China busca domínio espacial com 40 lançamentos planejados para 2022

'O espaço é o maior patrimônio da América e sua maior vulnerabilidade', afirma especialista

Por Andrew Thornebrooke

O regime comunista da China planeja continuar seus esforços para vencer a nova corrida espacial ao longo de 2022. Até agora, Pequim está a caminho de realizar pelo menos 40 lançamentos espaciais durante o ano, incluindo missões para completar sua estação espacial, desenvolver uma base lunar e implantar novos satélites.

A Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China (CASC), empreiteira estatal responsável pela maioria dos lançamentos espaciais da China, afirmou que concluirá a construção da estação espacial chinesa de Tiangong em 2022, de acordo com a agência de notícias do regime chinês Xinhua.

A conclusão da estação exigirá mais dois voos espaciais tripulados, que estão programados entre os lançamentos planejados para 2022.

Os lançamentos podem ajudar a continuar os esforços do regime chinês para ultrapassar os Estados Unidos no desenvolvimento espacial. Em 2021, o CASC realizou 48 lançamentos de sucesso, desempenhando um papel importante ao ajudar a China a ultrapassar os Estados Unidos na maioria dos lançamentos do ano.

Na verdade, o regime liderou o mundo em número de lançamentos espaciais em 2021, com 55 no total. Os Estados Unidos, em comparação, tiveram 51, e todos os outros países do mundo totalizaram 40.

A notícia também fala sobre a informação de que o “Beijing-3”, um satélite óptico chinês lançado em junho de 2021, fotografou cerca de 1.470 milhas quadradas da área da Baía de São Francisco em apenas 42 segundos. As fotos incluíam detalhes suficientes para identificar veículos individuais. As imagens não eram tão nítidas quanto as da tecnologia líder dos Estados Unidos, mas o satélite pode se mover até três vezes mais rápido.

O regime também continuará sua missão de desenvolver uma base lunar, a Estação de Pesquisa Lunar Internacional, em cooperação com a Rússia.

Ligado à maior ambição da China de reescrever o sistema de governança global em uma lente sino-marxista, os esforços da China para se estabelecer na lua foram comparados aos seus esforços no Mar do Sul da China, uma via navegável disputada onde Pequim tem continuamente tentado expandir seu território através da criação de ilhas artificiais.

Ye Peijian, comandante-chefe do programa de exploração lunar da China, comparou os esforços da China para estabelecer uma presença tripulada na Lua com as tentativas do país de reivindicar acesso a águas internacionais.

“Se pudermos ir agora, mas não formos, nossos descendentes enfrentarão o mesmo problema no espaço que temos agora com relação ao oceano”, declarou ele à televisão estatal chinesa. “Para salvaguardar nossos direitos espaciais, devemos ir”.

Ye então comparou a lua e Marte a diferentes cadeias de ilhas disputadas perto do Japão e das Filipinas, argumentando que se a China não reivindicasse uma presença na lua e em Marte imediatamente, ela perderia a oportunidade.

EUA e aliados suspeitam de segundas intenções

O regime concentrou enormes recursos no domínio das questões espaciais nos últimos anos, e o espaço sideral é cada vez mais reconhecido como um domínio estratégico contestado.

Numerosos especialistas alertaram que o programa espacial da China é uma ameaça militar direta aos Estados Unidos e à ordem internacional mais ampla baseada em regras que lidera.

Para este fim, um general sênior da Força Espacial dos EUA afirmou durante um painel de discussão no mês passado que o regime chinês está avançando suas capacidades espaciais duas vezes mais que os Estados Unidos e ultrapassará sua posição até 2030 se nenhuma mudança fosse feita aos esforços atuais para desenvolver tecnologias baseadas no espaço.

Outra preocupação é a dependência americana por satélites, utilizando-os para tudo, desde GPS a comunicações e finanças, tornando-se uma área vulnerável a ataques.

Como tal, os militares dos Estados Unidos realizaram uma série de simulações de guerra em dezembro para testar a resiliência de sua arquitetura de satélite contra ataques da China e da Rússia.

Da mesma forma, especialistas jurídicos e analistas de segurança advertiram que a China provavelmente terá como alvo a dependência quase total da América em tecnologias espaciais como a primeira parte de qualquer conflito futuro em potencial.

“O espaço é o maior patrimônio da América e sua maior vulnerabilidade”, declarou Paul Crespo, presidente do Center for American Defense Studies, ao Epoch Times no mês passado. “Os chineses e os russos o veem como nosso calcanhar de Aquiles”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas