Chefes de inteligência dos EUA, Japão e Coreia do Sul se reuniram em Seul para discutir agressão norte-coreana

Por Jessica Mao

Em 18 de outubro, chefes de inteligência da Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão se reuniram em Seul para discutir questões norte-coreanas, com o objetivo de trazer Pyongyang de volta à mesa de negociações por meio de uma enxurrada de diplomacia.

De acordo com o Korea Herald, uma reunião trilateral teria sido realizada entre o chefe do Serviço Nacional de Inteligência da Coreia do Sul, Park Jie-won, a diretora de inteligência nacional dos EUA, Avril Haines, e o diretor de inteligência do gabinete do Japão, Hiroaki Takizawa, em 18 de outubro.

Não está claro se várias reuniões ocorreram, pois o relatório também sugeriu uma reunião em 19 de outubro.

De acordo com o Korea Times, a diretora de inteligência nacional dos EUA, Avril Haines, se reuniu com o diretor de segurança nacional sul-coreano Suh Hoon, na Casa Azul, durante o almoço em 18 de outubro para “Termos extensas discussões sobre a situação na Península Coreana e maneiras de aprimorar a aliança Coreia-EUA”.

Após a recente série de lançamentos de mísseis da Coreia do Norte, Haines e Hoon compartilharam suas avaliações da situação de segurança na Península Coreana, de acordo com o funcionário da Casa Azul.

Depois de conduzir quatro testes de mísseis em menos de um mês, a Coreia do Norte está atualmente buscando um diálogo com a Coreia do Sul enquanto denuncia a proposta dos EUA para o diálogo.

Pyongyang permaneceu indiferente às aberturas de diálogo de Washington. As negociações de desnuclearização permaneceram paralisadas desde a cúpula sem acordo entre o então presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder do norte, Kim Jong-un, em 2019.

O diretor de inteligência do gabinete do Japão, Hiroaki Takizawa, fez sua primeira visita a Seul desde que o novo primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, assumiu o cargo no início deste mês, potencialmente sinalizando a nova direção política de Tóquio para a Coreia do Norte.

As reuniões entre as autoridades dos Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul podem ter como objetivo fortalecer o compartilhamento trilateral de inteligência entre as nações para deter as crescentes ameaças de mísseis norte-coreanos.

Em 15 de outubro, o presidente sul-coreano Moon e o primeiro-ministro japonês Kishida fizeram sua primeira chamada telefônica e concordaram em desenvolver seus laços “de maneira orientada para o futuro”.

Moon Jae-in se encontra com o diretor da CIA dos EUA

Antes da reunião trilateral de inteligência, em 15 de outubro, o presidente Moon Jae-in se reuniu com o diretor da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA), William Burns, onde ele enfatizou a questão da aliança Coreia-EUA como base da segurança da nação.

Moon e Burns tiveram discussões aprofundadas sobre a situação na Península Coreana e o fortalecimento do compartilhamento de inteligência entre as duas nações. Na primeira visita de Burns à Coreia do Sul desde que assumiu o cargo de diretor da CIA, ele expressou seu respeito pelos esforços de Moon para manter a paz e a estabilidade na Península Coreana, afirmou a Casa Azul.

“A estreita cooperação em inteligência entre os dois países apoia a sólida aliança bilateral”, disse o porta-voz presidencial sul-coreano Park Kyung-mee, ecoando ainda mais a declaração de Moon.

Relações China-Coreia do Norte

“A Coreia do Norte sempre foi apoiada pelo Partido Comunista Chinês (PCC),” Lu Tianming, um comentarista de atualidades no exterior, disse ao Epoch Times.

Lu sugeriu que o PCC sempre usou a Coreia do Norte para chantagear a comunidade internacional indiretamente e que a recente série de lançamentos de mísseis da Coreia do Norte provavelmente visava pressionar a Marinha dos Estados Unidos no Estreito de Taiwan e no Mar da China Meridional, especialmente relacionado a relatórios recentes das forças especiais dos EUA em Taiwan treinando soldados taiwaneses.

Lu também apontou que as “Conversações entre as Seis Partes”não fizeram nenhum progresso significativo, já que o PCC desempenhou o papel oposto ao seu propósito pretendido.

As “Conversações entre as Seis Partes” referem-se a uma série de negociações envolvendo China, Coreia do Norte, Japão, Coreia do Sul, Rússia e Estados Unidos, com o objetivo de resolver a questão nuclear norte-coreana.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas