Autoridades chinesas descartam SARS em misteriosa lista de pneumonia que soma 59 casos

Por Nicole Hao

O regime chinês confirmou que mais pessoas contraíram uma “pneumonia viral desconhecida” na cidade de Wuhan, no centro da China, elevando o total para 59 pacientes em menos de uma semana, depois que os meios de comunicação informaram pela primeira vez sobre o surto.

A comissão de saúde do governo local descartou em 5 de janeiro influenza, gripe aviária, adenovírus, síndrome respiratória aguda grave (SARS) e síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS), como a causa do vírus e acrescentou que ainda ele está investigando o assunto.

As notícias sobre a doença foram fortemente censuradas on-line e provocaram um alarme generalizado no país, levantando comparações com o surto de SARS em 2002-2003, que matou centenas de chineses do continente. Devido ao encobrimento do regime, a doença naqueles anos se espalhou pelo mundo e mais de 8.000 pessoas a contraíram a doença.

Pacientes da nova pneumonia misteriosa relataram sintomas como febre, falta de ar e lesões invasivas nos pulmões.

Das 59 pessoas diagnosticadas, sete estavam em estado grave, enquanto os sinais vitais dos pacientes restantes eram “geralmente estáveis”, disse a Comissão de Saúde de Wuhan. Todos foram isolados e estão recebendo tratamento no Hospital Jinyintan, no distrito de Dongxihu, em Wuhan.

As autoridades também identificaram 163 pessoas que tiveram contato próximo com os pacientes. Essas pessoas não foram isoladas.

Dos diagnosticados, o primeiro apresentou sintomas em 12 de dezembro e o último adoeceu em 29 de dezembro.

O número total aumentou desde uma atualização anterior publicada pelas autoridades em 3 de janeiro, na qual se dizia que 44 pessoas haviam sido diagnosticadas e 11 estavam em estado grave. Ainda não está claro se a redução no número de pacientes com uma condição grave indica que a definição de “grave” pode ter mudado ou que a condição de quatro pacientes tenha melhorado.

O relatório observou que a maioria dos pacientes são vendedores do mercado local de frutos do mar em Huanan. O mercado, localizado perto da estação ferroviária de Hankou, no distrito de Jianghan da cidade, vende frutos do mar e carne, incluindo uma variedade de carnes de animais selvagens. O mercado está fechado desde 1º de janeiro, depois que as notícias do surto da doença foram conhecidas.

Por outro lado, alguns pacientes não frequentam o mercado, de acordo com a mídia estatal chinesa. Não há informações sobre como essas pessoas foram infectadas pelo vírus.

Enquanto isso, a preocupação aumentou nas cidades e países vizinhos. Os visitantes de Hong Kong, Macau, Cingapura e Taiwan, que viajaram para Wuhan, apresentaram sintomas de febre, por isso foram isolados em suas regiões de origem para serem examinados mais detalhadamente. Nenhuma dessas pessoas visitou o mercado quando estavam em Wuhan.

Casos suspeitos

Os últimos números foram divulgados quando a Comissão publicou outra atualização sobre a escalada da epidemia em 5 de janeiro. O surto de pneumonia viral foi relatado pela primeira vez em 31 de dezembro de 2019.

O anúncio indica que, além dos 59 pacientes em Wuhan, cinco pessoas em Cingapura e 16 em Hong Kong também foram hospitalizadas com sintomas de pneumonia depois de visitar a cidade chinesa.

Até o momento, as autoridades chinesas não têm um nome para a doença, nem forneceram informações sobre como o vírus se espalha e se pode ser transmitido de pessoa para pessoa. As autoridades dizem que estão atualmente isolando pacientes que foram diagnosticados com a misteriosa pneumonia.

Wuhan tem cerca de 11 milhões de habitantes e é o centro de transporte mais movimentado da China.

O tráfego anual de passageiros no Aeroporto Wuhan Tianhe ultrapassa 23 milhões, com vôos diretos para 63 cidades no exterior, incluindo Hong Kong, Taipei, Nova Iorque, Londres e Dubai. Outros 277 milhões de passageiros viajam de trem e ônibus de ou para Wuhan, de acordo com o relatório do governo da cidade.

Se algum passageiro, sem saber, durante o período de incubação viajar para outras cidades ou países, a propagação do vírus não poderá ser contida.

Ameaça

Um repórter que trabalhava na mídia estatal de Wuhan disse ao à edição chinesa do Epoch Times em 5 de janeiro que o governo local não tinha planos de notificar o público sobre a epidemia, mas esta foi acidentalmente revelada.

“Vários funcionários foram punidos. (O governo da cidade) definiu o acidente como um acidente grave de opinião pública que afeta a estabilidade social’. Ele pediu a todos os departamentos que controlassem seus funcionários (para ficarem calados)”, disse o repórter, que pediu que seu anonimato fosse mantido.

Chan King-ming, conhecido bioquímico que se concentra na pesquisa toxicológica em Hong Kong, disse ao Epoch Times em 5 de janeiro que o governo de Wuhan deveria contar às pessoas o que aconteceu.

“Para doenças infecciosas, o governo deve estabelecer um mecanismo para notificação imediata. Caso contrário, o vírus infectará mais pessoas e a situação ficará fora de controle ”, disse Chan. “O vírus pode sofrer mutação. Quanto mais pessoas infectadas, mais rápido será a mutação. ”

Em 4 de janeiro, o governo de Hong Kong lançou uma “severa resposta de emergência ao vírus” e intensificou as medidas para impedir sua propagação.

Na tarde de 5 de janeiro, o ministro da Saúde e Bem-Estar de Taiwan, Chen Shih-chung, anunciou em uma entrevista coletiva que o governo colocará em quarentena e controlará todos os possíveis pacientes que vieram a Wuhan nos últimos 15 dias e que apresentem sintomas de pneumonia.

*******

Assista também:

A história dos 36 ocidentais que foram à China

 
Matérias Relacionadas