Centenas de combatentes do Estado Islâmico se rendem no leste da Síria

Queda de Baghouz marca o fim do governo do ISIS, autoproclamado "califado", sobre o território povoado, embora alguns combatentes ainda estejam escondidos em um deserto remoto

Pela Reuters

PERTO DE BAGHOUZ, Síria – Centenas de combatentes terroristas do Estado Islâmico se renderam, em 6 de março, e centenas de outros terroristas foram pegos tentando escapar do último pedaço de terra do grupo jihadista no leste da Síria, disse um comandante da milícia que sitiava o local.

Terroristas do Estado Islâmico escondidos no enclave de Baghouz, perto da fronteira com o Iraque, desistiram em grande número nesta semana depois de um ataque feroz em seu enclave em 2 e 3 de março, mas muitos continuam lá dentro, disse o comandante.

As Forças Democráticas da Síria (SDF), apoiadas pelos Estados Unidos, diminuíram o seu ataque para permitir que milhares de civis deixassem Baghouz, continuando um êxodo que começou quando foi anunciado que uma batalha final pelo enclave, no mês passado, seria iniciada.

Muito mais pessoas ainda estavam em Baghouz do que a SDF esperava, e eles queriam que todos saíssem antes que invadissem a área ou forçassem o ISIS a se render lá.

“Há um grande número de combatentes que estão dentro e não querem se render”, disse o comandante sênior da SDF.

A queda de Baghouz marcaria o fim do governo do ISIS, autoproclamado “califado”, sobre o território povoado, embora alguns combatentes ainda estejam escondidos em um deserto remoto ou tenham entrado na clandestinidade para travar uma insurgência guerrilheira.

Um monitor de guerra, o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, disse que houve preparativos no leste da Síria para anunciar o fim do ISIS. O Coronel Sean Ryan, porta-voz da coalizão liderada pelos Estados Unidos apoiando a SDF, no entanto, disse que a força internacional “aprendeu a não colocar nenhum cronograma na última batalha”.

Ataques aéreos militares sírios contra combatentes jihadistas mais a oeste, no deserto central do país, foram um lembrete das constantes advertências de autoridades árabes e ocidentais de que o Estado Islâmico continuará a representar uma séria ameaça à segurança.

Depois de seu súbito avanço em várias partes da Síria e do Iraque em 2014, o grupo detinha cerca de um terço dos dois países, mas seu massacre total ou escravização sexual de minorias e seus grotescos assassinatos públicos despertaram a ira global.

Ofensivas separadas por forças diferentes em ambos os países fizeram o EI recuar, causando grandes derrotas em 2017, e eventualmente forçando-o de volta a Baghouz, um pequeno aglomerado de aldeias e terras agrícolas no Eufrates.

Captura e rendição

Cerca de 400 terroristas do Estado Islâmico foram capturados tentando escapar de Baghouz, junto com os contrabandistas, disse o comandante sênior da SDF. Centenas de outros jihadistas se renderam, embora ainda não esteja claro quantos, acrescentou o comandante.

Os que se renderam estavam entre as mais de 2.000 pessoas que deixaram Baghouz na última evacuação, transportadas por caminhões para um pedaço de deserto, onde são interrogadas, revistadas e recebem comida e água.

Um grupo de mulheres com burcas que foram evacuadas de Baghouz em 6 de março gritou “Allahu Akbar” (Deus é o Maior), enquanto se reuniam perto de um posto de controle onde a SDF as revistava e uma atingiu um jornalista com uma lata de atum.

A SDF disse que cerca de 6.500 pessoas deixaram a área nos dois dias anteriores, incluindo centenas de homens. A maioria dos evacuados civis se dirige para o campo de deslocamento de al-Hol, no nordeste da Síria.

O grupo de ajuda do Comitê Internacional de Resgate disse que das 60.000 pessoas no campo, 50.000 chegaram desde dezembro, principalmente do encolhimento do ISIS, incluindo 4.000 em 6 de março. Das 90 pessoas que morreram chegando ao campo desde dezembro, dois terços eram bebês ou crianças, disse.

Entre os que saíram em 6 de março, estavam 11 crianças cativas da comunidade yazidi. O Estado Islâmico submeteu os Yazidis ao massacre e à escravidão no que a ONU chamou de genocídio, depois de invadir o coração da comunidade de Sinjar, no Iraque, em 2014.

Quatro crianças muçulmanas xiitas sequestradas da cidade iraquiana de Tel Afar, quatro anos atrás, também foram libertadas e a SDF tentaria reuni-las com seus pais, disse Mustafa Bali, porta-voz da milícia.

Imagens de televisão ao vivo transmitidas pela televisão de al-Hadath mostraram uma área de deserto onde os evacuados de Baghouz se reuniram, com dezenas de crianças e mulheres de véus negros sentadas no chão ou carregando bagagem enquanto caminhavam.

De Ellen Francis e Rodi Said

 

 
Matérias Relacionadas