Cai Lun, o inventor da fabricação do papel

Cai Lun, o inventor da fabricação do papel (Jade/The Epoch Times)

Antes da invenção do papel; pedras, folhas, cascas, peles de animais, ossos e tecidos foram usados como meios de escrita. Eles não eram ideais devido a várias limitações. A fabricação do papel possibilitou à China desenvolver sua civilização. Isto foi principalmente atribuído a um inventor da fabricação do papel, conhecido na antiga China como Cai Lun.

Cai Lun nasceu na Dinastia Han Oriental (25–220 d.C.). Com a idade de 15 anos, ele foi enviado à corte imperial para servir como um eunuco da corte. Ele foi promovido sucessivamente por sua diligência, habilidade e eficiência. Em mais de 40 anos na corte, ele serviu a cinco imperadores, incluindo o Imperador Ming, tornando-se o favorito de vários imperadores e rainhas e recebendo o título de duque.

Durante seu serviço, ele foi encarregado da fabricação dos mais variados instrumentos e armas para a família real e o império e, portanto, tornou-se interessado na tecnologia de fabricação. Como um especialista em diversos processos de fabricação, a qualidade das espadas e equipamentos produzidos sob sua gestão era excepcionalmente elevada.

Antes da Dinastia Han Oriental, os livros eram feitos de materiais como madeira, bambu ou pedaços de seda. A seda era cara e o bambu e a madeira pesados e os estudiosos julgavam muito inconveniente estes materiais. Apesar do papel de cânhamo ter aparecido, o processo de fabricação do papel estava em seu estágio inicial, a tecnologia era imatura e o papel de cânhamo era muito raro.

Cai Lun orientou alguns trabalhadores a utilizarem cascas de árvores, cânhamo, trapos de pano e redes de pesca descartadas como matéria-prima para produzir papel. As matérias-primas eram trituradas e em seguida mergulhadas em água por um longo período de tempo. Em seguida, a mistura era reduzida a uma polpa, aquecida e espalhada em lâminas finas numa superfície lisa. Após secarem sob o sol, a polpa tornava-se papel, que era adequado para escrever.

Em 105 d.C., Cai Lun apresentou o papel que havia produzido ao imperador, que ficou satisfeito e emitiu um édito imperial para que o papel e o processo de sua fabricação fossem amplamente adotados em toda a China. Consequentemente, a civilização chinesa desenvolveu e difundiu rápida e amplamente sua literatura e cultura.

No século VIII, a China exportou papel para outros países da Ásia, mas o segredo técnico de sua fabricação foi preservado por séculos. Em 751 d.C., durante os conflitos entre a Dinastia Tang da China e o império árabe, vários trabalhadores chineses que fabricavam papel foram capturados pelos árabes e, logo em seguida, a indústria do papel foi desenvolvida em Bagdá e gradualmente se espalhou pelo mundo árabe. A palavra ‘papel’ (kagaz) em árabe teve sua origem na língua chinesa. Mais tarde, a tecnologia da fabricação do papel se espalhou também para a Europa e o resto do mundo a partir do mundo árabe. De acordo com os registros históricos, a Europa construiu seu primeiro moinho de fabricação de papel mil anos após Cai Lun inventar o processo. Embora a indústria de fabricação de papel seja bem desenvolvida nos tempos modernos, ela ainda emprega o processo básico inventado por Cai Lun.

A tecnologia da fabricação de papel inventada por Cai Lun foi um marco inovador que facilitou o intercâmbio cultural e teve tremendo impacto no progresso da civilização humana.

Para conhecer outras figuras históricas da antiga China, clique aqui.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas