Autoridades e mídias apoiadas por Pequim ameaçam fechar o jornal ‘Apple Daily’ de Hong Kong

Por Alex Wu

A mídia pró- Pequim e funcionários do governo em Hong Kong ameaçaram fechar o jornal local independente Apple Daily, um dos poucos meios de comunicação livres remanescentes em Hong Kong.

O Apple Daily foi fundado pelo magnata da mídia de Hong Kong Jimmy Lai , que em 16 de abril foi condenado a 14 meses de prisão por apoiar o movimento anti-Pequim e pró-democracia de Hong Kong em 2019.

Em 15 de abril, durante a cerimônia de abertura do recém-criado “Dia da Educação para a Segurança Nacional” de Hong Kong, a diretora executiva da cidade, Carrie Lam , declarou que o governo local “fortalecerá a publicidade, orientação, supervisão e gestão de escolas, organizações sociais, o mídia e Internet no que diz respeito às questões de segurança nacional ”com base na Lei de Segurança Nacional de Hong Kong, que foi aprovada no ano passado pelo Partido Comunista Chinês.

No mesmo dia, o comissário da Polícia de Hong Kong, Chris Tang, disse a repórteres que a polícia iria “fortalecer a fiscalização da mídia” e criticou o Apple Daily, sem citá-lo diretamente. Ele também ameaçou a imprensa restante, dizendo: “Se houver evidências de que alguém usa notícias falsas para incitar ao ódio, eles serão presos e processados”.

O editor-chefe do Apple Daily, Luo Weiguang, disse que os comentários de Tang, contra a mídia, representavam a retórica típica de um funcionário que se esquiva de sua responsabilidade para com o povo, efetivamente abrindo caminho para o governo reprimir a mídia.

A Associação de Jornalistas de Hong Kong também emitiu uma declaração condenando Tang por “fazer comentários irracionais [sobre a mídia] sem evidências substanciais”. A associação solicitou que Tang retirasse sua declaração.

Em 16 de abril, o Secretário de Segurança de Hong Kong, John Lee, disse em uma reunião legislativa que “sabotadores e defensores da independência de Hong Kong” estão na mira do governo enquanto continua a espalhar sua mensagem por meio da mídia.

O jornal chinês de Hong Kong, Ta Kung Pao, controlado pelo escritório de ligação do Partido Comunista Chinês em Hong Kong,  publicou um editorial pedindo a proibição do Apple Daily. O artigo acusava o Apple Daily de “se envolver em conluio com forças estrangeiras, incitar à violência e dar notícias falsas, bem como desafiar a segurança nacional”, atividades ilegais sob a Lei de Segurança Nacional de Pequim.

O Apple Daily respondeu às acusações citando as palavras de Lai: “Vamos permanecer firmes em tempos difíceis.”

O magnata da mídia de Hong Kong e fundador do jornal Apple Daily Jimmy Lai (centro) deixa a delegacia de polícia de Kowloon em Hong Kong em 28 de fevereiro de 2020 (Isaac Lawrence / AFP via de Getty Images)

O Apple Daily é considerado a referência de liberdade de imprensa de Hong Kong, mas o mundo exterior está preocupado que o governo de Hong Kong, apoiado por Pequim, purgue completamente a mídia de Hong Kong, começando com o Apple Daily.

Fu King-wa, professor associado do Centro de Jornalismo e Pesquisa de Mídia da Universidade de Hong Kong, disse à Radio Free Asia (RFA): “Acredito que as autoridades tomarão medidas contra todos os meios de comunicação de Hong Kong”.

Ele disse que como um dos meios de comunicação mais influentes de Hong Kong, o Apple Daily “pode ​​ser um dos principais alvos” do regime, acrescentando que as autoridades agora estão reprimindo a mídia influente para intimidar e silenciar outros meios de comunicação, e para fazer isso tornar difícil o seu funcionamento, uma vez que os meios de comunicação, como quarto ramo da sociedade, servem para fiscalizar o governo e expressar as inquietações do povo.

Os jornais da edição de Hong Kong do Epoch Times começaram a distribuição em 17 de abril, após retomar a impressão após um ataque às instalações em 12 de abril (The Epoch Times)

Enquanto isso, a imprensa do Epoch Times em Hong Kong foi atacada. Suas máquinas foram destruídas por indivíduos desconhecidos na semana passada. A comunidade internacional e os políticos de todo o mundo condenaram o ataque e expressaram seu apoio ao Epoch Times.

De acordo com uma análise publicada pela FRG , quando os britânicos entregaram Hong Kong à China comunista, eles resumiram os “quatro pilares” do sucesso de Hong Kong em a) um judiciário independente e um sistema de direito comum, b) um sistema civil limpo e respeitado, c) um ambiente de negócios justo e d) uma imprensa livre. No entanto, sob o regime comunista e o líder chinês Xi Jinping, o primeiro, o segundo e o terceiro “pilares” estão entrando em colapso.

O artigo do jornal Ta Kung Pao, que defende a proibição do Apple Daily, indica que o quarto pilar também está à beira do colapso, de acordo com a análise.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas