Publicado em 16/02/2016 às 21:03 - Atualizado em 16/02/2016 às 21:03

Incríveis invenções vindas de sonhos: Google, espadas lendárias e mais

Em além da ciência, o Epoch Times expõe investigações e registros relacionados a fenômenos e teorias que desafiam nosso conhecimento atual. Nós procuramos ideias que possam estimular a imaginação e abrir novas possibilidades. Compartilhe seus pensamentos conosco sobre estes temas, por vezes controversos, na seção de comentários abaixo.

Google

CEO da Google, Larry Page, dá uma conferência de imprensa em Nova York, em maio de 2012 (Emmanuel Dunand/AFP/Getty Images)

CEO da Google, Larry Page, dá uma conferência de imprensa em Nova York, em maio de 2012 (Emmanuel Dunand/AFP/Getty Images)

Em 1996, um estudante universitário de 22 anos, da Universidade de Stanford, Larry Page, teve um sonho no qual ele havia baixado toda a Web e examinado as ligações entre as páginas. Ele escreveu o sonho, e este tornou-se a base do algoritmo de um motor de busca. Este foi o início do Google, de acordo com a Business Insider.

As infalíveis espadas sagradas de Legend

Chen Shih-Tsung explica as reações químicas fundamentais para a criação de uma boa espada (Matthew Robertson / Epoch Times)

Chen Shih-Tsung explica as reações químicas fundamentais para a criação de uma boa espada (Matthew Robertson / Epoch Times)

O criador de espadas Chen Shih-Tsung é famoso no mundo das artes marciais chinesas. Suas espadas conseguem quebrar rochas e são extremamente flexíveis. Durante uma entrevista com Epoch Times em 2009, ele facilmente flexionou uma delas até aos 60 graus.

A arte de fazer essas espadas já estava perdida quando Chen começou a confeccionar sabres, devido à queima de livros que documentavam os conhecimento milenares da antiga China durante a Revolução Cultural implementada pelo Partido Comunista Chinês, quando este assumiu o poder no país.

Chen recuperou o conhecimento que foi possível por meio de pesquisas, mas os segredos de seu ofício eram, em geral, transmitidos a ele por seres celestes através de sonhos e visões, segundo o próprio. Durante a entrevista, ele estava cauteloso e reticente em descrever as cenas brilhantes que afirma ter visto, dizendo que a maioria das pessoas modernas não iria acreditar.

Ele se senta em meditação por uma hora antes de iniciar uma sessão de afiação. Chen afirma que forjar essas espadas inclui um elemento humano e espiritual insubstituível.

Uma arma que ajudou a mudar o curso da Segunda Guerra Mundial

Um dispositivo inventado por David B. Parkinson, que combina dados de um conversor de altitude, rastreador, e outras informações. As correntes elétricas resultantes foram utilizadas para controlar armas aéreas e abater aviões alemães na Segunda Guerra Mundial (Domínio público)

Um dispositivo inventado por David B. Parkinson, que combina dados de um conversor de altitude, rastreador, e outras informações. As correntes elétricas resultantes foram utilizadas para controlar armas antiaéreas e abater aviões alemães na Segunda Guerra Mundial (Domínio público)

Em 1940, David B. Parkinson estava trabalhando para os laboratórios da Bell Telephone, em Nova Jersey, no desenvolvimento de um dispositivo para produzir tons musicais por métodos elétricos. O dispositivo continha um potenciômetro de resistência, ou seja, um componente que mede a quantidade de corrente elétrica.

Ele teve um pesadelo em que estava manuseando uma arma antiaérea, e cada vez que puxava o gatilho, um avião alemão caía. Na lateral da arma, ele viu um potenciômetro.

Ele pensou sobre isso depois de acordar, e percebeu que o potenciômetro poderia ser reutilizado como o “cérebro” elétrico da arma antiaérea. O sonho e posterior desenvolvimento da arma foi descrito na edição de 30 de maio de 1945 do The Milwaukee Journal.

Nos primeiros dias em que a nova arma entrou em operação, os alemães perderam cerca de 200 aviões. Parkinson ganhou um prêmio presidencial e uma medalha do Franklin Institute

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016