Aproveitando escândalos da Huawei, Samsung aposta alto em equipamentos de rede

Um grande obstáculo para a Samsung será atrair talentos em meio a uma escassez de engenheiros de software na Coreia do Sul

Por Reuters

SEUL – A Samsung Electronics está investindo recursos em seu negócio de equipamentos de rede de telecomunicações, com o objetivo de capitalizar os temores de segurança que afetam a chinesa Huawei, segundo funcionários da empresa e outros executivos do setor.

Esses esforços incluem a transferência de gerentes de alto desempenho e vários funcionários para a divisão de rede de sua unidade de celulares, disseram duas fontes da Samsung.

Os clientes em potencial estão percebendo os esforços da Samsung para se reinventar como um fornecedor de primeira linha para redes sem fio 5G e colmatar uma grande lacuna com a Huawei e os pesos-pesados da indústria Ericsson e Nokia.

A chefe de tecnologia da transportadora francesa Orange, Mari-Noëlle Jégo-Laveissière, visitou o Japão no ano passado e ficou impressionada com o ritmo das preparações 5G usando fabricantes de equipamentos alternativos, incluindo a Samsung, disse à Reuters.

A Orange, que opera em 27 mercados e conta com a Huawei como sua principal fornecedora de equipamentos, realizará seus primeiros testes franceses de 5G com a Samsung este ano.

“A Samsung está dando um grande impulso na Europa no momento”, disse uma fonte da indústria, recusando-se a ser identificada.

Ressaltando a crescente importância do negócio, o primeiro-ministro sul-coreano Lee Nak-yeon visitou a divisão de redes da Samsung em janeiro. Em uma reunião a portas fechadas durante a visita, o herdeiro da Samsung Jay Y. Lee pediu ajuda do governo para recrutar engenheiros de alto nível.

A Huawei está combatendo as alegações dos Estados Unidos e de alguns outros países ocidentais de que seus equipamentos poderiam permitir a espionagem chinesa e não devem ser usados em redes 5G, que oferecerão velocidades mais altas e uma série de novos serviços.

A Austrália e a Nova Zelândia uniram-se aos Estados Unidos para efetivamente impedir a Huawei de participar da implementação do 5G, e muitos outros países, especialmente na Europa, estão considerando a proibição.

O logotipo da Huawei é retratado fora de suas instalações de pesquisa em Ottawa, Canadá, em 14 de fevereiro de 2019 (Chris Wattie / Reuters)

Os problemas da Huawei deram à Samsung uma oportunidade rara. As empresas de telecomunicações normalmente fariam parte de seus provedores 4G para atualizações de 5G, já que podem usar equipamentos existentes para minimizar custos, mas muitas empresas podem estar sob pressão política para mudar.

“Estamos impulsionando nossos negócios de rede para aproveitar as oportunidades de mercado que surgem em um momento em que a Huawei é objeto de alertas sobre segurança”, disse uma das fontes da Samsung.

As fontes, que não divulgaram valores específicos para os movimentos dos funcionários, se recusaram a ser identificadas, pois não estavam autorizadas a falar sobre o assunto.

Desejosos de buscar um novo crescimento, especialmente porque as vendas de seus principais chips e smartphones começaram a cair, a Samsung planeja investir US$ 22 bilhões em tecnologia móvel 5G e outros campos ao longo de três anos. Ele se recusou a dividir o quanto será direcionado para o 5G e as outras áreas – inteligência artificial, biofarma e peças eletrônicas automotivas.

“A Samsung está focada em construir a confiança com nossos parceiros e liderar os mercados 5G globais, independentemente de outras empresas”, disse em comunicado enviado à Reuters por e-mail.

Questionada sobre o grande avanço da Samsung nos equipamentos de rede, a Huawei afirmou em comunicado que acolhe a concorrência no mercado.

Oportunidade da Índia

Na Índia, a Samsung está agora em conversações com a Reliance Jio para atualizar sua rede para a 5G, procurando construir o que talvez tenha sido seu maior sucesso de rede – tornando-se o fornecedor-chave para a nova operadora.

“Não achamos que o 5G esteja longe na Índia”, disse  uma autridade da Samsung com conhecimento direto do assunto à Reuters. Ele se recusou a ser identificado devido à sensibilidade do assunto.

O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, aperta a mão do primeiro-ministro indiano Narendra Modi durante a inauguração da maior fábrica de smartphones do mundo – uma planta de montagem que é uma extensão da instalação da Samsung na Índia – em Noida, Índia, em 9 de julho de 2018. A Samsung abriu a maior fábrica de smartphones do mundo na Índia, um movimento que a Modi disse que ajudaria a transformar a terceira maior economia da Ásia em um centro de produção (Money Sharma / AFP / Getty Images)

Os clientes da Samsung incluem as empresas norte-americanas AT & T, Verizon Communications e Sprint e ela tem contratos de rede 5G com as três, embora não esteja claro o quão extensos são esses contratos. A Samsung também vende para operadoras sul-coreanas e fez parcerias com operadoras de telefonia móvel japonesas para testar seu equipamento 5G.

Em muitos casos, a Samsung fornece apenas pequenos pedaços de redes. De acordo com o Dell’Oro Group, que controla o mercado, a empresa sul-coreana detém apenas 3% do mercado global de infra-estrutura de telecomunicações, contra 28% da Huawei.

Seus negócios de rede renderam 870 bilhões de won (US$ 775 milhões) em lucro operacional no ano passado, de acordo com a Eugene Investment & Securities. Os documentos mostram que o negócio de rede da Nokia gerou cerca de 1,2 bilhão de euros (1,4 bilhão de dólares), enquanto as operações de rede da Ericsson renderam 19,4 bilhões de coroas suecas (2,1 bilhões de dólares). Os números para a Huawei não estavam disponíveis.

Encontrar pessoas 

Um grande obstáculo para a Samsung será atrair talentos em meio a uma escassez de engenheiros de software na Coreia do Sul.

“Precisamos de mais engenheiros de software e queremos trabalhar com o governo para encontrar esses talentos”, disse Lee às autoridades do governo em seu encontro com o primeiro-ministro.

A unidade de negócios de rede da Samsung emprega cerca de 5.000 pessoas, de acordo com um funcionário do governo na cidade de Gumi, no sul do país, onde a Samsung opera suas fábricas.

Kim Young-woo, analista da SK Securities, espera que a Samsung contrate de 1.000 a 1.500 pessoas para equipamentos de rede 5G este ano. A Samsung se recusou a comentar sobre os níveis de funcionários da rede e os planos de contratação.

Mas a aposta da Samsung continua sendo arriscada, já que a natureza de longo prazo do investimento na rede de telecomunicações significa que a mudança vem lentamente.

A Ericsson, da Suécia, e a finlandesa Nokia, que adquiriram os remanescentes das já poderosas empresas de equipamentos de rede Alcatel-Lucent e Nortel, ainda não registraram um pequeno crescimento nas vendas diante dos problemas da Huawei, segundo executivos das companhias.

Ambos estão no modo de corte de custos, mesmo diante da oportunidade 5G e dos problemas enfrentados pelo seu maior rival.

De fato, algumas operadoras de rede na Europa estão alertando que uma proibição da Huawei – agora em análise na França, no Reino Unido, na Alemanha e em outros países – poderia impedir a implantação do 5G em até três anos.

Outros alertam que a Samsung pode se esforçar para desenvolver uma organização global de vendas e suporte.

“A forma como as empresas de telecomunicações compram produtos e serviços de seus fornecedores demandam muito tempo e recursos, razão pela qual a Ericsson e a Nokia têm cerca de 100 mil funcionários e a Huawei quase o dobro”, disse Bengt Nordstrom, CEO da consultoria de telecomunicações Northstream.

Mas a Samsung está tomando a visão de longo prazo. Em dezembro, concordou em estender sua parceria olímpica com o Comitê Olímpico Internacional até 2028 e expandir seu patrocínio para a tecnologia 5G.

A empresa não quis deixar seu local de patrocínio aberto a rivais chineses, disse uma fonte separada com conhecimento do assunto.

“Se a Samsung deixasse de ser o principal patrocinador móvel para os Jogos Olímpicos depois de 2020, quem teria tomado o seu lugar? A China tomaria seu lugar através da Huawei. ”

(US$ 1 = 1.122.8000 won)

De Heekyong Yang e Ju-min Park

 
Matérias Relacionadas