China aumenta orçamento de defesa, primeiro-ministro ordena que militares se preparem para a guerra

Xi planeja unificar Taiwan com o continente durante o mandato do presidente Joe Biden

Por Nicole Hao

A China aumentará seu orçamento militar para 1,35 trilhão de yuans (cerca de US $ 207,8 bilhões) em 2021, o que é 6,8% maior do que 2020, informou a mídia estatal chinesa em 6 de março. Um especialista disse ao Epoch Times que a principal prioridade de Partido Comunista Chinês (PCC) é fortalecer suas forças armadas.

Durante a reunião anual mais importante do partido no poder, conhecida como as “duas sessões”, em 5 de março, o premiê Li Keqiang disse: “[Devemos] fortalecer de forma abrangente os exercícios militares e nos preparar totalmente para a guerra”.

“Construir um exército forte é uma das principais tarefas [do líder chinês] Xi Jinping. Seu slogan é construir uma ‘China forte’ ”, disse o comentarista de assuntos da China Tang Jingyuan ao Epoch Times em 7 de março.“ Acho que Xi tomará ações agressivas depois que puder assumir outro mandato [em 2022]. ”

Orçamento Militar

O jornal estatal chinês Cankao Xiaoxi, administrado pelo governo chinês, informou sobre o orçamento militar da China em 6 de março.

O relatório não citou nenhum número oficial, mas afirmou que os dados eram de duas mídias estrangeiras. Esta é uma forma típica com que o regime chinês divulga informações que podem mudar no futuro ou que não deseja anunciar oficialmente.

O relatório disse que a China gastaria 1,35 trilhão de yuans (cerca de US $ 207,8 bilhões) em forças armadas em 2021, o que é 6,8% a mais do que o orçamento em 2020.

Soldados chineses marcham em um desfile militar na base de treinamento de Zhurihe, na região da Mongólia Interior, no norte da China, em 30 de julho de 2017  (STR / AFP via Getty Image)
Soldados chineses marcham em um desfile militar na base de treinamento de Zhurihe, na região da Mongólia Interior, no norte da China, em 30 de julho de 2017  (STR / AFP via Getty Image)

Em 5 de março, o premiê Li Keqiang anunciou: “A meta da taxa de crescimento do produto interno bruto [PIB] da China em 2021 não é inferior a seis por cento.” O orçamento de defesa aumentará 6,8 por cento, o que é 0,8 por cento a mais do que o PIB estimado e corresponde aos investimentos do regime chinês nos últimos anos.

O orçamento militar da China aumentou 6,6 por cento em 2020, 7,5 por cento em 2019, 8,1 por cento em 2018, 6,94 por cento em 2017 e 7,46 por cento em 2016 – os números são todos superiores à taxa de crescimento do PIB do ano, estatal Negócios do Século 21 Herald relatou em 6 de março.

Em 2020, a economia da China foi atingida pela pandemia COVID-19, inundações, secas, gafanhotos, peste suína africana e as exportações estiveram em queda livre durante meses.

O PCC afirmou que sua taxa de crescimento do PIB foi de 2,3 por cento em 2020, mas os economistas chineses não acreditaram nos dados e estimaram que a taxa de crescimento real poderia ser negativa. No mesmo ano, a China aumentou seu orçamento de defesa em 6,6% e gastou 1,27 trilhão de yuans (US $ 194 bilhões) em despesas militares.

Ambição

Li Keqiang disse em seu relatório de “duas sessões” que a China planejava fortalecer suas forças armadas em 2021, aplicando cinco aspectos: política, reforma, tecnologias, talentos e gestão por leis.

Li também pediu aos governos locais em diferentes níveis que apoiassem o desenvolvimento dos militares.

No documento redigido, intitulado “O Décimo Quarto Plano Quinquenal para o Desenvolvimento Econômico e Social Nacional da China e o Esboço das Metas de Longo Prazo para 2035”, que foi lançado pela primeira vez nas “duas sessões” em 5 de março, o regime enfatizou que os militares devem ser leais ao PCC. O documento também afirma que o desenvolvimento de tecnologias nas seguintes áreas é fundamental: oceano, espaço, ciberespaço, biologia, nova energia, inteligência artificial (IA) e tecnologia quântica.

O plano dizia que o desenvolvimento tecnológico deve ser realizado por meio da cooperação entre militares e civis, que o regime chinês chamou de “fusão civil-militar”.

O documento explicava: “Os militares e civis devem planejar o desenvolvimento da tecnologia como um todo, compartilhar os recursos e instalações uns com os outros, transferir as tecnologias para ambos os usos e co-desenvolver os negócios-chave.”

O plano mencionava recursos humanos: “Fortalecer o treinamento conjunto de pessoal militar e civil, completar o sistema que apoia o pessoal a trabalhar para militares ou civis, estabelecer certificações de qualificação comuns [que tanto militares quanto civis aceitem].”

O plano reiterou várias vezes sobre a modernização e desenvolvimento de armamentos avançados e sobre equipar os militares com armamentos inteligentes.

Marinheiros da marinha chinesa marcham em formação durante um desfile para comemorar o 70º aniversário da fundação do Partido Comunista Chinês na Praça Tiananmen em 1949 em Pequim, China, em 1º de outubro de 2019 (Kevin Frayer / Getty Images)
Marinheiros da marinha chinesa marcham em formação durante um desfile para comemorar o 70º aniversário da fundação do Partido Comunista Chinês na Praça Tiananmen em 1949 em Pequim, China, em 1º de outubro de 2019 (Kevin Frayer / Getty Images)

Alvo

As autoridades chinesas continuam a dizer que o desenvolvimento das Forças Armadas é para fins de defesa.

Em 28 de fevereiro, o Ministério da Defesa Nacional chinês postou uma pergunta em sua conta oficial do WeChat: “A China continua fortalecendo sua força militar e mostrando seus músculos para o mundo

[nos últimos anos]. A China ficou cada vez mais agressiva ao ter disputas com países vizinhos. Isso significa que a China mudou sua política de defesa defensiva? ”

O ministério da defesa afirmou então que a China não buscaria hegemonia nem expansão e acredita na defesa defensiva.

No entanto, os militares chineses se tornaram mais agressivos no Estreito de Taiwan e no Mar da China Meridional quando realizaram exercícios militares, navegaram em um porta-aviões e enviaram aviões de guerra para entrar no espaço aéreo de Taiwan. Em agosto de 2020, Pequim lançou mísseis balísticos no Mar da China Meridional para atingir porta-aviões estrangeiros imaginários.

Veículos militares carregando mísseis balísticos DF-26 passam pelo Portão da Paz Celestial durante um desfile militar em 3 de setembro de 2015, em Pequim (Andy Wong - Pool / Getty Images)
Veículos militares carregando mísseis balísticos DF-26 passam pelo Portão da Paz Celestial durante um desfile militar em 3 de setembro de 2015, em Pequim (Andy Wong – Pool / Getty Images)

“Se sabe muito bem que o regime chinês deseja ansiosamente unificar Taiwan [com o continente]”, disse Tang Jingyuan, comentarista de assuntos da China sediado nos EUA. “É apenas uma questão de tempo”.

Tang acredita que Xi Jinping deseja que a China concorra com os Estados Unidos, razão pela qual ele definiu o slogan político de seu governo como “China forte”. O slogan de Xi é diferente do “levante-se” do ex-líder chinês Mao Tsé-Tung e da “China rica” ​​de Deng Xiaoping.

“O governo chinês considera Taiwan uma ilha do tesouro. Quer ocupar Taiwan, o que pode tornar o regime de Pequim mais forte”, acrescentou Tang.

Com base em sua observação, Tang acredita que Xi planeja unificar Taiwan com o continente durante o mandato do presidente dos EUA, Joe Biden.

“As autoridades de Pequim temeram os Estados Unidos e seus aliados quando pensaram em unificar Taiwan pela força nas últimas décadas. Agora a economia dos EUA está gravemente afetada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) [comumente conhecido como novo coronavírus], e Biden é brando com a China. É uma boa oportunidade para Pequim começar uma guerra no Estreito de Taiwan. Mas agora não é um bom momento ”, disse Tang.

Mísseis chineses são vistos em caminhões enquanto dirigem ao lado da Praça Tiananmen e do Grande Salão do Povo durante um desfile militar em 3 de setembro de 2015 em Pequim, China (Kevin Frayer / Getty Images)
Mísseis chineses são vistos em caminhões enquanto dirigem ao lado da Praça Tiananmen e do Grande Salão do Povo durante um desfile militar em 3 de setembro de 2015 em Pequim, China (Kevin Frayer / Getty Images)

Os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 serão sediados em Pequim e começarão em 4 de fevereiro de 2022. O objetivo do evento é promover a paz, mas a China perderá o papel de anfitriã se iniciar uma guerra antes ou durante os jogos.

“O mais importante é que Xi Jinping se preocupa com sua posição no regime, ou mais precisamente no Partido. [Ex-líderes] A facção de Jiang Zemin e os apoiadores de Hu Jintao não apóiam Xi ”, disse Tang. “Se Xi lançar a guerra agora, ele perderá seu poder se não puder unificar Taiwan em um tempo muito curto … algo como em uma semana”.

“A atual primeira prioridade de Xi é manter seu cargo para exercer outro mandato, que será determinado no outono de 2022”, acrescentou Tang. “Se o governo Biden não mostrar um apoio claro e forte [a Taiwan], Taiwan estará em perigo naquele momento.”

Os militares dos EUA tratam o regime chinês como uma ameaça e enviam porta-aviões ao Mar da China Meridional regularmente.

O Secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, disse em uma mensagem à Força dos Estados Unidos em 4 de março: “O Departamento priorizará a China como nosso principal desafio e desenvolverá os conceitos operacionais, capacidades e planos corretos para reforçar a dissuasão e manter nossa competitividade vantagem.”

 

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 

 
Matérias Relacionadas