Austrália rastreia navio de guerra chinês rumo aos exercícios militares entre EUA e Austrália

Por Reuters

SYDNEY – Autoridades de defesa australianas disseram, em 8 de julho, que estão rastreando um navio de vigilância chinês que deve se posicionar fora de suas águas territoriais para monitorar os exercícios militares entre a Austrália e os Estados Unidos.

Cerca de 25.000 militares australianos e americanos a bordo de navios de guerra equipados com jatos de ataque participarão, no próximo mês, de jogos bianuais de guerra Talisman Saber.

O tenente-general Greg Bilton, chefe de operações conjuntas da Força de Defesa Australiana, disse que o navio de vigilância chinês provavelmente estava indo para a costa nordeste da Austrália para ter uma visão em primeira mão dos exercícios militares.

“Estamos acompanhando isso. Ainda não sabemos o seu destino, mas estamos assumindo que ele chegará à costa leste de Queensland e tomaremos as medidas adequadas”, disse Bilton a repórteres em Brisbane, capital do estado de Queensland.

Notícias do navio de vigilância chinês que se aproxima da Austrália seguem a chegada não anunciada de três navios chineses em Sydney no mês passado, na véspera do 30º aniversário do protesto pró-democracia da Praça da Paz Celestial.

A marinha chinesa cresceu dramaticamente nas últimas duas décadas, à medida que Pequim busca ampliar seu poder de influência.

As relações entre os Estados Unidos e a China azedaram nos últimos meses em meio a uma guerra comercial e à percepção da assertividade chinesa no Pacífico, encapsulada pela ilha artificial de Pequim no disputado Mar do Sul da China.

O regime chinês alega que tem propriedade histórica sobre quase toda a região, o que lhe dá o direito de fabricar ilhas, declarar perímetros defensivos em torno de suas ilhas artificiais e perseguir navios de outras nações no Mar do Sul da China.

No entanto, em 12 de julho de 2016, um tribunal de arbitragem em Haia considerou falsas as alegações do regime chinês. Na decisão do tribunal da ONU, as alegações da China de possuir virtualmente a totalidade do Mar do Sul da China foram rejeitadas pelo tribunal de 5 membros como não tendo base histórica. Também se determinou que as múltiplas ilhas artificiais que foram construídas e usadas como base pelos militares chineses não constituem território com direito a zonas de exclusividade econômica. Pelo contrário, eles foram encontrados em violação da soberania das Filipinas.

O Partido Comunista Chinês (PCC) rejeitou imediatamente a decisão do tribunal. Uma declaração de seu Ministério das Relações Exteriores disse que considerava a decisão como “nula e sem força vinculante”. Ela “não aceitaria nem participaria da arbitragem iniciada unilateralmente pelas Filipinas”. O verdadeiro impacto é incerto, dado que o tribunal não tem poder de fiscalização, informou a Associated Press, em 12 de julho de 2016.

Brunei, Malásia, Filipinas, Vietnã e Taiwan também têm reclamações na hidrovia, através das quais cerca de US$ 5 trilhões em comércio de navios passam a cada ano.

Austrália e China também estão competindo por influência no Pacífico Sul, uma região pouco povoada que controla vastas áreas de oceanos ricos em recursos.

De Colin Packham

 
Matérias Relacionadas