China e Irã querem que Biden ganhe a eleição

É difícil ter certeza de como Joe se comportaria com o regime comunista quando assumisse o cargo

Por Roger Simon

Comentário

Não é segredo que os regimes totalitários da China e do Irã sejam a favor de Joe Biden nas eleições presidenciais.

O Partido Comunista Chinês (PCC) não gostaria de nada mais do que retornar ao status quo anterior, ao mundo pré-Trump, quando os políticos americanos se convenceram (ou fingiram) que a China se tornaria democrática se lhe fossem concedidas condições comerciais favoráveis ​​e mantivéssemos silêncio sobre suas políticas repressivas monstruosas, incluindo as centenas de milhares – ou milhões – de pessoas que se encontram em campos de “reeducação” enquanto o resto de sua população é submetida à penetrante vigilância orwelliana do sistema de “crédito social”.

Depois, há a pequena questão da origem ainda misteriosa do novo coronavírus, apropriadamente chamado de vírus do PCC neste caso, que causou tantos estragos no mundo todo. Quando saberemos a verdade sobre o que realmente aconteceu no laboratório de virologia de Wuhan? Será que um governo Biden gostaria de saber?

E sim, como a maioria de nós sabe, há muito mais, mas tudo estava bem na opinião de democratas como Biden e da senadora Dianne Feinstein – a do chofer chinês que, mirabile dictu, foi repentinamente exposto como espião depois vinte anos de serviço com ela – contanto que se pudesse ganhar dinheiro.

E havia muita coisa, como Hunter Biden, sem falar no marido de Feinstein e Michael Bloomberg, que pode ser atestada.

O pai de Hunter teve que rever sua posição inicial na China, descartando a ideia de que ele poderia ser seu inimigo, quando as coisas começaram a ficar um pouco óbvias e os manipuladores sussurraram em seu ouvido que aquele não era exatamente o caminho para a Casa Branca.

Portanto, é difícil ter certeza de como Joe se comportaria com o regime comunista quando assumisse o cargo. Existem muitos outros motivos, evidências reais de acordos, para acreditar que os chineses têm uma “influência especial” sobre Biden que os russos nunca tiveram com Trump.

Políticos como Biden e Feinstein estão longe de ser os únicos em sua lealdade a Pequim. Eles têm muito apoio entre os progressistas americanos. Como é bem sabido, muitas de nossas universidades, de Harvard em diante, foram subornadas por enormes somas de dinheiro pelo PCC para beneficiá-las consideravelmente, elas até tinham espiões no corpo docente, com os Institutos Confúcio, essencialmente armas de propaganda comunista, instalados em muitos campi.

Um presidente Biden lutaria contra essa rede de corrupção que realmente justifica e ensina o totalitarismo em nossa juventude? Você acha ou sabe disso?

Sabemos que Trump faria isso porque ele já o fez. Ele faz.

Irã

Isso também é verdade no caso do Irã.

Trump nos tirou do acordo nuclear com o Irã traçado pelo governo Obama-Biden, o chamado Plano de Ação Integral Conjunta (PJCPOA), cuja única “ação” concreta era dar aos mulás bilhões, boa parte deles dinheiro indetectável. Eles o usaram para financiar o Hezbollah, os Houthis e o resto de seus fanáticos religiosos para que pudessem assassinar pessoas em todo o Oriente Médio, prolongando a já interminável guerra civil síria, que resultou na morte de milhares de pessoas e na chegada de milhões de refugiados na Europa Ocidental.

Bravo!

E isso fez alguma coisa para conter as ambições nucleares do Irã? Quem sabe, mas é altamente improvável. Por incrível que pareça, o acordo proíbe a inspeção de instalações militares iranianas, os próprios locais onde seriam realizadas pesquisas de armas nucleares.

Quando Trump chamou o acordo com o Irã de “o pior da história”, ele ficou aquém. É fácil ver por que os europeus querem fazer isso, fazer acordos comerciais, especialmente para o petróleo, mas por que nós? Qual foi a real intenção de Obama (e, portanto, de Biden em menor grau)? Assim como no laboratório de virologia de Wuhan, o que realmente aconteceu nos bastidores permanece um mistério.

Mas quando Trump se retirou do acordo, a situação no Oriente Médio começou a melhorar lentamente de forma significativa, um reajuste começou e levou aos primeiros acordos de paz entre Israel e os países árabes em décadas, primeiro com os Emirados Árabes Unidos (Emirados Árabes Unidos ) e depois para o Bahrein, com vários outros em breve, incluindo Sudão e Arábia Saudita.

Esta é uma mudança extraordinária que quase ninguém previu. Até Biden teve que admitir que era uma coisa boa, embora não tenha falado muito sobre isso, nem é preciso dizer, porque nunca teria acontecido se Trump não tivesse saído do PJCPOA, garantindo aos estados sunitas que estavam virando as costas aos mulás imperialistas.

Agora, os principais jogadores do Oriente Médio estão prendendo a respiração sobre as eleições nos Estados Unidos. Os sauditas estão considerando seriamente um acordo de paz semelhante com Israel (com o qual eles já compartilham informações) e, claro, com o Irã ao lado esperando por um governo Biden-Harris que prometeu reingressar no PJCPOA.

Não se sabe se tal movimento de Biden destruiria essa paz nascente no Oriente Médio, impedindo os cuidadosos sauditas, que a veriam como uma forma de apaziguar os mulás, de assinar um acordo e nos devolver o constante estado de terror e inimizade que eles vivem na região há anos, mas com certeza não seria útil.

Na verdade, seria totalmente destrutivo, estúpido além das palavras.

Mas um governo Biden pode muito bem fazer isso.

Não é de admirar que, quando Margaret Brennan de “Face the Nation’s” perguntou a Robert Gates, secretário de defesa de Obama em maio de 2019, se ele permaneceu fiel à declaração em suas memórias de que Biden “estava errado sobre quase todas as questões importantes de política externa e segurança nacional nas últimas quatro décadas”, respondeu Gates,” acho que me mantenho nessa declaração”.

Podemos torcer para que Gates esteja errado ou podemos votar em Trump.

Roger L. Simon é um romancista premiado, roteirista indicado ao Oscar, co-fundador da PJMedia e agora colunista do Epoch Times. Encontre-o no Parler e no Twitter @rogerlsimon. Compre (e aproveite) seus livros na Amazon.

Os pontos de vista expressos neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também

 

 
Matérias Relacionadas