Apelo à China para libertar o ativista dos direitos humanos após a morte de sua esposa nos EUA

'Os dois filhos não podem cuidar do funeral e assuntos relacionados', relatou sua irmã

Por Nicole Hao 

Parentes e ativistas instaram o regime chinês a libertar o conhecido ativista dos direitos humanos, Yang Maodong (pseudônimo de Guo Feixiong), e permitir que ele vá para os Estados Unidos cuidar de sua família o mais rápido possível.

A esposa de Guo, Zhang Qing, na casa dos 50 anos, faleceu em Germantown, em Maryland, na manhã do dia 10 de janeiro. Seus dois filhos, os únicos membros da família de Zhang, ficaram chocados após perder a mãe.

“Os dois filhos não podem cuidar do funeral e assuntos relacionados”, relatou a irmã de Guo, Yang Maoping, na segunda-feira. Ela pediu a Guo para que cuidasse de assuntos privados nos Estados Unidos. No entanto, Guo “desapareceu” após pedir para deixar a China há cinco semanas.

“Pedimos ao regime chinês que permita que Guo Feixiong venha para os Estados Unidos imediatamente sem quaisquer condições”, declarou Chen Guangcheng, um conhecido ativista chinês de direitos humanos e advogado em exílio, ao Epoch Times no dia 10 de janeiro. “Ele precisa lidar com a morte de sua esposa”.

“Exigimos que o regime chinês permita imediatamente que seu marido, Guo Feixiong, viaje aos Estados Unidos para confortar seus dois filhos”, escreveu Bob Fu, fundador e presidente da ChinaAid, em seu comunicado na segunda-feira

Ativista desaparecido

Na tarde do dia 5 de dezembro de 2021, um dos amigos de Guo, na China, recebeu uma mensagem afirmando que ele foi detido. Desde então, nenhum familiar ou amigo conseguiu entrar em contato com Guo.

“Na minha experiência, [Guo] está detido em uma prisão negra na China administrada pelo Partido Comunista Chinês (PCC)”, declarou Chen.

Antes de seu desaparecimento, Guo enviou uma carta aberta ao primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, no dia 29 de novembro de 2021, pedindo que ele permitisse que ele cuidasse de sua esposa doente, que morava nos Estados Unidos. Ativistas acreditam que o regime deteve Guo para silenciá-lo.

Na carta, Guo explicou que sua esposa havia sido diagnosticada com câncer de cólon em estágio IV e havia passado por uma cirurgia em janeiro do ano passado. Em novembro, Zhang novamente sofreu uma obstrução intestinal e foi determinado que o câncer havia se espalhado para outros órgãos e sua condição era inoperável.

“As células cancerosas se espalharam para o fígado, pulmões, linfonodos e apêndice [antes de falecer]”, relatou Chen em entrevista por telefone.

Desde que Guo descobriu que Zhang havia sido diagnosticada com câncer de cólon, ele tentou reunir-se com sua família. No entanto, ele foi interceptado no aeroporto quando tentava sair da China.

No dia 28 de janeiro de 2021, agentes de inspeção de fronteira no Aeroporto Internacional de Shanghai Pudong impediram Guo de embarcar em um voo para São Francisco. Então, ele desapareceu por um longo tempo.

Ativista de direitos humanos Yang Maodong, também conhecido como Guo Feixiong (canyu.org via Radio Free Asia)
Ativista de direitos humanos Yang Maodong, também conhecido como Guo Feixiong (canyu.org via Radio Free Asia)

Guo Feixiong

Guo é licenciado em filosofia e costumava ensinar em uma universidade em Wuhan, província de Hubei, na província central da China. Em 2001, ele começou a defender os direitos humanos na China e foi detido em várias ocasiões por defender grupos vulneráveis ​​na China, como aldeões cujas casas foram demolidas e praticantes do Falun Gong que foram detidos e torturados por suas crenças.

Em uma ocasião, Guo já foi preso por cinco anos (de 2006 a 2011) após ajudar os moradores de Taishi, no município de Yuwotou, no distrito de Panyu, na cidade de Guangzhou, na província de Guangdong do Sul, na China.

Em 2013, Guo foi preso novamente após apoiar repórteres e editores da revista estatal Southern Weekly, e foi condenado a seis anos de prisão. A redação preparou artigos elogiando o constitucionalismo na primeira edição da revista em 2013. No entanto, o ministro da Propaganda da Província de Guangdong, Tuo Zhen, não aprovou o projeto e forçou a revista a alterar o conteúdo para elogiar o líder chinês, Xi Jinping, no último momento.

A revista foi publicada com conteúdo que favorecia o regime, mas tinha muitas falhas, como erros gramaticais, erros de impressão e tempos imprecisos devido a mudanças de última hora. A equipe editorial da revista então declarou em seu jornal e nas plataformas de mídia social, que o PCC administrava a mídia e que a mídia não tinha mais o direito de publicar o que quisesse. O regime foi rápido em censurar informações relacionadas e rebaixar os editores correspondentes.

Para evitar ser processada pelas punições coletivas de familiares do regime chinês, a esposa de Guo fugiu da China com seus dois filhos pequenos, em fevereiro de 2009, chegando aos Estados Unidos dois meses depois e recebeu o status de refugiada em novembro de 2009.

Com informações de Sherry Dong.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas