Serviço de mensagem instantânea da AOL é descontinuado

A AOL colocou para descansar seu serviço de mensagens instantâneas na sexta-feira, 15 de dezembro, cerca de 20 anos depois de seu lançamento. Enquanto o desligamento é novo, a notícia não é. Em outubro, a Oath, empresa dona do Yahoo e da AOL, havia anunciado o encerramento planejado do serviço.

“Sabemos que há tantos fãs leais que têm usado o AIM por décadas; e adoramos trabalhar e criar o primeiro aplicativo de bate-papo deste tipo desde 1997”, disse a empresa em suas perguntas e respostas sobre o encerramento programado.

“Nosso foco sempre será fornecer o tipo de experiências inovadoras que os consumidores desejam. Estamos mais entusiasmados do que nunca com o enfoque na construção da próxima geração de marcas icônicas e produtos que mudam a vida.”

Para as pessoas que cresceram na década de 1990 e início dos anos 2000, o serviço de bate-papo era algo como o primeiro celular. Não só você podia se comunicar diretamente com as pessoas sem se preocupar em ocupar a linha telefônica (embora a conexão por discagem em si também fosse outro problema naquela época), mas podia fazê-lo com privacidade ─ e era instantâneo como um celular.

Brincar com papéis de parede, mensagens de ausência e nomes de usuários deram às pessoas ─ especialmente adolescentes egoístas ─ a oportunidade de criar uma personalidade on-line (vamos admitir que havia somente poucas confugurações que você podia aplicar às assinaturas de e-mail naquele período), que, sem dúvida, preparava usuários para o Facebook e seus parentes.

E as abreviações que parecem ser filhas da plataforma entraram no léxico inglês mundialmente ─ basta buscar por ‘BRB’ e ‘LOL’ no Merriam-Webster ou no Oxford Dictionary.

Mas, como os usuários do AIM gravitavam para outras plataformas, o AIM entrou na mesma obsolescência que as contas do Myspace e de e-mail do Yahoo. Um exemplo: a Oath anunciou o encerramento programado do AIM no Twitter.

Dado a participação que o AIM teve na infância de muitas pessoas (e sim, até alguns adultos) e o quão íngreme se tornou o vale do seu declínio, não é surpresa que as pessoas reagissem com um misto de tristeza, humor e nostalgia pela perda serviço.

Leia também:
Chatbots são “censurados” na China por um motivo incomum
Desafiando a censura chinesa na era das redes sociais
Espiões chineses usam conferências para encontrar alvos

 
Matérias Relacionadas