China está desviando atenção de suas má ações em Hong Kong: Departamento de Estado dos EUA

Por Dorothy Li

O Departamento de Estado dos EUA disse que a China está tentando “desviar a atenção de sua própria má conduta” em Hong Kong, acusando os Estados Unidos de interferir nos assuntos da cidade. A declaração foi divulgada depois que a China publicou uma lista de pessoas responsáveis pela suposta interferência.

“A política dos EUA em relação a Hong Kong tem sido consistente e não vacilará ”, disse um porta-voz do Departamento de Estado ao Epoch Times.

As declarações e ações dos Estados Unidos sobre a ex-colônia britânica visam “preservar a autonomia que foi prometida a Hong Kong na Declaração Conjunta” e “promover a responsabilização por aqueles que corroem os direitos humanos e as liberdades de que gozam as pessoas em Hong Kong”, afirmou o departamento em um e-mail em 24 de setembro.

“Os Estados Unidos sempre defenderão as liberdades fundamentais e o Estado de Direito”, diz a declaração, acrescentando que os dois são os direitos fundamentais que o regime prometeu.

Em uma postagem de 24 de setembro no site do Ministério das Relações Exteriores da China, o regime detalhou uma lista de mais de 100 casos acusando os Estados Unidos de “intromissão nos assuntos de Hong Kong” e “minar” a “prosperidade e estabilidade” da cidade. Pequim tem usado repetidamente as palavras para denunciar as críticas dos países ocidentais sobre questões que incluem a repressão de dissidentes em Hong Kong.

O departamento disse que “articular a política, envolver-se com contrapartes locais e representar os interesses nacionais” era a “prática da diplomacia” e “totalmente consistente com o direito internacional”.

“Sugerir o contrário é simplesmente uma tentativa da RPC de desviar a atenção de sua própria má conduta e só prejudica o apelo de longa data de Hong Kong como um centro de abertura e livre troca”, de acordo com o comunicado.

O ministério do regime criticou as respostas de Washington à ampla lei de segurança nacional de Hong Kong e outras medidas que a legislatura do carimbo comunista impôs ao centro financeiro internacional desde o início de 2019.

A polícia da cidade prendeu mais de 10.000 pessoas por seus papéis em protestos em massa, em meados de 2019, contra planos que permitem a extradição para a China continental.

Ao contrário de outras cidades do continente, Hong Kong já desfrutou de democracia depois de reverter o domínio britânico para o regime comunista chinês em 1997. Pequim prometeu permitir que a cidade mantivesse suas liberdades civis por 50 anos na Declaração Conjunta Sino-Britânica.

Depois que o regime deu início a uma série de medidas nos últimos anos, a cidade experimentou um retrocesso em sua autonomia e democracia, especialmente em função da legislação de segurança nacional. Desde que entrou em vigor, a polícia de Hong Kong prendeu 100 dissidentes, levando a mais de 60 acusações, a maioria contra políticos democráticos, ativistas, jornalistas e estudantes.

jimmy lai
Jimmy Lai, magnata da mídia pró-democracia de Hong Kong, é levado a uma van da polícia enquanto se dirige ao tribunal para ser acusado de acordo com a polêmica nova lei de segurança nacional imposta por Pequim, em 12 de dezembro de 2020. (Peter Parks / AFP via Getty Images)

A lista

As acusações de Pequim vão desde a assinatura da Lei de Autonomia de Hong Kong em 2020 pelo ex-presidente Donald Trump, até a demonstração de apoio do presidente Joe Biden ao jornal pró-democracia Apple Daily.

Trump ordenou o fim do status especial de Hong Kong sob a lei dos EUA para punir as “ações opressivas” do regime comunista contra o centro financeiro.

O regime também criticou Biden por chamar o fechamento do jornal Apple Daily de “um dia triste para a liberdade da mídia” e um sinal de “repressão intensificada por Pequim”.

O popular tabloide Apple Daily, que frequentemente criticava o governo da cidade e o Partido Comunista Chinês, fechou em junho depois que 500 policiais invadiram sua sede e congelaram seus principais ativos. As autoridades dizem que dezenas de artigos do jornal podem ter violado a lei de segurança nacional.

O fundador do Apple Daily, o magnata Jimmy Lai, está atualmente cumprindo uma sentença de 20 meses e aguardando julgamento por três acusações de segurança nacional. Segundo a lei, Lai pode pegar prisão perpétua.

A legislação vagamente redigida pune discurso ou atos considerados separatistas, subversivos, terroristas ou percebidos como conivência com grupos políticos estrangeiros hostis ou indivíduos contra o Estado de partido único governante da China.

Outras autoridades americanas citadas na lista da China incluem a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, o então secretário de Estado Mike Pompeo e seu sucessor Antony Blinken.

O Ministério das Relações Exteriores não explicou por que a lista foi divulgada agora ou se tomaria medidas punitivas contra os nomeados na lista.

Epoch Times Photo
Participantes de várias forças marcham ao lado de uma faixa de apoio à nova lei de segurança nacional no final de uma cerimônia de hasteamento da bandeira para marcar o 23º aniversário da transferência de Hong Kong da Grã-Bretanha em Hong Kong em 1 de julho de 2020 (Anthony Wallace / AFP via Getty Imagens)

O porta-voz do gabinete do comissário do ministério em Hong Kong rotulou a política e as ações de Washington em relação a Hong Kong como “antecedentes criminais” em outra declaração de 24 de setembro.

Em 16 de julho, Washington emitiu alertas sobre a deterioração das condições de negócios na cidade após a promulgação da lei de segurança nacional. Uma semana depois, Washington impôs sanções às autoridades chinesas por seu papel no sufocamento da democracia na cidade.

Em resposta, o regime emitiu outra lista de sanções visando ex-políticos e instituições dos EUA. A China exigiu que todos os indivíduos e empresas no continente seguissem as sanções estabelecidas pelo regime comunista em uma lei de sanções contra o estrangeiro aprovada em junho.

Aqueles que estão envolvidos na implementação de medidas de sanções estrangeiras contra o regime podem enfrentar punições que incluem negação de vistos, deportação e congelamento ou apreensão de bens.

Reuters e Cathy He contribuíram para este artigo.

 

 

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas