Publicado em - Atualizado em 09/05/2014 às 15:20

Acupuntura provê maior alívio as dores crônicas, afirma pesquisa alemã

Os resultados obtidos por investigadores alemães são os mais extensos e contundentes até o momento

Estátuas tradicionais chinesas para estudos de Pontos e Meridianos. MTC – Medicina Tradicional Chinesa (Reprodução)

Estátuas tradicionais chinesas para estudos de Pontos e Meridianos. MTC – Medicina Tradicional Chinesa (Reprodução)

Segundo resultados de pesquisa realizadas pelo Instituto de Acupuntura Alemã (GERAC), o método oferece melhores resultados diante de dores crônicas do que os tratamentos convencionais.

As pesquisas da GERAC envolveram 1.162 pacientes que padeciam de doenças e dores crônicas por uma média de oito anos. Aleatoriamente, todos eles foram submetidos a tratamentos de acupuntura baseados na medicina tradicional chinesa; na acupuntura alternativa baseada em pontos não compreendidos pela acupuntura tradicional chinesa; ou em terapias convencionais com drogas, terapias e exercício.

Depois de seis meses, ao redor de 48% daqueles que estavam sob o tratamento da genuína acupuntura reportaram melhora na sua condição.

Ao redor de 44% dos que estavam sob o tratamento da acupuntura alternativa, disseram que haviam experimentado melhora similar, contrastando com somente 27,4% daqueles que foram tratados com a medicina convencional.

Os resultados do estudo, realizado por Michael Haake e sua equipe na Universidade de Regensburg, foram publicados na revista médica Archives of Internal Medicine (Arquivos de Medicina Interna). Esse é o estudo mais extenso conhecido até o momento no que se refere ao alívio da dor através da acupuntura.

Na China antiga, acreditava-se que a medicina tradicional chinesa é um legado de seres divinos e que tem características extraordinárias devido a essa ligação superior com o universo.

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016