Por 30 anos, ela ficou incapaz de caminhar após trágico acidente. Então, um telefonema mudou sua vida

Ann Teurlings, mãe de seis filhos, nasceu e cresceu em Halle, na Bélgica, para uma família tradicional e especializada em artes e design de interiores. Trinta anos atrás, ela sofreu ferimentos graves em um acidente de carro que a deixou com dor crônica por décadas. Esta é a história de como ela se recuperou da provação para viver uma vida saudável e produtiva.

“Minha mãe pode correr! Ela pode correr!”, gritou minha filha de 11 anos, Ili.

Ili nunca tinha visto eu correr. Minha filha de 28 anos nunca mais me via correr. Não só eu não podia correr, mas nem conseguia andar muito bem, e era difícil para mim acompanhar as crianças ou brincar com elas no playground. Todas as minhas dificuldades eram devidas a um terrível acidente de carro há 30 anos.

No entanto, em julho de 2016, depois de uma experiência de mudança de vida, pude participar de um desfile em Berlim e caminhamos quase 9 quilômetros, algo realmente impensável antes. Dois meses depois, participei de outro desfile, em Munique. Depois disso, de repente, eu consegui correr, e é por isso que Ili ficou tão eufórica.

Acidente e sofrimento

A cena do acidente de carro em 1986 que deixou Ann Teurlings em coma por uma semana e com dor crônica por décadas (Reprodução do clipping de jornal)
A cena do acidente de carro em 1986 que deixou Ann Teurlings em coma por uma semana e com dor crônica por décadas (Reprodução do clipping de jornal)

Aos 24 anos, fiquei gravemente ferida em uma colisão e permaneci em coma por uma semana. Minhas pernas estavam tão feridas que os médicos do hospital achavam que precisaria de uma amputação. Mas isso foi evitado graças a um cirurgião que juntou todos os pedaços dos meus ossos com grande habilidade e paciência. Enquanto estava em coma, passei várias vezes entre a vida e a morte, e uma vez eu vi algumas escadas levando ao que eu sabia ser o Céu.

Quando eu saí do coma, senti-me como uma mulher de 70 anos, esgotada e com muita dor por toda parte. Se eu me deitasse, sentasse ou me movesse, a dor sempre estava lá. Às vezes eu chorava apenas por pensar em ter que fazer coisas tão básicas como usar o banheiro. Por um ano inteiro, eu não consegui andar sem o apoio das muletas, e cada passo era muito difícil. De alguma forma, eu aprendi a viver com a dor constante, tentando transcendê-la, mantendo meu pensamento em um nível mais alto.

Minha experiência em coma e o fato de que minhas duas pernas não estarem perdidas me deixaram com a convicção de que deve haver um mecanismo de autocura no corpo humano e que eventualmente eu me recuperaria completamente. Com esse pensamento, recusei qualquer tipo de medicação, o que tornou minha vida muito difícil.

As pessoas ao meu redor não conseguiam me entender e achavam estranho. Eu gradualmente perdi a fé nas pessoas e me tornei amarga, teimosa e solitária. Eu era tão teimosa que, quando um conhecido tentou me dar uma cópia de ‘Zhuan Falun’, o livro que mais tarde mudou minha vida, eu me recusei a aceitá-la e me afastei, preferindo meu próprio mundo fechado.

30 anos de dor crônica curada em quatro meses

Ann Teurlings e sua filha Ili, que exibe um certificado de conclusão de uma colônia de verão que ensina dança clássica chinesa na Alemanha (Cortesia de Ann Teurlings)
Ann Teurlings e sua filha Ili, que exibe um certificado de conclusão de uma colônia de verão que ensina dança clássica chinesa na Alemanha (Cortesia de Ann Teurlings)

Alguns anos atrás, minha filha Ili conheceu na escola uma garota chamada Lucia, e ambas se tornaram melhores amigas. A mãe de Lucia pratica o Falun Gong*, uma antiga disciplina espiritual de meditação chinesa. Ela soube de minha história pela Ili e me ligou. Ela queria me contar sobre o incrível poder de cura do Falun Gong (também chamado de Falun Dafa), mas eu não queria encontrá-la. No entanto, a mãe de Lucia foi muito paciente. Durante um período de três anos, ela tentou várias vezes apresentar o Falun Gong para mim, mas eu me esquivei cada vez.

Uma tarde, Ili e eu fomos assistir ao Shen Yun Performing Arts, um espetáculo de dança chinesa clássica sediado em Nova York. Ili ficou tão fascinada com ele que decidiu aprender a dança chinesa clássica, então ela se juntou a uma colônia de verão onde estava sendo ensinada. Eu fui ao acampamento com ela e notei algumas coisas interessantes que aconteceram.

Parecia impossível, mas em pouco tempo, Ili estava dançando como uma verdadeira dançarina chinesa, e também estava aprendendo a desenhar arte chinesa. Isso me surpreendeu muito. Eu conversei com a professora lá, que era uma adepta do Falun Gong, e ela explicou que o livro Zhuan Falun, o texto principal de Falun Gong, que tem ensinamentos baseados na verdade, compaixão e tolerância, é muito profundo.

Ann Teurlings mostra algumas de suas pinturas (Cortesia de Ann Teurlings)
Ann Teurlings mostra algumas de suas pinturas (Cortesia de Ann Teurlings)

Isso me intrigou, então eu visitei a casa de Lucia um dia e sua mãe me deu uma cópia de Zhuan Falun. Comecei a lê-lo e imediatamente percebi que era exatamente disso que eu precisava. Continuei lendo e lendo. Eu o lia de novo e de novo. No momento em que a mãe de Lucia me disse que precisava lê-lo mais de uma vez para entender todos os princípios profundos, eu já havia lido várias vezes. Isso foi apenas o começo.

Quatro meses depois, toda a minha dor desapareceu. Eu mal pude acreditar. Fiquei tão surpresa que 30 anos de dor desapareceram apenas lendo um livro. Isso me deixou mais curiosa sobre o Falun Gong, então comecei a fazer os exercícios de meditação também. Para meu deleite, eu pude aprender os cinco exercícios sem muito esforço, como se eu já tivesse praticado anteriormente.

Outra coisa maravilhosa, a partir do que eu pude interpretar, foi que as escadas para o Céu que eu tinha visto quando em coma é abordada em Zhuan Falun!

Agora eu posso correr

Algum tempo depois, durante outra colônia de verão na Alemanha com Ili, me perguntaram se eu gostaria de participar de um desfile em Berlim. Eu não sabia do que se tratava o desfile ─ eu só pensei que seria algo para as crianças, então eu disse que sim.

Muitas pessoas participaram do desfile, e descobri que seu propósito era conscientizar a sociedade sobre a brutal perseguição em curso contra os adeptos do Falun Gong na China e também demostrar a beleza da prática. Isso me levou a apoiar a justiça por essas pessoas inocentes na China diante do mal.

Eu tentei ficar no fim do desfile para não incomodar ninguém caso eu não conseguisse mais manter-me de pé. Eu descobri então que era um longo desfile. Eu segui os que caminhavam à minha frente, sentindo meu equilíbrio novamente, e antes que eu percebesse, algumas horas se passaram. Fiquei surpresa por ter andado tanto.

Ann Teurlings (ao fundo à direita) e sua filha Ili (centro) praticam os exercícios de pé do Falun Gong com o grupo local (Cortesia de Ann Teurlings)
Ann Teurlings (ao fundo à direita) e sua filha Ili (centro) praticam os exercícios de pé do Falun Gong com o grupo local (Cortesia de Ann Teurlings)

Então, um homem veio e disse que eu estava andando muito lentamente e precisava me mover mais rapidamente ou ficaria para trás. Imediatamente, senti que estava perdendo o equilíbrio e cada passo se tornou mais difícil. Meu amigo me encorajou a fortalecer minha vontade. Então, o homem voltou e me pediu para andar ainda mais rápido. De repente, sentia-me exausta e precisava descansar. Eu vi o desfile se afastando cada vez mais de mim.

Então, de repente, pensei nos ensinamentos de Zhuan Falun e lembrei-me do propósito do desfile. Com esse pensamento, minha energia começou a retornar, então eu comecei a caminhar novamente e, pouco a pouco, a distância entre mim e o desfile foi ficando mais curta e, finalmente, consegui me recuperar.

Então, esse homem veio pela terceira vez e me disse para caminhar mais rápido! Mas ainda havia 500 metros pela frente e cada passo tornou-se tão pesado que eu lutava para terminar e precisava de ajuda para os últimos metros.

No entanto, toda a experiência pareceu me beneficiar em um nível mais profundo. Antes do desfile, embora a dor tivesse desaparecido, continuava uma pressão que eu ainda sentia. Após o desfile, a pressão foi totalmente extinta.

Pouco tempo depois, Ili e eu participamos de outro desfile, em Munique. Naquele desfile, senti-me muito confortável e caminhei até o fim sem nenhum problema. Ili estava caminhando ao meu lado e ela ficou surpresa por poder andar tão rápido.

Em nosso caminho de volta ao hotel após o desfile, precisávamos recuperar o atraso com o grupo com o qual estávamos. Eles estavam muito à frente de nós, então eu simplesmente comecei a correr, sem pensar. Foi quando Ili gritou: “Minha mãe pode correr! Ela pode correr!” Ela ficou encantada.

Ao ver as mudanças em mim, Ili também começou a praticar o Falun Gong. Ela entende muito bem os ensinamentos de Zhuan Falun e se conduz com base nos princípios de verdade, compaixão e tolerância em sua vida diária.

Estou repleta de gratidão por minha experiência de renovação da vida e por ver minha filha crescer de forma saudável. Eu quero compartilhar minha história com pessoas que são como o meu “antigo eu” e espero que mais pessoas se beneficiem desta maravilhosa prática de autocultivo.

Nota do editor:

*Falun Gong ou Falun Dafa é uma prática de cultivo de mente e corpo que ensina verdade, compaixão e tolerância como forma de melhorar a saúde e o caráter moral e adquirir sabedoria espiritual.

Para mais informações sobre a prática ou para baixar ‘Zhuan Falun’, visite: www.falundafa.org. Todos os livros, músicas de exercícios, materiais e instruções estão disponíveis gratuitamente.

**Para saber mais sobre a brutal perseguição ao Falun Gong pelo regime comunista na China, visite http://faluninfo.net/.

NTD Television

 
Matérias Relacionadas