Canaletto, exímio pintor de cenários urbanos

Antes do advento da fotografia, a pintura de cenários era a maneira pela qual a sociedade comunicava as belas e interessantes vistas de terras distantes, talvez o equivalente de hoje a um slide show com fotos das férias.

Em outubro de 1697, o conhecido pintor de cenas Giovanni Antonio Canale, conhecido como “Canaletto”, nasceu em Veneza.

Ele provavelmente foi apelidado de “Canaletto”, que significa “pequeno Canale”, para distingui-lo de seu pai, Bernardo Canale, que era um pintor de cenários teatrais. Canaletto é bem conhecido hoje pelas vistas do cenário urbano (“vedute” em italiano) que pintou de Veneza, em especial do Palácio de Doges e do Grande Canal.

Como um jovem profissional, Canaletto começou sua carreira como aprendiz de seu pai, pintando cenários de teatro para a indústria teatral. Tal negócio levou o jovem artista a Roma para trabalhar em algumas produções de óperas.

Lá, ele provavelmente entrou em contato com as pinturas de Gian Paolo Pannini, conhecido por seus “vedute ideales” ou “visões idealizadas” (em oposição a “vedute estate”, que significa “vistas precisas”) das ruínas antigas e da arquitetura de Roma.

Pannini teve uma forte influência no trabalho de Canaletto, particularmente na forma como a arquitetura idealizada era descrita com tanta precisão.

Após seu retorno a Veneza em 1719, Canaletto veio estudar o estilo “vedutisti” (artista vedute) com Luca Carlevaris, e rapidamente o jovem estudante superou o nível de seu mestre. No início de sua carreira, Canaletto foi conhecido por ter participado das exposições públicas de arte de Veneza, uma tradição anual.

Foi lá que as pessoas começaram a tomar conhecimento de sua obra. Ele provavelmente exibiu sua pintura de Santi Giovanni e Paolo e a Scuola di San Marco, que como é dito, “deixou a todos maravilhados”. As qualidades inovadoras da pintura de Canaletto estavam começando a aparecer.

Canaletto nem sempre seguia a prática padrão de pintura no estúdio a partir de esboços, mas em vez disso, ele às vezes pintava em cena, ao ar livre, um costume que parece ter antecipado as práticas de movimentos artísticos mais contemporâneos, como o impressionismo.

Por isso, suas cenas têm uma qualidade de forte cor local. Como um agente de arte uma vez disse, ao recomendar o trabalho de Canaletto a um cliente, “como Carlevaris, mas você pode ver o sol brilhando nela”.

As figuras em suas paisagens urbanas parecem ter sido pintadas usando uma câmera escura, um recurso tradicional na pintura, que envolve a utilização de uma câmera escura ou caixa, onde uma figura ou objeto pode ser projetada através de um furo ou às vezes uma lente, para a tela a ser desenhada e depois pintadas.

Depois de sua primeira exposição pública, Canaletto recebeu reconhecimento imediato e, com isso, ganhou comissões de clientes locais, como o comerciante Stephano Conti, que encomendou Canaletto para pintar quatro fotos em 1725.

Naquele tempo, a carreira de Canaletto em Veneza começou a florescer e prosperou ao longo da década de 1730. Seu pai e seu sobrinho Bernardo Bellotto, treinado por Canaletto, provavelmente o ajudava em seu estúdio para acompanhar a demanda.

Além de comissões locais, foi o mercado turístico britânico que manteve o estúdio de Canaletto ocupado. Turistas muito ricos, muitas vezes jovens ingleses, em números estáveis ​​visitaram Veneza durante seu Grand Tour pela Europa. Esse passeio era basicamente uma peregrinação de um estudioso pela Europa (geralmente a Roma) para cavalheiros jovens  e educados (às vezes com fundos quase ilimitados).

Eles estavam em busca de “arte, cultura e as raízes da civilização ocidental”. Ao longo do caminho, objetos de arte e cultura foram muitas vezes comprados e enviados para a Inglaterra. Em particular, eles procuraram pinturas de cenas de famosos marcos venezianos, como o Grande Canal, a Igreja da Salute, e o Palácio dos Doges.

Muitas vezes, os agentes de artistas apresentavam os artistas locais ou encomendava obras de arte em nome do visitante. Um tal agente, Joseph Smith, um colecionador de arte britânico (que mais tarde se tornou o cônsul britânico de Veneza em 1744), foi talvez a pessoa mais importante na carreira de Canaletto.

Smith não apenas conseguia comissões de aristocratas britânicos, mas também era um grande colecionador dos trabalhos de Canaletto.

O vigor com que a carreira do artista começou desacelerou em 1741, quando a Guerra da Sucessão Austríaca começou. Embora o turismo em Veneza tenha diminuído, Smith continuou a encomendar trabalhos de Canaletto, particularmente pinturas das antigas ruínas de Roma.

Canaletto produziu obras como “Roma: O Arco de Tito” e “Roma: o Arco de Constantino” como resultado. Porém, no final, não foi o suficiente. Então, em 1746, Canaletto se mudou para Londres, para se localizar mais próximo de seu mercado.

O artista permaneceu em Londres de forma intermitente por quase uma década e produziu pinturas de pontos históricos de Londres como havia feito em Veneza. Através de Smith, Canaletto foi capaz de se conectar com os clientes aristocráticos, como o Duque de Richmond.

O duque encomendou, do artista, diversas vistas de Londres, como “London: Whitehall e o Jardim Privado de Richmond House” e “Londres: Tâmisa e a cidade de Londres de Richmond House”

Essas cenas estão entre os melhores trabalhos do artista em Londres. É evidente, no entanto, que houve uma redução notável da qualidade do trabalho de Canaletto durante este período, possivelmente o resultado do trabalho de seus assistentes. Algumas pinturas de Canaletto parecem repetitivas e mecânicas. Consequentemente, teve um impacto negativo em sua reputação.

Canaletto quis retornar à Veneza em 1755 e retomou a pintura para o mercado turístico. De um modo geral, o primeiro trabalho de Canaletto é considerado como o melhor e mais vívido, enquanto que trabalhos posteriores são menos marcantes.

No entanto, Canaletto teve reconhecimento em Veneza por contribuir com suas ‘vistas ideais’ a serem apreciadas no mundo, ao pintar pontos famosos em um estilo que foi ao mesmo tempo, preciso e idealizado.

Finalmente, em 1763, ele foi eleito para a Academia de Veneza. Para sua peça de recepção Canaletto enviou “Capricho da abertura colunata para o pátio do palácio”, que foi concluída quase dois anos mais tarde.

Em 10 de abril de 1768, Canaletto morreu de febre aos 71 anos.

 
Matérias Relacionadas