Chefe do Comando Sul dos EUA confirma presença militar russa na Venezuela

Comentários foram feitos durante seu discurso na Escola Superior de Guerra das Forças Armadas da Argentina

Por Voice of America

O chefe do Comando Sul das Forças Armadas dos Estados Unidos, almirante Craig Faller, confirmou na terça-feira (9) a presença de tropas russas na Venezuela durante uma aparição perante o Comitê de Serviços Armados do Senado.

“Há militares russos e contratados do setor de defesa na Venezuela, que apoiam o regime de Maduro”, denunciou Faller.

A declaração de Faller foi feita apesar do fato de o presidente Donald Trump ter anunciado em junho passado que a Rússia garantiu a retirada da maioria de seus militares do país sul-americano.

Cabe ressaltar que Faller, durante sua aparição na terça-feira, indicou que a Rússia está executando na América Latina, “como no resto do mundo”, uma campanha de desinformação cujo objetivo é “desorientar” os cidadãos.

Além disso, o almirante alertou os senadores sobre a crescente interferência russa na América Latina e denunciou que Moscou pretende “semear discórdia e falta de confiança” entre os países da região, para “impulsionar” nações “autocráticas” como Cuba, Venezuela e Nicarágua.

Em junho, a notícia de que um avião da Força Aérea da Rússia chegou à Venezuela para prestar serviços aos militares russos que estavam no país caribenho chamou a atenção das autoridades norte-americanas.

Naquela época, o vice-ministro das Relações Exteriores russo Sergei Ryabkov, citado pela agência de notícias russa Interfax, esclareceu que a cooperação era “transparente” e que “eles não têm nenhum elemento que desestabilize a região ou qualquer outra circunstância”.

Elliot Abrams, representante especial do Departamento de Estado dos Estados Unidos para a Venezuela, criticou na época a presença russa na Venezuela.

“Um avião militar russo chegou a Caracas. Como informado pelo lado russo, ele recebeu pessoal técnico adicional para atender os sistemas de armas que foram vendidos anteriormente”, disse Abrams em uma entrevista coletiva.

Ele também reclamou com a Rússia sobre a chegada da fragata Almirante Gorshkov às costas da Venezuela, lembrando que o que o país precisa é de ajuda humanitária, não bélica.

“Neste momento, o navio-hospital Comfort está se dirigindo para a América do Sul e Caribe e atracará em vários portos para fornecer assistência médica a venezuelanos, refugiados e locais, mas a Rússia envia o almirante Gorshkov e mais técnicos militares à Venezuela”, disse Abrams em uma sessão informativa no Departamento de Estado, comparando a atitude de ambos os países com a crise no país.

Rússia, China e Venezuela representam uma ameaça

Faller fez uma turnê pela América do Sul no final de junho, o que o levou a visitar a Argentina e o Chile, cujo objetivo principal era fortalecer as alianças americanas na região em face da crescente influência de países como a Rússia e a China.

Nessa viagem, ele alertou um grupo de oficiais do exército argentino para assinalar que países como Rússia, China e Venezuela representam uma ameaça que “não compartilha” os mesmos “valores democráticos” de outras nações latino-americanas.

Os comentários foram feitos durante seu discurso na Escola Superior de Guerra das Forças Armadas da Argentina.

Colaborou: Anastasia Gubin, repórter do Epoch Times

 
Matérias Relacionadas