Aumento dos índices de preços ao consumidor é maior do que o registrado em abril

Ao se considerar o acumulado de 12 meses já chegou em o número já chegou em 3,93%.

Por Matheus Andrade
11/06/2024 17:39 Atualizado: 11/06/2024 17:39

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta terça-feira (11), os resultados dos índices de preços ao consumidor referentes ao mês de maio de 2024. O documento apresenta uma análise detalhada dos movimentos de preços que impactam o custo de vida das famílias brasileiras.

Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)

Em maio de 2024, o IPCA registrou uma alta de 0,46%, uma aceleração em relação ao aumento de 0,38% observado em abril. No acumulado do ano, o índice alcança 2,27%, e, nos últimos 12 meses, a variação foi de 3,93%. O aumento no IPCA foi impulsionado principalmente pelos grupos Saúde e Cuidados Pessoais, Alimentação e Bebidas e Habitação .

Principais contribuições:

  • Saúde e cuidados pessoais: A alta de 0,69% foi influenciada por aumentos em planos de saúde (0,77%) e itens de higiene pessoal, como perfumes (2,59%) e produtos para pele (2,26%).
  • Alimentação e bebidas: Os preços da alimentação no domicílio desaceleraram de 0,81% em abril para 0,66% em maio, mas ainda apresentaram altas significativas em itens como batata inglesa (20,61%), cebola (7,94%) e leite longa vida (5,36%).
  • Habitação: O aumento de 0,67% foi impactado pelos reajustes tarifários da energia elétrica em diversas regiões, além de aumentos na taxa de água e esgoto em cidades como São Paulo (4,79%) e Curitiba (1,33%).

Entre as regiões, Porto Alegre apresentou a maior variação (0,87%), impulsionada pelos aumentos nos preços da batata inglesa (23,94%) e do gás de botijão (7,39%).

Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC)

O INPC também registrou alta de 0,46% em maio, acima dos 0,37% de abril. No ano, o índice acumula um aumento de 2,42%, enquanto nos últimos 12 meses a variação foi de 3,34%. Assim como no IPCA, o INPC foi influenciado pelas altas nos preços de alimentos e itens de saúde e cuidados pessoais.

Destaques regionais:

  • Porto Alegre: Maior variação regional com 0,95%, devido às altas em produtos como a batata inglesa (23,94%) e o gás de botijão (7,39%).
  • Goiânia: Menor variação (0,03%), influenciada pela queda nos preços do etanol (-6,57%) e gasolina (-3,61%).

Metodologia

Os índices IPCA e INPC são calculados a partir da coleta de preços de uma cesta de produtos e serviços em áreas urbanas de diversas regiões metropolitanas do Brasil. A população-alvo do INPC inclui famílias com rendimentos de 1 a 5 salários mínimos, enquanto o IPCA abrange famílias com rendimentos de 1 a 40 salários mínimos.