Australiana compara ‘acampamento’ de quarentena do governo com ‘prisão’

'Todo o tempo que estive lá, eu testei negativo'

Por Caden Pearson 

Uma mulher australiana descreveu seu tempo em uma das instalações supervisionadas para quarentena obrigatória do país, muitas vezes descritas como “campos de quarentena”, como estar na “prisão”, em uma entrevista ao site de notícias britânico UnHerd.

Hayley Hodgson, de 26 anos, afirmou que foi presa em sua residência em Darwin, no Território do Norte (NT), em meados de novembro, e levada a uma instalação de quarentena obrigatória quando mentiu à polícia sobre ter realizado um teste da COVID-19 após ser identificada como um contato próximo de um caso confirmado – sua amiga.

Sua amiga tinha testado positivo para a COVID-19, a doença causada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), após ficar doente no trabalho.

As autoridades bateram na porta de Hodgson após vê-la com sua amiga e verificarem as placas de sua moto para descobrir onde ela morava.

Não está claro se as autoridades identificaram ela e sua moto por meio de imagens de CFTV. Também não está claro se as autoridades que bateram em sua porta foram rastreadores de contato ou policiais à paisana.

A polícia do NT não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

“Eles vieram direto à minha casa. Eu não recebi uma ligação nem nada. Eu literalmente saí pela frente e eram dois investigadores disfarçados”, declarou ela.

Hodgson confirmou aos policiais que conhecia o caso confirmado, sua amiga, e contou-lhes os locais que havia visitado.

“Eles questionaram: ‘Você já realizou um teste para a COVID?’ Eu afirmei, ‘Sim, eu fiz, quando, na verdade, não havia”, relatou.

“Só porque eu estava com muito medo no momento e já tinha estado em um desses campos de quarentena antes – literalmente apenas um mês antes. Então eu sei como são. Eu estava com muito medo. Era uma posição horrível e eu simplesmente menti e afirmei: ‘Olha, sim, eu fiz’, quando não tinha”.

Os investigadores saíram e ligaram para ela logo após para declarar que procuraram e não conseguiram encontrar um registro de seu teste. Hodgson então admitiu a eles que ela mentiu sobre o teste por medo e se desculpou. Ela relata que lhe afirmaram para esperar em casa e alguém viria testá-la.

“Ninguém veio me testar. As próximas pessoas a aparecerem na minha casa foram dois outros policiais. Eles bloquearam minha garagem”, declarou. Desta vez, os policiais eram policiais uniformizados, afirmou ela.

Hodgson saiu de sua casa e perguntou à polícia o que estava acontecendo e se eles estavam lá para testá-la para a COVID-19.

“Eles afirmaram: ‘Não, você está sendo levada embora e não tem escolha, você está indo para Howard Springs. Ou você vem conosco agora e vamos colocá-la na parte de trás da van ou você pode escolher pegar um táxi COVID’”, relatou ela.

Ela então optou por andar no “táxi COVID” para evitar a multa de US $5.000 associada a ir na van da polícia, ou “van dividida”, que é um veículo que pode abrigar pessoas presas em um compartimento separado dos policiais.

Em resposta à pandemia do vírus do PCC, os estados e territórios da Austrália declararam emergências de biossegurança humana, permitindo que os diretores de saúde de cada jurisdição emitissem diretivas que se tornassem leis aplicáveis, as quais frequentemente anulam direitos garantidos pela constituição do país.

A polícia é então obrigada a exigir o cumprimento dessas diretivas, muitas vezes dando-lhes o poder de emitir multas por descumprimento, bem como entrar em casas, deter pessoas e removê-las para instalações de quarentena supervisionadas.

A equipe conduz uma bateria de testes em uma simulação de PPE nas seções NCCTRCA / AUSMAT da instalação de quarentena de Howard Springs, em Darwin, na Austrália, no dia 14 de janeiro de 2021 (Imagem AAP / Glenn Campbell)
A equipe conduz uma bateria de testes em uma simulação de PPE nas seções NCCTRCA / AUSMAT da instalação de quarentena de Howard Springs, em Darwin, na Austrália, no dia 14 de janeiro de 2021 (Imagem AAP / Glenn Campbell)

Existem duas instalações de quarentena obrigatória supervisionadas para abrigar pessoas no NT — o Centro de Resiliência Nacional em Howard Springs, em Darwin no Território, do Norte e Alice Springs Quarantine Facility em Alice Springs no sul do estado, que também fica próximo ao centro do continente.

O governo do NT instruiu Hodgson a entrar em quarentena supervisionada obrigatória em Howard Springs. De acordo com as regras do NT para esse cenário, como Hodgson era um contato próximo, ela não teria que pagar a taxa normal de $2.500 (US $1.751).

Hodgson afirmou aos policiais que não consentiu em ser removida para Howard Springs e declarou sua preferência por isolar-se em casa.

De acordo com a lei do NT, pessoas totalmente vacinadas que chegam do exterior têm permissão para entrar em quarentena em uma zona de quarentena residencial aprovada. Para o NT, essas zonas são Greater Darwin, Katherine e Alice Springs. Os acampamentos e comunidades aborígines, semelhantes às reservas nos Estados Unidos e Canadá, são considerados locais de alto risco e não estão nas zonas.

Hodgson fez uma mala para levar à  instalação de quarentena com a compreensão de que ela poderia sair assim que apresentasse um teste negativo. Porém, na chegada, ela foi informada de que deveria permanecer por todo o período obrigatório de 14 dias.

“Todo o tempo que estive lá, eu [testei] negativo”, relatou ela, afirmando mais tarde que havia realizado o teste três vezes.

Ela foi levada para sua cabana por pessoas usando equipamentos de proteção individual completos no estilo “hazmat”.

“Eles literalmente o colocam no seu quarto e o deixam. Eles não vêm e não afirmam nada. Eles não checam. Eles não fazem nada”, relatou.

“Você recebe suas refeições uma vez por dia e é deixada.”

 

As refeições são vistas nas seções NCCTRCA / AUSMAT nas instalações de quarentena de Howard Springs, em Darwin, na Austrália, no dia 14 de janeiro de 2021 (AAP Image / Glenn Campbell)
As refeições são vistas nas seções NCCTRCA / AUSMAT nas instalações de quarentena de Howard Springs, em Darwin, na Austrália, no dia 14 de janeiro de 2021 (AAP Image / Glenn Campbell)

Em um vídeo filmado por Hodgson e mostrado durante a entrevista pela UnHerd, funcionários da quarentena são vistos entregando-lhe uma advertência por escrito após ela violar as regras, deixando seu espaço sem usar uma máscara protetora.

“Então, eu vou te dar um aviso, certo?” O oficial visto no vídeo afirmou. “É um aviso oficial de que você deve ficar no seu espaço e obedecer às regras enquanto estiver aqui”.

No vídeo, Hodgson é ouvida desafiando as regras, enquanto a lembram delas, em vez de aplicar a multa de US $5.000.

Hodgson comparou estar na instalação de quarentena, com todos os seus movimentos sendo controlados, à prisão.

“É uma sensação horrível. Você se sente como se estivesse na prisão. Você sente que fez algo errado. É desumano o que eles estão fazendo”, declarou. “Você é tão pequeno. Eles dominam você e você sente como se não fosse nada”.

Após pedir permissão para sair para correr porque estava se sentindo ansiosa e “angustiada”, Hodgson afirma que lhe ofereceram Diazepam.

Hodgson, que então completou a quarentena obrigatória, afirma que desde o ocorrido perdeu seu emprego casual.

A unidade de mídia da COVID-19 do NT informou ao Epoch Times que uma resposta será emitida na próxima semana.

Houve um total de 292 casos confirmados da COVID-19 no NT e uma morte ligada ao vírus, relatada no dia 3 de dezembro.

A pessoa que morreu era uma mulher aborígine de 76 anos de Binjari, sudeste de Darwin, cujos residentes foram recentemente realocados para Howard Springs para completar o isolamento.

Sua evacuação atraiu atenção internacional devido às alegações infundadas de que o exército estava vacinando e detendo aborígenes à força.

No entanto, isso foi refutado por um trabalhador da saúde local aborígine, que afirmou que os residentes não podiam se isolar com segurança mediante as moradias superlotadas – algumas residências em Binjari abrigam até 30 pessoas, um problema comum em comunidades aborígenes remotas. Ele relatou que o exército estava ajudando a transportá-los para a quarentena em Howard Springs.

Existem atualmente 1.161 pessoas em quarentena no território, que tem uma população de cerca de 246.000.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas