na Mongólia Interior, causando a perda de dois satélites de comunicação que estava carregando.

O incidente marcou o quinto fracasso no lançamento de foguetes de Pequim desde março deste ano. As autoridades chinesas disseram que ainda estão investigando as causas.

Originalmente, o regime havia planejado o lançamento do Kuaizhou-11 no final de 2016, mas adiou repetidamente a missão devido a dificuldades técnicas.

O regime ainda não comunicou as perdas financeiras estimadas devido às falhas e aos satélites destruídos.

Um Long March 5B de março decola do local de lançamento de Wenchang, na ilha de Hainan, no sul da China, em 5 de maio de 2020 (STR / AFP via Getty Images)
Um Long March 5B de março decola do local de lançamento de Wenchang, na ilha de Hainan, no sul da China, em 5 de maio de 2020 (STR / AFP via Getty Images)

Incidentes anteriores

O regime chinês sofreu uma série de contratempos no ano passado, tentando enviar satélites para o espaço.

Em 16 de junho, Pequim atrasou o lançamento do mais recente satélite de navegação Beidou por uma semana devido a problemas técnicos. Com o último satélite instalado uma semana depois, Pequim pretende fornecer um sistema de navegação global alternativo para competir com o GPS (Sistema de Posicionamento Global) dos EUA.

Em 5 de maio, um grande foguete chinês, conhecido como Long March 5B, com uma base central de aproximadamente 20 toneladas, foi lançado para a Terra do espaço após um mau funcionamento. O foguete passou por Los Angeles e pelo Central Park de Nova York, aterrissando por acidente no Oceano Atlântico.

Um foguete Long March 5B, que transportava o satélite Beidou-3GEO3, decola do Xichang Satellite Launch Center em Xichang, na província sudoeste de Sichuan, China, em 23 de junho de 2020 (STR / AFP via Getty Images)
Um foguete Long March 5B, que transportava o satélite Beidou-3GEO3, decola do Xichang Satellite Launch Center em Xichang, na província sudoeste de Sichuan, China, em 23 de junho de 2020 (STR / AFP via Getty Images)

Em abril, um foguete chinês Long March 3B, transportando o Indonésia Palapa-N1, um satélite de transmissão e comunicações de banda larga, explodiu menos de um minuto após a decolagem.

Em 16 de março, a nova versão chinesa do Long March 7A também terminou em fracasso em seu lançamento de estreia.

Em sua avaliação de ameaças espaciais de 2019, o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais – um think tank baseado em Washington – descobriu que a China é um dos quatro países que representam o maior risco para os sistemas espaciais dos EUA, aproximadamente US$ 11 bilhões em programas espaciais, de acordo com o relatório.

“Atingir a superioridade espacial significa que a China deve garantir sua capacidade de utilizar plenamente seus próprios recursos espaciais e, ao mesmo tempo, degradar, interromper ou destruir as capacidades espaciais de seus adversários”, segundo fontes chinesas citadas no relatório.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

EUA exigem transparência do regime chinês diante da COVID-19

 
Matérias Relacionadas