Biden aprova plano para enviar tropas à Somália

“Nossas forças não estão agora, nem estarão, diretamente engajadas em operações de combate”

Por Jack Phillips 

O presidente Joe Biden aprovou um plano para enviar tropas dos EUA à Somália em uma tentativa de combater o grupo terrorista al-Shabaab, como confirmado por vários funcionários do governo na segunda-feira.

Vários funcionários da Casa Branca confirmaram o desenvolvimento em um briefing na segunda-feira, dizendo que Biden aprovou um pedido do secretário de Defesa Lloyd Austin para restabelecer a presença dos EUA em um país da África Oriental devastado pela guerra, para lidar com al-Shabaab, um terrorista alinhado à Al-Qaeda, grupo que se diz ter milhares de membros.

“Nossas forças não estão agora, nem estarão, diretamente engajadas em operações de combate”, disse o secretário de imprensa do Pentágono, John Kirby, a repórteres na segunda-feira ao confirmar a movimentação das tropas. “O objetivo aqui é permitir uma luta mais eficaz contra a al-Shabaab pelas forças locais”.

As tropas já estão na região e em breve serão redistribuídas para a Somália, disse ele. Eles participarão do treinamento e reforço das forças leais ao governo somali contra o al-Shabaab.

Kirby disse que os oficiais de inteligência “acreditam que é a coisa certa a fazer”, mas “a missão não está mudando” ao enviar centenas de soldados americanos de volta ao país. Ele contestou as alegações de que se trata de uma nova implantação, afirmando que é uma “mudança de postura” das tropas na região.

O secretário de imprensa do Pentágono, John Kirby, realiza uma coletiva de imprensa no Pentágono em Arlington, Virgínia, em 19 de abril de 2022 (Kevin Dietsch/Getty Images)
O secretário de imprensa do Pentágono, John Kirby, realiza uma coletiva de imprensa no Pentágono em Arlington, Virgínia, em 19 de abril de 2022 (Kevin Dietsch/Getty Images)

O ex-presidente Donald Trump retirou todas as forças dos EUA, totalizando cerca de 700 soldados, do país em janeiro de 2021, dizendo que a implantação levará a América a se envolver em “guerras sem fim” ao redor do mundo.

“A decisão de reintroduzir uma presença persistente foi tomada para maximizar a segurança e a eficácia de nossas forças e permitir que forneçam apoio mais eficiente aos nossos parceiros”, disse Adrienne Watson, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, ao New York Times. Autoridades anônimas disseram a agências de notícias na segunda-feira que várias centenas de soldados serão enviados à Somália como parte da missão.

O Al-Shabaab matou mais de uma dúzia de americanos na África Oriental, incluindo três em um ataque em janeiro de 2020 a uma base usada pelas forças de contraterrorismo dos EUA no Quênia. Mais tarde naquele ano, os Estados Unidos acusaram um queniano que estava tendo aulas de voo nas Filipinas de planejar um ataque de sequestro no estilo 11 de setembro em nome da al-Shabaab.

O grupo rebelde obteve ganhos territoriais contra o persistentemente fraco governo federal da Somália nos últimos meses, revertendo os ganhos das forças de paz da União Africana que uma vez empurraram os militantes para áreas remotas do país.

Desde o início da década de 1990, após o colapso do regime do ditador marxista Siad Barre, vários senhores da guerra da Somália se envolveram em conflitos armados por anos, muitas vezes deixando o país sem um governo em funcionamento. Enquanto isso, a fome e a seca, juntamente com os ataques terroristas, esmagaram o país, que tem um litoral longo e estratégico perto do Oceano Índico e das principais rotas marítimas.

Em 1992, tropas americanas foram enviadas ao país para lidar com uma fome nacional em uma missão de paz. Mas em 1993, militantes da Somália derrubaram um helicóptero Black Hawk, matando pelo menos 18 soldados, que foi retratado no popular filme de 2001 “Falcão Negro em Perigo”.

A Associated Press contribuiu para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas