Aumentam os pedidos internacionais para acabar com a perseguição religiosa em ascensão na China

"É um lembrete para que as pessoas do mundo não fechem os olhos para os crimes de tirania, nem ignorem os apelos de consciência"

Por Eva Fu

Praticantes do Falun Dafa de mais de uma dúzia de países ao redor do mundo – muitos dos quais são sobreviventes – realizaram vigílias e protestos no fim de semana passado, em uma convocação conjunta para interromper a campanha de repressão do regime chinês que, por décadas, tem alvejado sua fé.

“Não importa que esteja a milhares de quilômetros do outro lado do mar”, disse a senadora australiana Janet Rice em um comício online em 20 de julho. “O que está acontecendo na China é importante para nós, como seres humanos, e é nossa responsabilidade chegar lá e fazer todo o possível para tentar trabalhar pela justiça”.

Este dia marca o 21º ano desde que Pequim lançou uma extensa campanha de perseguição projetada para eliminar o Falun Dafa, uma prática de meditação que inclui exercícios de movimento lento e ensinamentos morais.

O Minghui, um centro de informações dos Estados Unidos que acompanha a perseguição, computou mais de 4.500 mortes em suas fontes na China continental, embora o número real de mortes seja provavelmente muito maior.

“Este é um dia incrivelmente obscuro e sombrio”, disse Jeff Yang, porta-voz da Associação Calgary Falun Dafa no Canadá, em um comício local em frente ao Consulado Geral da China em Calgary. “É um lembrete para que as pessoas do mundo não fechem os olhos para os crimes de tirania, nem ignorem os apelos de consciência”.

Eventos semelhantes também foram realizados em mais de 20 países e cidades ao redor do mundo, incluindo São Francisco, Nova Iorque, Washington, Vancouver, Toronto, Taipei, Suíça, Japão, Coreia do Sul e Macau.

Enquanto isso, mais de 600 parlamentares e ex-parlamentares de todo o mundo assinaram uma declaração conjunta exortando o regime a “acabar imediatamente” com a perseguição ao Falun Dafa e a libertar incondicionalmente todos os detidos que são submetidos a tortura e outras formas de abuso por se recusar a desistir de suas crenças.

Praticantes do Falun Dafa realizam uma vigília para comemorar o 21º aniversário da perseguição ao Falun Dafa na China, em Taipei, Taiwan, em 18 de julho de 2020 (Minghui)
Praticantes do Falun Dafa realizam uma vigília para comemorar o 21º aniversário da perseguição ao Falun Dafa na China, em Taipei, Taiwan, em 18 de julho de 2020 (Minghui)

Wang Xi, professora do ensino fundamental de 28 anos em Maryland, tinha apenas sete anos quando a perseguição começou. Em agosto de 2000, a polícia invadiu uma gráfica que seus pais administravam depois de descobrir materiais relacionados ao Falun Dafa, prendendo seus pais e dois funcionários. O incidente foi o primeiro de uma série de prisões, ataques a casa e assédio sofrido por sua família e muitos outros ao longo dos anos.

Seu pai, que passou grande parte de uma década na prisão ou fugindo para evitar ser preso, falou pouco sobre o que aconteceu, mas o que ele revelou – que jogaram água gelada na sua cabeça enquanto ele estava na neve, privado de dormir por semanas, alimentado à força e sofrendo surras frequentes – fez Wang se perguntar o que mais ele havia escondido de seu conhecimento. Ela perdeu cerca de 66 libras (29kg) devido à tortura na prisão.

O pai de Wang morreu em 2015, aos 50 anos, menos de um mês depois que ela deixou a China para ir aos Estados Unidos. A notícia, como disse ela, quase tirou suas forças para viver.

“Sinto-me feliz por não ter perdido minha vida como muitos outros praticantes, e por estar aqui para contar a experiência de minha família a mais pessoas – a evidência dos crimes do PCC -, disse ela aos praticantes perto da embaixada chinesa enquanto falava. Eles realizaram uma vigília para lamentar aqueles que morreram.

“O que o entristece”, disse ela, “é saber que a campanha de perseguição pode levar mais vidas inocentes e trazer mais tragédias familiares, e tudo isso não deveria ter acontecido”.

Liu Haipeng, um estudante chinês que estuda em Seul e ficou preso no país devido à pandemia, disse esperar que algum dia os praticantes do Falun Dafa na China possam exercer abertamente sua crença sem medo.

Verdade, benevolência e tolerância “são valores universais” e “princípios básicos que todos devem seguir”, disse ele em entrevista.

Alan Adler, da organização americana sem fins lucrativos Friends of Falun Gong, disse que a dura campanha contra o grupo religioso testemunhou a resistência dos praticantes e precisa da atenção do mundo.

“A perseguição ao Falun Gong é um toque de trombeta que deve ressoar em todas as pessoas boas do mundo. É um teste para a nossa consciência humana; para ver se temos coragem de enfrentar o PCC”, disse ele em discurso em um comício em Nova Iorque.

Wu, que também é estudante chinês na Coreia do Sul, começou a prática há apenas algumas semanas. Ela disse que a coragem e a perseverança dos praticantes sob a ameaça de morte a comoveram profundamente.

“Lágrimas surgem toda vez que eu escuto a música”, disse ela ao Epoch Times.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

                     Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 
Matérias Relacionadas