Autoridades chinesas no epicentro do coronavírus começam a cortar parcialmente a Internet

Por Nicole Hao

“A conexão à Internet em minha casa foi cortada por vários dias. Continuei ligando para a linha direta do prefeito, mas ninguém está atendendo”, disse um morador da cidade de Wuhan, província de Hubei, onde começou o surto do coronavírus (COVID-19).

Desde 11 de fevereiro, mais e mais moradores de Wuhan relataram que suas conexões domésticas à Internet estavam inoperantes. Para conter o surto, as autoridades de Wuhan emitiram medidas rigorosas de quarentena, que permitem que apenas uma pessoa por família saia de casa.

A edição chinesa do Epoch Times conversou com vários moradores de Wuhan e descobriu que alguns bairros, onde há um grande número de infecções por COVID-19, perderam a conexão com a Internet.

Os especialistas acreditam que as autoridades estão usando esse método para restringir a capacidade dos internautas de falar livremente sobre a situação no local. Desde que o surto começou no início de dezembro de 2019, cerca de 70% dos casos de infecção oficialmente relatados estão em Wuhan.

Sem conexão com a Internet

Vários entrevistados disseram à edição chinesa do Epoch Times que suas áreas residenciais começaram a transmitir mensagens através de alto-falantes instalados em postes de rua, dizendo que suas conexões à Internet seriam cortadas em breve, a partir da noite de 10 de fevereiro.

Um morador de Wuhan que mora na Jiangdi Zhong Road, no distrito de Jianghan, publicou nas redes sociais que a conexão à Internet em sua casa foi cortada a partir da tarde de 11 de fevereiro. Ele consultou outros vizinhos que moravam nas proximidades e confirmou que suas conexões residenciais com a Internet também tinham sido cortadas.

“[Moro] perto do hospital improvisado do Centro Internacional de Exposições de Wuhan. Parece que todos em nossa comunidade perderam a conexão com a Internet”, reclamou o morador.

Um morador de Wuhan que morava no distrito de Jiang’an disse à edição chinesa do Epoch Times em 19 de fevereiro que sua conexão com a Internet não foi restaurada e que passou a usar seu telefone celular para navegar na Internet.

Zeng Jieming, um ativista chinês norte-americano, disse à edição chinesa do Epoch Times em 19 de fevereiro: “Tenho dois amigos que moram em Wuhan. Um vive no distrito de Caidian e o outro no distrito de Jiangxia. Ambos disseram que suas conexões com a Internet estavam inoperantes … Eles foram informados [pelo governo] que havia muitos rumores na Internet, que [o governo disse] que [esses rumores] interferiram severamente nos esforços de alívio do surto”.

Segundo os amigos de Zeng, o surto nos distritos de Caidian e Jiangxia é grave. As autoridades locais temem que as pessoas exponham a verdade sobre o surto ao mundo exterior, publicando vídeos na Internet, disseram eles.

Finalidade

Gu He é um observador da censura da Internet na China. Ele disse à edição chinesa do Epoch Times que essas táticas são normalmente usadas pelo regime chinês.

“Já em 2009, o governo chinês cortou a rede da Internet em toda a região de Xinjiang [e a confinou] a uma rede de área local por 312 dias”, disse Gu. “Usaram este método para controlar o discurso das pessoas”.

A interrupção da Internet em Xinjiang, onde vivem 25 milhões de pessoas – muitas das quais pertencem a minorias uigures muçulmanas – foi denunciada por vários grupos de direitos humanos e meios de comunicação na época. As autoridades chinesas tomaram medidas em julho de 2009, após uma série de distúrbios violentos na capital de Xinjiang, Urumqi. A rede da Internet foi restaurada em maio de 2010.

Desde que Wuhan foi fechada, em 23 de janeiro, os cidadãos começaram a publicar mensagens nas redes sociais para expor a verdadeira situação local: os diferentes sintomas causados ​​pelo coronavírus COVID-19; as más condições médicas dos hospitais locais; o disparo dos preços dos alimentos; cadáveres que são coletados nas casas das pessoas; pessoas que são enviadas à força para centros de quarentena pela polícia; as más condições desses centros de quarentena, incluindo falta de comida, água e tratamento médico; e pessoas desesperadas para se livrar da doença que tenta acabar com suas vidas. Desde então, os censores da Internet começaram a tomar fortes medidas contra essas mensagens e até empregaram um exército de trolls para escrever mensagens positivas sobre os esforços das autoridades para combater o surto.

 
Matérias Relacionadas