A guerra invisível por sua mente

Por meio da desinformação e da guerra psicológica, poderes globais realizam uma guerra de percepção

Por Joshua Philipp, Epoch Times

Há uma guerra silenciosa sendo travada contra a percepção, a consciência e os valores internos de cada pessoa. Suas armas são uma série de táticas enganosas, alimentadas pela grande coleta e armazenamento de dados (Big Data) e a vigilância generalizada que podem categorizar as pessoas para manipulação direcionada.

Operando entre as engrenagens dessa máquina estão grupos governamentais estrangeiros e nacionais, grupos de interesses especiais, grandes empresas e movimentos subversivos. Seus objetivos são diferentes, mas as táticas e tecnologias são basicamente as mesmas.

ilusão narrativa, desinformção, guerra memética, psicologia, propaganda, percepção, marketing - Clique aqui para ver a imagem ampliada (The Epoch Times)
Clique aqui para ver a imagem ampliada (The Epoch Times)

Como um truque de mágica, entretanto, a ilusão só funciona enquanto a plateia estiver distraída e enganada. Depois que o truque de mão em ação é revelado, esse recurso perde o controle sobre o público.

Para quebrar a ilusão, é importante entender o que a desinformação realmente é; como as questões sociais são fabricadas e usadas para gerar objetivos políticos; por que a moral tradicional está sendo atacada e os métodos usados ​​para isso; e o fato de que muitos conflitos que parecem envolver a sociedade podem ser pouco mais do que uma imagem conjurada destinada a enganar.

“A ilusão narrativa embaça a verdade”, disse James Scott, pesquisador sênior do Instituto de Tecnologia de Infraestrutura Crítica, que pesquisa operações de guerra da informação por meio do Centro de Estudos de Operações de Ciberinfluência.

De acordo com Scott, alguns dos truques enganosos remontam a Edward Bernays, sobrinho de Sigmund Freud, conhecido como “o pai das relações públicas” e autor do livro “Propaganda” de 1928, que serviu de guia para as relações públicas manipulativas.

Em seu livro, Bernays apontou para os hábitos e opiniões de uma sociedade e declarou: “Aqueles que manipulam esse mecanismo invisível da sociedade constituem um governo invisível que é o verdadeiro poder dominante de nosso país.”

As grandes empresas adquiriram um gosto especial pelas ideias que Bernays introduziu e seus conceitos de manipulação começaram a se espalhar mais fortemente da esfera das relações públicas para a esfera da propaganda e marketing.

“Quando as empresas viram essa nova propaganda que agora chamamos de relações públicas, eles disseram: ‘Precisamos de um pouco disso’”, disse Scott.

Ele disse que Bernays “militarizou as emoções das pessoas contra elas, e os vetores que ele usou na época para manipulá-las eram o rádio e os jornais”. Depois que a televisão foi apresentada ao público em 1939, isso aprofundou o impacto das teorias de Bernays e ampliou seu alcance.

Como esses conceitos continuaram a se espalhar e se desenvolver, o mesmo aconteceu com as empresas que os utilizavam. Grandes empresas começaram a comprar agências de notícias para promover mais diretamente suas mensagens manipuladoras. Scott disse: “Com o tempo, as megacorporações que fazem bilhões de dólares disseram: ‘Vamos apenas comprar os jornais e fazer suas mensagens serem coesas com nossas visões.’”

Ao mesmo tempo, vários outros poderes que surgiram no século 20 também entraram no jogo e trouxeram consigo e introduziram outras ferramentas de engano e manipulação para a mistura.

Os movimentos comunistas começaram a usar táticas subversivas para se infiltrar e atacar os fundamentos morais das sociedades; os governos usaram vários movimentos para controle social ou propaganda; e grupos de interesses especiais manipularam a psicologia para criar apoio ou oposição a questões políticas que eles pretendiam promover ou derrubar, a fim de ganhar poder.

Todos esses métodos foram aplicados contra a pessoa comum, cuja psicologia e sistema interno de valores foram atacados, muitas vezes sem o seu conhecimento, por vários poderes que disputavam influência.

Na esfera dos movimentos sociais, uma tática-chave em ação por trás das lutas percebidas de hoje é o conceito marxista de materialismo dialético. Ele funciona invertendo os conceitos, a moral e os valores de uma sociedade para fabricar questões sociais. As questões sociais fabricadas são então usadas como ferramentas para criar conflito na sociedade e gradualmente destruir os conceitos, a moral e os valores existentes.

Na esfera da percepção, surgiu a guerra psicológica, destinada a alterar o modo como as pessoas interpretam as informações. Paralelamente a isso, havia muitas outras táticas de engano mental, incluindo a propaganda convencional, o conceito de “politicamente correto” baseado em ideias e morais de base política, e métodos baseados na “guerra memética” para introduzir novas ideias na sociedade e perturbar a cultura.

Na arena de como as pessoas veem o mundo diretamente, as táticas soviéticas de desinformação foram usadas para criar eventos falsos, manipular reportagens que de outra maneira seriam confiáveis, censurar pontos de vista opostos e distorcer informações tecnicamente verdadeiras para criar conclusões falsas.

De acordo com Scott, depois de décadas de uso, essas ferramentas de manipulação e engano estão chegando a um ponto de ruptura. “O jogo mudou”, disse ele. “Os vetores tradicionais não são mais eficazes.”

A retenção da informação foi abalada pelo surgimento das mídias sociais, nas quais as pessoas ainda têm algum grau de comunicação direta, mesmo que todos os Estados-nações e grandes empresas estejam tentando exercer controle. Com isso, eles podem censurar pontos de vista, promover objetivos políticos, reprimir revoltas e fazer parecer que as questões sociais desejadas têm mais apoio do que realmente têm.

Scott descreveu o contexto atual da informação como “uma alucinação perpetuada pelos reis do coletivo de censura”.

A única maneira de sair dessa situação, disse ele, requer que cada pessoa se eduque sobre as ferramentas em jogo e assim “inocule” sua mente contra os efeitos do jogo.

“É importante educar-se”, disse Scott. Neste novo mundo em que “a verdade é mais estranha do que a conspiração”, a guerra da informação é vista como mais eficaz do que a guerra convencional, e as ferramentas em jogo estão apenas ficando mais sofisticadas.

 
Matérias Relacionadas