Americano afirma ter tido centenas de bebês com alienígenas

Um balconista de 74 anos de uma delicatessen do estado americano de Nova Jersey diz ter estado em contato regular com seres alienígenas desde os 8 anos de idade e ter procriado centenas de crianças com extraterrestres, de acordo com o Daily Mail e um documentário longa metragem sobre sua vida intitulado ‘Love and Saucers’.

David Huggins disse que seu encontro mais recente com alienígenas foi há cinco ou seis meses em um lugar que ele chamou de “lá”, um reino que ele não pode explicar exatamente, onde vivem os alienígenas. Huggins afirma que ele encontrou o primeiro alienígena quando criança e que começou a ter relações sexuais com extraterrestres quando tinha 17 anos.

Brad Abrahams, o diretor que filmou um documentário sobre o homem, descartou pela primeira vez a história de Huggins como “fantasiosa”, mas foi eventualmente desarmado pelo comportamento descontraído do homem e sua conversa franca.

“Você fica imediatamente desarmado pelo quão pé no chão e normal que ele parece”, disse o diretor Brad Abrahams ao Daily Mail. “Ele é da pequena cidade da Geórgia na década de 1950, e tem um tipo de fala suave, simplesmente falada, mas realmente não pensa sobre isso, apenas lhe fala com naturalidade as mais ridículas ou surreais reivindicações.”

Além de pintar em casa, Huggins trabalha em tempo parcial num balcão de delicatessen em uma loja em Hoboken, Nova Jersey, nos Estados Unidos (Love and Saucers/Curator Pictures)
Além de pintar em casa, Huggins trabalha em tempo parcial num balcão de delicatessen em uma loja em Hoboken, Nova Jersey, nos Estados Unidos (Love and Saucers/Curator Pictures)
Huggins diz acreditar que centenas de milhares de pessoas em todo o mundo podem ter tido experiências semelhantes às suas, principalmente quando jovens (Love and Saucers/Curator Pictures)
Huggins diz acreditar que centenas de milhares de pessoas em todo o mundo podem ter tido experiências semelhantes às suas, principalmente quando jovens (Love and Saucers/Curator Pictures)
David Huggins conta que frequentemente recebia visitas de ETs em seu quarto, como retratou na pintura (Love and Saucers/Curator Pictures)
David Huggins conta que frequentemente recebia visitas de ETs em seu quarto, como retratou na pintura (Love and Saucers/Curator Pictures)

“E ouvir essas coisas saírem da boca de alguém que parece tão, tão normal e sóbrio, a maneira como ele fala sobre isso é uma verdadeira dicotomia”, continuou Abrahams. “Como eu disse, isso o desarma e deixa você aberto para realmente só escutá-lo como outro ser humano, não ─ como se poderia dizer ─ um impostor ou um charlatão ou alguém desequilibrado. Porque imediatamente você vê que ele não é, e você simplesmente tenta levá-lo mais a sério e a história mais a sério.”

Ao longo dos anos, Huggins pintou centenas de quadros com base em seus encontros. Ele disse ao Daily Mail que espera que o filme abra as mentes das pessoas e promova o diálogo. Huggins acredita que milhões de pessoas podem ter experimentado as mesmas situações que ele tem vivido, especialmente durante a juventude.

Rodeado de pinturas na casa que ele compartilha com sua namorada alien, que se recusou a ser entrevistada para o documentário, Huggins explica com grande naturalidade e riqueza de detalhes as várias experiências que afirma ter tido com extraterrestres (Love and Saucers/Curator Pictures)
Rodeado de pinturas na casa que ele compartilha com sua namorada alien, que se recusou a ser entrevistada para o documentário, Huggins explica com grande naturalidade e riqueza de detalhes as várias experiências que afirma ter tido com extraterrestres (Love and Saucers/Curator Pictures)
Huggins diz que as criaturas que ele encontrou, e pintou, possuíam várias formas, como um ser inseto, como retratado (Love and Saucers/Curator Pictures)
Huggins diz que as criaturas que ele encontrou, e pintou, possuíam várias formas, como um ser inseto, como retratado (Love and Saucers/Curator Pictures)

“Espero que as pessoas pensem seriamente sobre isso”, disse ele ao jornal. “Eu nunca pedi a ninguém para acreditar em uma palavra do que eu digo, porque eu sei que nunca posso provar isso. Espero que você pense nisso.”

Para Love and Saucers, Abrahams entrevistou o filho, o chefe e os vizinhos de Huggins. O filho de Huggins disse ao cineasta que nunca questionou a história de seu pai. O chefe de Huggins, em uma delicatessen na cidade de Hoboken, em Nova Jersey, também disse acreditar em seu empregado. “Isso é o que ele me conta”, disse seu chefe. “Eu simplesmente acredito.”

David Huggins, 74, pintou mais de 100 obras para retratar suas experiências com seres de outro planeta, incluindo uma "mulher" que ele chama de Crescent e com quem afirma ter gerado centenas de crianças (Love and Saucers/Curator Pictures)
David Huggins, 74, pintou mais de 100 obras para retratar suas experiências com seres de outro planeta, incluindo uma “mulher” que ele chama de Crescent e com quem afirma ter gerado centenas de crianças (Love and Saucers/Curator Pictures)
Huggins diz que sua experiência mais recente com uma extraterrestre foi a cerca de cinco ou seis meses atrás (Love and Saucers/Curator Pictures)
Huggins diz que sua experiência mais recente com uma extraterrestre foi a cerca de cinco ou seis meses atrás (Love and Saucers/Curator Pictures)

Abrahams espera que as pessoas saiam de seu filme “ouvindo, não julgando”, e “aprendendo algo sobre a consciência ou a humanidade, ou apenas saindo com experiências mais enriquecedoras sobre a condição humana”.

“Eu não quero necessariamente que as pessoas vão embora acreditando em alienígenas; essa não foi minha intenção”, disse Abrahams. “Foi mais para sair acreditando em David, acreditando que ele teve algum tipo de experiência.”

“Eu posso dizer de forma inequívoca que não acredito que David esteja promovendo algo, ele acredita que o que aconteceu com ele foi real ─ mas, se é algo que aconteceu na realidade objetiva, concreta, ou, se um membro do público estivesse lá com ele, eles veriam o que ele viu?”, indagou Abrahams. “Isso é algo para o qual eu não conheço a resposta”.

Huggins diz que seu relacionamento com Crescent era caloroso, amigável e estranho, "uma relação muito inconvencional" (Love and Saucers/Curator Pictures)
Huggins diz que seu relacionamento com Crescent era caloroso, amigável e estranho, “uma relação muito inconvencional” (Love and Saucers/Curator Pictures)
No documentário, David Huggins mostra suas pinturas, que continua a fazer (Love and Saucers/Curator Pictures)
No documentário, David Huggins mostra suas pinturas, que continua a fazer (Love and Saucers/Curator Pictures)

Huggins disse que seu primeiro encontro com um alienígena aconteceu quando ele estava ao ar livre quando era criança.

“Ninguém na minha família parecia ver o que eu estava vendo”, disse Huggins em Love and Saucers. “Meu primeiro encontro foi quando eu tinha 8 anos de idade. Eu estava brincando debaixo de uma árvore, e eu ouço essa voz dizer: ‘David, atrás de você’. E eu me viro e há um pequeno rapazinho com grandes olhos brilhantes vindo direto até mim. Eu pensei que fosse o homem espantalho. Eu não sabia o que pensar disso.”

“O que é interessante foi que, por uma fração de segundo, senti como se estivesse em seus olhos olhando para mim. Então eu simplesmente fiquei apavorado e corri para o galpão, e eu olhei rapidamente de volta e o pequeno estranho garoto se virou e voltou para a floresta”, continua ele. “Os olhos estavam brilhando, é a melhor maneira de descrever.”

Huggins diz que algumas das criaturas eram menores e que os chamava de 'pequenos cinzas'. No documentário, ele diz ter tido a impressão de que eram trabalhadores (Love and Saucers/Curator Pictures)
Huggins diz que algumas das criaturas eram menores e que os chamava de ‘pequenos cinzas’. No documentário, ele diz ter tido a impressão de que eram trabalhadores (Love and Saucers/Curator Pictures)

Ao longo dos anos, Huggins disse que encontraria diferentes tipos de alienígenas: alguns com forma de insetos, outros que ele chamava de “pequenos cinzas” (‘greys’, em inglês) e uma série de mulheres aliens com olhos grandes e corpos magros.

Huggins diz no documentário que ele começou a ter uma relação sexual com uma das mulheres extraterrestres que ele chamou de ‘Crescent’ (Crescente, em português). Esta alienígena anunciou um dia a Huggins que eles tinham tido um filho.

O rosto da alienígena Crescent, namorada do balconista David Huggins, por ele ilustrado destacando seus olhos brilhantes (Love and Saucers/Curator Pictures)
O rosto da alienígena Crescent, namorada do balconista David Huggins, por ele ilustrado destacando seus olhos brilhantes (Love and Saucers/Curator Pictures)

“Eu estava fazendo uma pintura e, de repente, a parede se abre e lá está Crescent”, diz Huggins no documentário. “E ela está muito preocupada e ela diz: ‘David, o bebê está morrendo’. E eu: ‘Bebê? Que bebê’? ‘Seu bebê, mas está morrendo’. E eu digo: ‘Mostre-me meu bebê!’ A princípio, ela não faria isso, e eu tive que gritar três vezes, muito alto: ‘Mostre-me o meu bebê!'”

“Ela apanha o bebê de uma bacia e segura ele na frente dela, e o bebê fica simplesmente como que pendurado”, continua Huggins. “E eu digo: ‘Não, não, não ─ não segure o bebê assim. Embale o bebê em seus braços… Ouça, eu tenho que ir lá.'”

Huggins relatou então ele que atravessou para o “outro” reino, onde tocou o bebê alienígena e ele instantaneamente revivesceu depois que uma descarga de energia passou de sua mão para o corpo do bebê. Outro alienígena levou Huggins a uma sala diferente, cheia de bebês, os quais Huggins também reanimou com toque de sua mão.

Huggins diz que, durante uma experiência "lá", foi-lhe apresentada uma sala cheia de bebês, que os alienígenas lhe disseram serem seus filhos e os quais ele energizou tocando-os com a mão (Love and Saucers/Curator Pictures)
Huggins diz que, durante uma experiência “lá”, foi-lhe apresentada uma sala cheia de bebês, que os alienígenas lhe disseram serem seus filhos e os quais ele energizou tocando-os com a mão (Love and Saucers/Curator Pictures)

Abrahams disse ao Daily Mail que as pinturas de Huggins motivaram sua decisão de dar o passo e fazer o filme.

“Isso realmente foi como uma espécie de persuasão para eu querer fazer o filme, depois de ver as pinturas”, disse Abrahams ao Daily Mail. “Como cineasta, digo que elas são tão cinematográficas. Cada uma conta uma história. Ela tem muito pouco esboço; há uma sensação real de composição, de iluminação… é como uma narrativa em cada uma. Isso é um verdadeiro presente para um cineasta. Como um dispositivo de narração de histórias, há algo tão impressionante e deslumbrante neles ─ e sim, há centenas deles e são completamente consistentes.”

NTD Television

Leia também:
Pentágono admite financiar programa de pesquisa alienígena
Agente veterano da CIA quebra silêncio sobre extraterrestres
Brasil oficializa procedimento sobre aparições de óvnis
OVNIs ‘voam em nossos céus’, diz major da Força Aérea dos EUA
Documentário ‘Sirius’ revela esqueleto de possível alienígena
Evidências ancestrais apontam avistamento de alienígenas na Terra

 
Matérias Relacionadas