Artefatos e múmias de dois mil anos descobertos em tumba egípcia

Por Richard Szabo

Artefatos valiosos e múmias que datam de dois milênios foram descobertos no sul do Egito, confirmaram autoridades em 23 de abril.

O Ministério de Antiguidades da República Árabe do Egito confirmou que uma antiga tumba foi encontrada esculpida em pedra no período greco-romano em Assuão, 539 milhas ao sul do Cairo, de acordo com a Associated Press.

O período greco-romano (332 aC-395 dC) viu a ascensão do rei da Macedônia, Alexandre, o Grande, na Grécia antiga, que conquistou os persas do Irã atual, que governava o Egito na época, e fundou Alexandria, que é atualmente a segunda maior cidade no Egito.

Uma missão de arqueologia italiana liderada pela professora da Universidade de Milão, Patrizia Piacentini, fez a descoberta perto do icônico mausoléu de Aga Khan III, Sir Sultan Muhammad Shah, que fez lobby pelos direitos religiosos na Índia e foi enterrado perto do local de sua antiga vila de inverno, anos após a sua morte em 1957.

O túmulo continha cerca de 30 múmias, incluindo crianças pequenas que Piacentini achava que estavam “sobrepostas” e poderiam incluir mães e seus filhos.

Havia também máscaras funerárias pintadas de ouro, estatuetas, jarras em formato de ânfora, vasos para oferendas ritualísticas, recipientes contendo comida, fragmentos de caixão, um abajur e cartonagens brancas, que são pedaços de linho ou fibra têxtil de papiro colados.

Uma maca intacta também foi descoberta encostada na parede norte do túmulo, feita de madeira de palmeira e unida com tiras de linho. O item foi entendido como algo utilizado para transportar múmias para o túmulo.

“Muitos artefatos arqueológicos importantes que datam da era greco-romana também foram encontrados, incluindo uma grande coleção de caixas de papelão com pegadas estampadas dos pés da múmia, que usa sandálias e embeleza suas unhas”, disse Piacentini em um comunicado. .

Um par de pequenas estátuas de pássaros Ba também foram recuperadas, o que, de acordo com a antiga mitologia egípcia, foi acreditado para voar para fora da tumba da pessoa para se juntar à sua essência vital na vida após a morte.

“[Havia] duas pequenas estátuas, uma das quais é uma boa preservação do pássaro Ba, que representa o espírito do falecido e mostra todos os seus detalhes na decoração”, disse Piacentini. “[Havia também] dois fragmentos de vidro contendo o betume usado para embalsamamento (remoção do cérebro de múmias)”.

Além disso, o Secretário-Geral do Conselho Supremo de Antiguidades, Mostafa Waziri, disse que havia escrituras e caixões fragmentados no túmulo.

Um dos caixões apresentou um texto completo, detalhando o nome do dono da tumba, Tjt.

“Um caixão de madeira (pintado) foi encontrado dentro do túmulo contendo todo o texto hieroglífico, no qual a missão conseguiu descobrir o nome do dono do cemitério Tjt, bem como um texto para os ritos funerários (orações) da terceira região de [Aga] Khan e os deuses da primeira catarata do Nilo [Anuket, Khnum e Satet] ”, disse Waziri no comunicado.

Aiman Ashmawy, chefe da missão egípcia do Ministério de Antiguidades, disse que a tumba tinha uma escada para a câmara lateral onde estava armazenado um sarcófago esculpido em pedra. Outro fragmento de pedra foi encontrado na frente de um grupo de múmias em um “estado de conservação ruim”, disse ele.

A missão arqueológica terminou de desenhar um mapa completo de cerca de 300 túmulos individuais na área ao redor do mausoléu. Calcula-se que todos os túmulos datam entre o sexto século a.C. e quarto século d.C.

O Egito anuncia regularmente novas descobertas, na esperança de estimular o setor turístico do país, que sofreu uma grande queda desde que o autocrata Hosni Mubarak foi destituído da presidência em 2011. Ele efetivamente entregou o poder político ao Conselho Supremo das Forças Armadas, provocando protestos em massa dois anos depois.

A Associated Press contribuiu para esta reportagem.

 
Matérias Relacionadas