Chile pede à Venezuela que facilite o repatriamento de seus cidadãos ociosos

Cerca de 600 cidadãos venezuelanos permanecem acampados do lado de fora da embaixada de seu país em Santiago do Chile

Por Agência EFE

O Ministério das Relações Exteriores do Chile enviou uma nota às autoridades venezuelanas, solicitando que facilitassem o retorno das centenas de venezuelanos que acamparam fora da embaixada venezuelana em Santiago ao país, pedindo ajuda para retornar às suas casas.

Isso foi relatado nesta sexta-feira à imprensa pelo ministro das Relações Exteriores do Chile, Teodoro Ribera, que acrescentou que “o governo do Chile está disposto a colaborar para que essas pessoas retornem à Venezuela”, mas que as autoridades daquele país precisam permitir que elas entrem.

O ministro das Relações Exteriores chileno acrescentou que pediu às autoridades venezuelanas “para proteger e ajudar as pessoas que estão acampadas fora do consulado venezuelano” com a intenção de retornar ao país.

Cerca de 600 cidadãos venezuelanos permanecem acampados do lado de fora da embaixada de seu país em Santiago do Chile, pedindo para serem repatriados, depois de serem afetados pela crise econômica causada pelo vírus do PCC, mais conhecido como novo coronavírus, e pelo fechamento de fronteiras que os governos decretaram para conter a pandemia.

Cidadãos venezuelanos retidos permanecem fora do consulado venezuelano em Santiago (Chile) em 11 de maio de 2020, enquanto aguardam uma solução após o fechamento das fronteiras devido à pandemia do vírus do PCC (MARTIN BERNETTI / AFP via Getty Images)
Cidadãos venezuelanos retidos permanecem fora do consulado venezuelano em Santiago (Chile) em 11 de maio de 2020, enquanto aguardam uma solução após o fechamento das fronteiras devido à pandemia do vírus do PCC (MARTIN BERNETTI / AFP via Getty Images)

O último vôo entre Santiago e Caracas ocorreu em 5 de maio e levou 250 pessoas para suas casas, mas mais de 15 dias depois a rua da embaixada venezuelana em Santiago tornou-se um campo onde várias centenas de venezuelanos pedem ajuda para poder retornar.

Os escritórios consulares venezuelanos na capital chilena estão vazios e os afetados relatam que não há informações oficiais do regime venezuelano sobre a situação que, como eles, muitos de seus compatriotas estão passando em outros países.

“Eu visitei a rua anonimamente e pude verificar a situação que aflige centenas de venezuelanos que instalaram tendas não apenas na calçada, mas também ocupando uma das estradas para carros e, obviamente, com o clima atual, as baixas temperaturas e as condições climáticas havendo ameaça de chuva, eles estão em uma situação difícil”, afirmou o ministro das Relações Exteriores do Chile.

O ministro comentou que a Igreja Católica e o município do bairro onde eles estão localizados ofereceram ajuda e eles puderam ficar em outro lugar.  Alguns aceitaram enquanto outros decidiram permanecer acampados”, a fim de testemunhar sua urgência em poder voltar para a Venezuela”.

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística do Chile e do Departamento de Imigração e Migração (do Ministério do Interior do Chile), em 31 de dezembro de 2019, 1.492.522 estrangeiros eram contados no país, dos quais 30,5% correspondem a cidadãos venezuelanos, tornando a colônia venezuelana a maior do Chile.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 
Matérias Relacionadas