27 manifestantes são presos novamente em Hong Kong por envolvimento em protestos na Universidade Politécnica em 2019

Por Eva Fu

Em 2 de setembro, a polícia de Hong Kong prendeu novamente 27 manifestantes que se reuniram perto da Universidade Politécnica no ano passado em apoio a estudantes presos dentro do campus quando a polícia tentou entrar.

Os 27 manifestantes, com idades entre 16 e 37 anos, incluem 15 alunos, um professor e funcionários de escritório. Dois são menores, segundo a polícia. Todos são acusados ​​de reunião ilegal, sendo que uma pessoa também é acusada de porte de arma ofensiva: uma caneta a laser.

Vinte e cinco deles haviam recusado a fiança antes de serem presos no local no ano passado.

O cerco policial ao campus da universidade de Hong Kong em novembro de 2019, que durou cerca de duas semanas, foi um dos episódios mais violentos durante o movimento contra a lei de extradição que começou em junho do ano passado. Centenas de pessoas ficaram presas dentro do claustro quando a polícia bombardeou a escola com gás lacrimogêneo, canhões de água e projéteis.

Um manifestante é detido pela polícia enquanto tentava escapar da Universidade Politécnica de Hong Kong, em 18 de novembro de 2019, em Hong Kong, China (Anthony Kwan / Getty Images)
Um manifestante é detido pela polícia enquanto tentava escapar da Universidade Politécnica de Hong Kong, em 18 de novembro de 2019, em Hong Kong, China (Anthony Kwan / Getty Images)

Os manifestantes ocuparam a universidade, usando-a como base para bloquear o túnel central da rodovia que corta o porto da cidade, em um esforço para pressionar o governo de Hong Kong a cumprir suas demandas pró-democracia.

Em 18 de novembro, quando um grande número de pessoas se reuniram fora do campus para apoiar os presos, a polícia mobilizou forças para dispersá-los e, em seguida, prendeu 135 deles, disse o comandante da polícia Ho Chan-tong a repórteres no uma conferência de imprensa na quarta-feira. A maioria dessas pessoas recusou a fiança policial, que ele alegou ser uma tentativa de se livrar da responsabilidade.

Manifestantes reagem quando a polícia dispara gás lacrimogêneo enquanto tentam marchar em direção à Universidade Politécnica de Hong Kong, no distrito de Hung Hom, em Hong Kong, em 18 de novembro de 2019 (Dale de la Rey / AFP via Getty Images) 
Manifestantes reagem quando a polícia dispara gás lacrimogêneo enquanto tentam marchar em direção à Universidade Politécnica de Hong Kong, no distrito de Hung Hom, em Hong Kong, em 18 de novembro de 2019 (Dale de la Rey / AFP via Getty Images) 

Na coletiva de imprensa, a polícia exibiu partes de coquetéis molotov lançados e de flechas e arcos encontrados no terreno da escola. Ho caracterizou os manifestantes da PolyU como “desordeiros” que causaram “graves danos”.

Também havia um número não identificado de pessoas que a polícia planejava prender na quarta-feira, mas não conseguiu encontrar, disse Ho, alertando os presos para não fugirem de Hong Kong.

“As acusações, os crimes, não vão desaparecer, porque há muitos crimes que podem ser acusados”, disse ele, lembrando que “não há prazo para o julgamento”.

“Se você fugir, você destrói seu futuro, sua vida, não apenas sua vida, mas a vida de sua família e entes queridos”, alertou.

Os detidos devem comparecer ao tribunal na próxima quarta-feira.

A polícia também está procurando por oito ativistas, alguns dos quais já fugiram, enfrentando acusações relacionadas ao ataque ao prédio legislativo da cidade em julho passado e um protesto em 31 de agosto do ano passado, de acordo com o South China Morning Post, citando um informante anônimo da polícia.

Pelo menos dezenas de ativistas pró-democracia foram presos desde que a lei de segurança nacional de Hong Kong entrou em vigor em julho. Os termos gerais da lei penalizam, com possível prisão perpétua, atos que Pequim considere secessão, subversão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras. Alguns fugiram da cidade por medo da repressão de Pequim.

Em 23 de agosto, a polícia da China continental interceptou um barco e deteve 12 moradores de Hong Kong com idades entre 16 e 30 anos, que supostamente estavam indo para Taiwan em busca de asilo político. Os presos, exceto uma pessoa acusada de violar a lei de segurança nacional, enfrentaram acusações relacionadas ao seu envolvimento anterior em protestos pró-democracia, de acordo com relatos da mídia de Hong Kong. Eles estão atualmente detidos no Centro de Detenção Yantian na cidade de Shenzhen, de acordo com relatos.

O China Times, um meio de comunicação com sede em Taiwan conhecido por suas inclinações pró-Pequim, citou fontes anônimas dizendo que as autoridades taiwanesas prenderam cinco outros manifestantes de Hong Kong que tentaram entrar na ilha. Eles foram enviados para a cidade de Kaohsiung, no sul, de acordo com o relatório. A autoridade é de Taiwan não confirmou a informação.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas