ARTIGO - Publicado em - Atualizado em 27/03/2017 às 13:30

China está ficando séria sobre a reforma, diz especialista

Chefe da Enodo Economics diz que as autoridades estão fazendo a coisa certa, mas há riscos

Um trabalhador numa usina de aço em Changzhou, China, em 13 de maio de 2016. De acordo com a economista Diana Choyleva, a China está ficando séria sobre a reforma, e isso significa cortar a capacidade de produção de aço. (Kevin Frayer/Getty Images)

Um trabalhador numa usina de aço em Changzhou, China, em 13 de maio de 2016. De acordo com a economista Diana Choyleva, a China está ficando séria sobre a reforma, e isso significa cortar a capacidade de produção de aço. (Kevin Frayer/Getty Images)

Não há muitas pessoas que entendem bem a China sem ter vivido lá. A economista Diana Choyleva é uma delas.

Ela cobriu a China para a consultoria Lombard Street Research por mais de uma década e recentemente fundou sua própria consultoria, a Enodo Economics.

Ela previu com sucesso a crise financeira asiática no final dos anos 90 e a ascensão da China para se tornar um ator global dominante no início da última década. Antes da maioria dos analistas, ela previu o fim do modelo de crescimento liderado pelas exportações da China.

Agora, ela acha que a China está começando a mostrar-se séria sobre a reforma e finalmente resolverá os problemas da dívida e sobrecapacidade, um processo que inevitavelmente resultará em mais risco e volatilidade.

Epoch Times: Por que as autoridades chinesas revisaram suas metas de crescimento para baixo em “cerca de” 6,5% no Congresso Popular Nacional no início de março?

Diana Choyleva: A razão pela qual eles mudaram a meta de crescimento agora, ao invés de esperar pelo Congresso do Partido Comunista no outono, é que o líder chinês Xi Jinping consolidou seu poder. Isso ficou claro depois do plenário do Partido em outubro do ano passado.

A próxima coisa na agenda econômica é a redução dos riscos financeiros. Isso será deflacionário para a economia, menos demanda e menor crescimento.

Epoch Times: Qual é a sua estimativa para o crescimento do PIB chinês?

Sra. Choyleva: Observar a meta do PIB de 6,5% em alguns aspectos é quase sem sentido. As estatísticas oficiais de crescimento do PIB não representam a realidade do que ocorre na China, como os movimentos cíclicos muito violentos de uma economia tão grande e em desenvolvimento.

Eu estimo o PIB da China usando dados oficiais, apenas reproduzindo o que o Departamento Nacional de Estatísticas da China diz que eles estão fazendo, embora eles não digam exatamente o que estão fazendo.

Com base nesses números, o crescimento no quarto trimestre de 2016 foi de 5,8%, não o número oficial de 6,8%. Se olharmos para os últimos três trimestres do ano passado, o crescimento médio foi de apenas 4,3% em termos trimestrais analisados. Assim, o crescimento na China já desacelerou para baixo da meta do ano passado de 6,7% e da meta deste ano de 6,5%.

Epoch Times: Mas você diz que o rebaixamento oficial do crescimento significa que o regime agora iniciará a reforma econômica a sério, uma vez que Xi Jinping consolidou-se no poder.

Sra. Choyleva: A coisa mais importante que eles têm a fazer é permitir mais inadimplência se acreditarmos que haverá uma mudança genuína na avaliação do risco econômico no futuro.

No momento, eu não espero que eles permitam que todas as empresas de zumbis fracassem, mas precisamos ver as tendências que começaram nos últimos dois anos continuarem e acelerarem ainda mais.

Como dizer aos bancos para parar de rolar dívidas ruins e começar a cortar algumas dessas linhas de crédito.

Epoch Times: Porque a dívida ainda é a principal questão, correto?

Sra. Choyleva: Alguns anos atrás, as pessoas estavam pensando num colapso financeiro, numa crise bancária, mas eu não era uma delas. Eu reconheci que a taxa de aumento da dívida em relação ao PIB era alarmante, mas naquele momento eu continuava dizendo que eu não via isso como tendo chegado ao ponto do acerto de contas.

No entanto, olhando para os dados agora, chegamos ao momento crucial.

Analisamos a dívida não financeira e não governamental como parte do PIB e comparamos a China com o Japão e a Coreia do Sul durante seus respectivos períodos de crescimento. Alguns anos atrás, a China estava longe do pico alcançado no Japão ou na Coreia. Agora, a China está acima do pico da Coreia e muito perto do pico do Japão visto antes de suas respectivas bolhas de crédito explodirem.

Assim, desse ponto em diante, em minha opinião, estamos em território inexplorado. Se você é uma das pessoas que dizem que a dívida não importa na China, acho que para ser capaz de dizer isso, você tem de ter um argumento blindado sobre o porquê desta vez é diferente. E eu ainda não encontrei essa narrativa.

Não haverá necessariamente uma enorme implosão financeira, mas eu não acredito naqueles que dizem que o crescimento será forte e que não haverá qualquer volatilidade, que a liderança do regime conseguirá simplesmente suavizar as coisas.

Epoch Times: Eles tentarão fazer o processo de ajuste tão suave quanto possível, mas há riscos.

Sra. Choyleva: Se eles aumentarem a inadimplência, mas tentarem preservar as percepções de risco no mercado, é menos provável que isso cause risco sistêmico.

Mas, naturalmente, isso é um desafio enorme. Portanto, há margem para acidentes. Eu acho que olhando para os participantes do mercado agora, todo mundo está focado no [presidente estadunidense Donald] Trump, todos esqueceram a China.

Em minha opinião, nesse sentido 2017 será um ano diferente. A China reaparecerá no radar. Mesmo que as autoridades estejam tentando fazer a coisa certa e haja uma rachadura na reforma, isso pode ser percebido por observadores como um sinal de que eles estão perdendo o controle.

Se isso ocorrer num momento em que o crescimento já desacelerou muito mais do que as pessoas pensam e temos uma moeda chinesa sobrevalorizada, como a China poderá gerenciar [a reforma econômica] com êxito?

Portanto, é mais provável que a maior parte das mudanças ocorra após o Congresso do Partido no outono. Mas outubro e novembro não estão tão distantes. E a dimensão da questão é tamanha que eles têm de lidar com ela, e lidar com ela envolverá sofrimento e volatilidade.

Epoch Times: Mas você diz que é melhor fazer a reforma agora, em vez de adiar isso ainda mais?

Sra. Choyleva: Eu acho que é uma estratégia melhor, mesmo com os riscos envolvidos. Depois da crise financeira global, a China já não podia simplesmente jogar dinheiro em investimentos improdutivos como costumava fazer anos antes.

Não só o mundo não está crescendo e a torta do comércio global não está crescendo tão rápido como costumava, mas também a capacidade da China para abarcar fatias maiores está significativamente limitada.

Assim, as receitas de exportação diminuíram drasticamente, o que significa que, se quiserem continuar jogando dinheiro em investimentos improdutivos sem reforma, eles terão uma explosão da dívida ou inflação e nenhuma dessas dinâmicas é sustentável.

Epoch Times: Nós já vimos um aumento na inflação dos preços ao produtor este ano. De onde está vindo isto?

Sra. Choyleva: Os cortes de capacidade nas matérias-primas, em particular o carvão e o aço. Eles começaram a cortar seriamente em 2016.

Então, esses preços dispararam. Serviços de utilidade pública começaram a perder dinheiro, o que me diz que a pressão inflacionária dos custos de produção não foi assimilada pela cadeia de produção, o que acabou atingindo o consumidor.

Continuamos a ver os lucros sendo dizimados em toda a China. Desta forma, o setor corporativo foi atingido.

É altamente provável que isso será transferido como inflação dos preços ao consumidor, que até agora tem estado mudo, porque este não é um cenário de inflação impulsionada pela demanda.

É claramente uma inflação impulsionada pelos custos de produção e, ao longo deste ano, nós teremos o pior de ambos os cenários: crescimento lento e inflação forte.

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016