Austrália-EUA iniciam colaboração em armas hipersônicas em meio à corrida armamentista com Rússia e China

PCC tem se envolvido na corrida armamentista hipersônica ao adquirir ogivas da Rússia

Por Daniel Y. Teng

Os mísseis de cruzeiro hipersônicos, que viajam cinco vezes a velocidade do som, estão a um passo de fazer parte do arsenal da Austrália.

Na semana passada, a Austrália e os Estados Unidos assinaram um novo acordo para colaborar no desenvolvimento e teste de protótipos de mísseis de cruzeiro hipersônicos.

Quando concluídos, os mísseis serão capazes de atravessar a distância de Sydney a Melbourne em apenas sete minutos.

Os mísseis são difíceis de parar não apenas por causa de sua velocidade, mas por sua capacidade de deslizar pelos sistemas de radar ao deslizar ao longo da borda da atmosfera. Os hipersônicos também podem alterar sua rota no meio do vôo.

As armas devem ser instaladas em aviões de combate australianos.

Os compromissos para desenvolver as armas vieram depois que o primeiro-ministro Scott Morrison lançou uma atualização estratégica renovada em julho para preparar o país para uma região indo-pacífica “que é mais pobre, que é mais perigosa e que é mais desordenada”.

O desenvolvimento ocorrerá no âmbito da Southern Cross Integrated Flight Research Experience (SCIFiRE).

A Ministra da Defesa, Linda Reynolds, disse que manter a vantagem tecnológica da Austrália é a chave para a Atualização Estratégica.

“Estou satisfeito em ver este acordo vir a ser concretizado após minhas discussões com o então secretário Esper durante minha visita aos Estados Unidos em julho deste ano”, disse Reynolds.

“Na AUSMIN, reconhecemos o papel único de nossa parceria de defesa para manter nossa vantagem competitiva e afirmamos o valor da colaboração bilateral em hipersônicos”, acrescentou ela.

O Programa SCIFiRE é baseado em mais de 15 anos de colaboração entre a Austrália e os Estados Unidos na pesquisa científica e tecnológica de scramjets hipersônicos, motores de foguetes, sensores e materiais de fabricação avançados.

Reynolds disse que o experimento culminará em demonstrações em vôo para mostrar como a arma funciona em condições operacionais, o que determinará quaisquer aquisições futuras.

“Continuamos comprometidos com a paz e a estabilidade na região e com um Indo-Pacífico aberto, inclusivo e próspero.”

Michael Shoebridge, do Australian Strategic Policy Institute, disse que os últimos passos foram “profundamente encorajadores” e que o processo está “se movendo rapidamente para o desenvolvimento e produção de mísseis reais”.

“Os mísseis hipersônicos são uma arma militar poderosa porque as contramedidas contra essas armas de movimento rápido são muito difíceis. Os tempos de resposta para se defender ou manobrar para longe dos mísseis são muito curtos”, disse ele ao Epoch Times.

“Junto com isso, o simples efeito cinético de um míssil certeiro é muito destrutivo (com ogivas apenas aumentando o dano)”, disse ele.

“Todas as oportunidades para encurtar o tempo para entregar esses novos mísseis nas mãos de militares australianos e americanos devem ser aproveitadas, porque o ambiente de segurança em deterioração no Indo-Pacífico requer capacidades como esta para deter o conflito – e para vencer o conflito se a dissuasão falhar”, adicionou ele.

O Partido Comunista Chinês (PCC) se envolveu rapidamente na corrida armamentista hipersônica ao adquirir ogivas da Rússia.

Apesar da pesquisa hipersônica ser originada nos Estados Unidos, foi a Rússia que desenvolveu primeiro as armas e um arsenal totalmente funcionais, de acordo com Mark Lewis, diretor de pesquisa de defesa e engenharia para modernização do Pentágono.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas