Caso Venezuela-Irã: Paraguai diz que parte da tripulação tem ligação com terrorismo

"Um deles, inclusive, operou a face para mudar o seu rosto, em Cuba", acrescentou o presidente, que antecipou que "mais coisas serão reveladas com o tempo".

Por Agência EFE

O presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, declarou nesta quarta-feira que “grande parte” da tripulação do avião venezuelano-iraniano retido na Argentina, após ter chegado ao país em maio, tem ligação com o terrorismo internacional.

Além disso, em declarações a jornalistas, esclareceu que a luta do Paraguai é contra este crime e não contra “nenhum país”, em resposta ao mal-estar expressado pelo Irã depois de falas de autoridades paraguaias.

“A inteligência paraguaia fez um grande trabalho na determinação do perigo deste voo, e uma vez que o Paraguai informou e alertou, foi possível realizar as investigações”, disse Abdo Benítez.

Durante uma visita aos locais que receberão os Jogos Sul-Americanos em Assunção, em outubro, o mandatário indicou que já foi constatado que “uma grande parte da tripulação tinha ligação com o terrorismo internacional”.

“Um deles, inclusive, operou a face para mudar o seu rosto, em Cuba”, acrescentou o presidente, que antecipou que “mais coisas serão reveladas com o tempo,”

Neste contexto, afirmou que o seu país tem um “firme compromisso” na luta contra a criminalidade transnacional e o terrorismo.

“E nós vamos continuar, independentemente dos países de onde forem. Isto não é uma questão contra nenhum país, a luta é contra a criminalidade internacional e o terrorismo”, argumentou.

Abdo Benítez também disse que este caso obriga as autoridades aeronáuticas, aduaneiras e de imigração paraguaias a conceberem protocolos “mais rigorosos”.

O avião da empresa iraniana Mahan Air, que atualmente pertence à Emtrasur, uma subsidiária do estatal Consórcio Venezuelano de Indústrias Aeronáuticas e Serviços Aéreos (Conviasa), aterrissou em solo paraguaio no dia 13 de maio e deixou o país em 16 de maio, com uma carga de cigarros com destino a Aruba.

O governo paraguaio informou que estavam a bordo 18 tripulantes, 11 venezuelanos e 7 iranianos, dos quais pelo menos um foi acusado por autoridades locais, citando relatórios dos EUA, de supostas ligações com o terrorismo.

Em nota verbal, o Irã considerou “fúteis e infundadas” as acusações contra os tripulantes iranianos e disse que não estavam de acordo “com a história das relações amigáveis” entre Teerã e Assunção.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas