Biden anuncia nova força-tarefa do Pentágono com foco na China

Por Jack Phillips

O presidente Joe Biden disse na quarta-feira que o Pentágono fará uma nova revisão sobre como as forças armadas dos EUA lidarão com a ameaça representada pela China.

“Isso exigirá um esforço de todo o governo, cooperação bipartidária no Congresso e fortes alianças e parcerias”, disse Biden no prédio do Pentágono. “É assim que enfrentaremos o desafio da China e garantiremos que o povo americano ganhe a competição pelo futuro.”

A revisão, acrescentou, ajudará a “traçar um caminho sólido para a frente nas questões relacionadas à China”.

No domingo, Biden disse à CBS News que o regime chinês deve esperar “forte competição” dos Estados Unidos, embora ele tenha dito que a relação não precisa ser baseada em conflito. “Enfrentaremos abusos econômicos da China”, explicou Biden, dizendo que o regime é o “concorrente mais sério” dos Estados Unidos.

No entanto, na entrevista, Biden disse que terá uma abordagem diferente do PCC de Trump – cuja administração freqüentemente criticou o regime por suas violentas violações dos direitos humanos, espalhando desinformação e outros abusos.

O novo grupo do Pentágono será encarregado de fazer recomendações sobre a posição dos Estados Unidos nos assuntos da China e entregará suas conclusões ao secretário de Defesa Lloyd Austin em quatro meses.

“Não se espera um relatório público final, embora o departamento discuta as recomendações com o Congresso e outras partes interessadas, conforme apropriado”, escreveu o Pentágono em uma declaração na quarta-feira sobre a nova força-tarefa.

De acordo com o Pentágono, a força-tarefa será liderada por Ely Ratner, um assessor de longa data de Biden. Ratner foi anteriormente vice-presidente do Centro para um grupo de estudos sobre a Nova Segurança Americana .

Enquanto isso, o Secretário de Estado Antony Blinken disse que a administração Trump estava certa em tomar uma posição mais dura contra o PCC.

“Acho que, para ser justo, o presidente Trump fez bem em abordar com mais firmeza a China. Essa foi a coisa certa a fazer ”, disse ele em entrevista à CNN no domingo.

Mas o que isso exige de nós? Temos que abordar a China com uma posição de força. E sejam os aspectos adversos do relacionamento, a competitividade ou a cooperativa, que são de nosso interesse mútuo, temos que enfrentá-los com uma posição de força ”, continuou Blinken.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas