Caravanas são invasão dos EUA e do México, diz fundadora de “Paloma for Trump” (Vídeo)

Até agora, neste ano fiscal, a patrulha de fronteira prendeu quase 268 mil pessoas na fronteira sudoeste. Espera-se que os números superem 640 mil ainda este ano

Por Epoch Times

Paloma Zuniga, fundadora do site “Paloma for Trump”, explicou em uma entrevista ao Epoch Times que as caravanas de migrantes da América Central que chegam ao México para cruzar para os Estados Unidos não são apenas uma invasão dos Estados Unidos mas também do México.

Zuniga, que nasceu no México mas também tem cidadania americana, vive na cidade fronteiriça de Tijuana há 10 anos. Para ela, uma das questões mais urgentes a resolver é a das caravanas de migrantes.

“As pessoas não sabem, as pessoas pensam que são muito recentes, mas não são. Na verdade, as grandes caravanas chegaram há cerca de um ano. E os moradores de Tijuana estão muito incomodados. Eu sou um desses moradores. Porque agora não se trata apenas da invasão dos Estados Unidos. É também uma invasão do México”.

Antes de chegar a Tijuana em 19 de outubro de 2018, uma grande caravana rompeu uma cerca na fronteira entre a Guatemala e o México e depois tentou passar pela polícia mexicana em uma ponte para a cidade mexicana de Hidalgo.

Em novembro de 2018, os migrantes da caravana escolheram se estabelecer em uma área muito específica em Tijuana, que fica ao lado da fronteira e é chamada de Playas de Tijuana.

Os habitantes de Tijuana saíram para confrontar os migrantes porque estão convencidos de que é um erro pensar que o que estava entrando em Tijuana era apenas uma caravana de migrantes.

“Percebemos o que estava acontecendo quando eles chegaram em novembro, eles tomaram nossa cidade, eles começaram a tomar recursos. É uma cidade grande, mas eles se apropriaram de lugares específicos que valorizamos e cuidamos, e que todos os dias nos esforçamos para manter como locais bons e seguros”, disse Paloma Zuniga.

Para os moradores do local essa é uma área muito especial, porque é tranquila, limpa e segura.

Vista aérea da cerca na fronteira México-EUA, vista a partir de Playas de Tijuana, na Baixa Califórnia, em 11 de janeiro de 2019 (GUILLERMO ARIAS / AFP / Getty Images)
Vista aérea da cerca na fronteira México-EUA, vista a partir de Playas de Tijuana, na Baixa Califórnia, em 11 de janeiro de 2019 (GUILLERMO ARIAS / AFP / Getty Images)

“Houve um confronto muito desagradável com os migrantes e os ativistas que ajudam e dirigem essas caravanas”, disse Paloma.

Enquanto os migrantes chegavam, os moradores se organizaram para enfrentar a invasão. Eles foram à Câmara Municipal, assinaram uma petição e se manifestaram nas ruas.

“Nós levamos isso muito a sério, organizamos muitas pessoas e saímos e exigimos que o governo não permita isso, especialmente nessa região”, disse ele.

Tudo o que a Paloma faz está ligado à defesa não apenas da fronteira, mas também ao bem-estar e à soberania de ambos os países.

Mexicanos protestam contra a caravana de migrantes vinda da América Central, enquanto o batalhão de choque os mantém longe do campo de imigrantes em Tijuana, México, em 18 de novembro de 2018 (Charlotte Cuthbertson / Epoch Times)
Mexicanos protestam contra a caravana de migrantes vinda da América Central, enquanto o batalhão de choque os mantém longe do campo de imigrantes em Tijuana, México, em 18 de novembro de 2018 (Charlotte Cuthbertson / Epoch Times)

“Quero que se proteja a soberania dos dois países. Eu tenho lutado pela soberania dos Estados Unidos por muitos anos. Em 2008, vislumbrei uma tendência do que vai acontecer com os Estados Unidos se não agirmos e fizermos alguma coisa.”

“Eu vi na Califórnia. Eu morava em Los Angeles e vi pessoas que não queriam mais falar inglês, que ficam ofendidas se você fala com elas em inglês, que trouxeram coisas ruins do México para os Estados Unidos. Se você está procurando uma vida melhor, se esforce para ter uma vida melhor, não traga o mal com você, que é o que eu vi muito em 2008”, disse ela.

Por essa razão, Paloma voltou a ter esperança quando Donald Trump ganhou a eleição.

“Em 2015, quando o Presidente Trump desceu a escada rolante e eu o vi apontando para o problema, eu disse, era isso que eu estava esperando. Eu queria que alguém realmente se levantasse e fizesse algo”, disse Paloma ao Epoch Times.

Em sua opinião, a implementação das ideias do presidente Trump significam mais respeito pelos Estados Unidos.

Grupo de migrantes da América Central, principalmente hondurenhos, escala uma barreira de metal na fronteira entre o México e os Estados Unidos, perto da fronteira com El Chaparral, em Tijuana, Estado de Baja California, México, em 25 de novembro de 2018 (PEDRO PARDO / AFP / Getty Images)
Grupo de migrantes da América Central, principalmente hondurenhos, escala uma barreira de metal na fronteira entre o México e os Estados Unidos, perto da fronteira com El Chaparral, em Tijuana, Estado de Baja California, México, em 25 de novembro de 2018 (PEDRO PARDO / AFP / Getty Images)

“Soberania e respeito. Porque as pessoas, especialmente em nossos países, não respeitam mais os Estados Unidos. Eu cresci sentindo muita admiração e respeito [pelos Estados Unidos]. E nós estamos perdendo isso. As pessoas acham que podem andar pelos Estados Unidos, vir, fazer o que quiserem, se aproveitar e depois dar risada. Eu não gosto disso.”

De acordo com a página “Paloma for Trump”, Zuniga se define como uma ativista mexicana que ama os Estados Unidos e que veio para o país legalmente aos 10 anos de idade.

No entanto, ela contou como teve que esperar quase 10 anos para completar o processo de cidadania, e como teve que pagar as taxas e esperar sua vez na fila.

“Eu sinto que toda pessoa que vem para os Estados Unidos não deve apenas fazer o mesmo, mas também aprender a língua, assimilar a cultura, respeitar e amar os Estados Unidos como eu.”

Mas a realidade é diferente na fronteira. Em fevereiro de 2019, as travessias ilegais da fronteira aumentaram ainda mais, com cerca de 66 mil detenções, segundo dados da Alfândega e Proteção de Fronteiras. Em janeiro, o número foi de quase 48 mil.

Até agora, neste ano fiscal, a patrulha de fronteira prendeu quase 268 mil pessoas na fronteira sudoeste. Espera-se que os números superem 640 mil no ano fiscal.

 
Matérias Relacionadas