Após aumento das tarifas dos EUA empresas de Hong Kong e Taiwan planejam retirar produção da China

Por Frank Fang, Epoch Times

As empresas de Hong Kong e Taiwan estão planejando retirar parte de sua produção da China depois que o governo dos Estados Unidos anunciou que cerca de US$ 200 bilhões em produtos manufaturados chineses receberiam um aumento de tarifa de  10% para  25%.

As novas tarifas entraram em vigor em 10 de maio, depois que o presidente Donald Trump anunciou a mudança inesperada cinco dias antes no Twitter. Em comentários subsequentes, autoridades dos Estados Unidos disseram que a China havia renegado os compromissos assumidos durante as rodadas anteriores de negociações.

Enquanto isso, dois dias de negociações comerciais em Washington terminaram em 10 de maio, sem acordo.

Após as reuniões concluídas, Trump disse no Twitter que as tarifas “podem ou não ser removidas dependendo do que acontecer com relação a futuras negociações”.

Milhares de produtos chineses serão taxados em 25%, incluindo móveis, equipamentos de telecomunicações, plásticos, frutos do mar e autopeças.

Muitos desses produtos são fabricados por empresas de Hong Kong e Taiwan, que há muito tempo têm fábricas na China, por causa de sua mão-de-obra barata. Agora, essas empresas estão transferindo parte da produção para evitar os custos adicionais relacionados às tarifas dos Estados Unidos.

Hong Kong

Lau Tat-pong, um dos presidentes honorários da Associação de Pequenas e Médias Empresas de Hong Kong, opera fábricas em Dongguan desde 1989, uma cidade industrial no sul da China. Ele está no ramo de tintas e produtos de alumínio.

Em uma recente entrevista por telefone com a filial de Hong Kong do Epoch Times em língua chinesa, Lau explicou que ele estava pensando em transferir algumas produções para países no sudeste da Ásia desde o início da guerra comercial Sino-EUA. No entanto, Lau disse que não fez nenhum movimento, ao invés disso, espera que um acordo comercial seja alcançado em breve.

“Agora, devo me mudar”, disse Lau depois que o aumento entrou em vigor em 10 de maio. “Há uma semana, eu ainda esperava que a tarifa de 10% fosse removida”, disse ele.

Lau disse que seus clientes dos Estados Unidos até agora vêm pagando as tarifas de 10%, mas especula que seus clientes podem não estar dispostos a pagar, com o aumento para 25%.

Ele acrescentou que o setor manufatureiro na China poderá sofrer um sério golpe, porque os países do Sudeste Asiático se tornarão mais competitivos em custos, enquanto as cadeias de fornecimento desses países se tornarão mais maduras, à medida que mais empresas retirem sua produção da China.

Muitos fabricantes de tecnologia, como fornecedores da gigante americana de tecnologia Apple, já fizeram planos de transferir a produção para o Vietnã, Malásia, Filipinas e outros lugares fora da China, depois que as tarifas dos Estados Unidos foram anunciadas pela primeira vez, em março de 2018.

Enquanto isso, Kit Sze, que está no negócio de relógios e embalagens, encontrou negócios prósperos porque mudou suas fábricas para o Camboja, anos atrás, de Dongguan.

Falando para o escritório de Hong Kong, do Epoch Times em chinês, pelo telefone em 9 de maio, Kit disse que recebeu mais chamadas recentemente de clientes dos Estados Unidos e espera receber mais pedidos de empresas americanas no futuro.

Taiwan

O presidente taiwanês, Tsai Ing-wen, realizou uma coletiva de imprensa em 10 de maio, após uma reunião de segurança nacional de alto nível, para abordar as estratégias de Taiwan em face do mais recente aumento nas tarifas dos Estados Unidos.

Ela disse que o modelo de comércio triangular existente – empresas taiwanesas aceitando pedidos de clientes dos Estados Unidos, cumprindo as encomendas fabricando os produtos na China e exportando os produtos para os Estados Unidos da China – provavelmente mudaria como resultado da guerra comercial, segundo às declarações publicadas no site do gabinete do presidente.

Tsai acrescentou que seu governo acelerará o processo de ajudar as empresas taiwanesas a retornarem à ilha, ao mesmo tempo em que estabelece a meta de assinar um acordo comercial bilateral com os Estados Unidos. Ela concluiu que a maioria das exportações para os Estados Unidos, agora com produtos com o rótulo “Made in China”, será substituída em breve por produtos de alta qualidade que serão “Made in Taiwan”.

Em janeiro, o Ministério de Assuntos Econômicos de Taiwan lançou um programa de “boas vindas”, que incentiva as empresas taiwanesas a voltar para casa, como aluguel gratuito nos primeiros dois anos, empréstimos bancários favoráveis e acesso a consultas fiscais.

A Agência Central de Notícias de Taiwan (CNA) informou que 52 empresas taiwanesas – aquelas que estão baseadas em Taiwan, mas têm operações na China – comprometeram-se a investir na ilha com um investimento total de mais de 279 bilhões de novos dólares em taiwaneses (cerca de US$ 9 bilhões) desde o início deste ano, citando dados do Ministério de Assuntos Econômicos.

Tsai disse que esse número já superou a meta do governo de US$ 250 bilhões, acrescentando que ela aumentará a nova meta para US$ 500 bilhões.

Entre as empresas que retornam a Taiwan está a Yageo, uma empresa de fabricação de componentes eletrônicos. De acordo com a CNA, a Yageo investirá 16,5 bilhões de dólares em Taiwan (cerca de US $ 533 milhões) para adquirir novos equipamentos e expandir as fábricas existentes na ilha.

Enquanto isso, Hsieh Chih-tong, presidente da fabricante de móveis taiwanesa Shane Global, disse que a empresa adquiriu uma fabricante de móveis na Tailândia no segundo semestre do ano passado, com o objetivo de minimizar os custos associados às tarifas dos Estados Unidos, de acordo com um artigo do jornal diário de Hong Kong, Apple Daily. Hsieh acrescentou que a empresa estava pensando em adquirir uma fábrica nos Estados Unidos, além de colocar uma nova instalação no Camboja.

As tarifas de 25%  agora forçarão muitos fabricantes de roupas e sacolas taiwanesas, na China, a fechar ou mover sua produção para o sudeste da Ásia, se ainda não se mudaram, disse Zhuo Qing-ming, presidente da Associação Regional de Tecidos de Filamentos, Tingimento e Acabamento Industriais de Taiwan, de acordo com uma entrevista de 11 de maio com a emissora taiwanesa FTV.

Zhuo explicou que esses fabricantes têxteis, que em sua maioria exportam para os Estados Unidos e desfrutam de um lucro bruto atual de 10 a 20% enquanto fabricam na China, não poderiam continuar seus negócios com tarifas de 25% aplicadas em seus produtos.

Em face de mais tarifas, Aaron Yeh, vice-presidente da firma de contabilidade KPMG Taiwan, sugeriu que as empresas taiwanesas considerem transferir a produção da China para a Indonésia, segundo um artigo do Liberty Times.

No ano passado, o governo indonésio começou a oferecer novos programas de isenção de impostos para empresas estrangeiras que investem em 18 setores no país, incluindo aço, petróleo e telecomunicações, disse Yeh.

 
Matérias Relacionadas