O New York Times, após anos se curvando ao PCCh, agora planeja atacar o Shen Yun

Com um longo histórico de minimizar ou ignorar as graves violações dos direitos humanos na China, o The New York Times agora tem como alvo os dissidentes chineses nos Estados Unidos.

Por Petr Svab
21/03/2024 08:30 Atualizado: 21/03/2024 08:30

O New York Times está há quase seis meses preparando um artigo contra o Shen Yun Performing Arts, segundo o Epoch Times.

As comunicações obtidas pelo Epoch Times sugerem que o artigo, que ainda não foi publicado, fará o jogo do Partido Comunista Chinês (PCCh) em sua campanha de repressão transnacional contra a empresa de artes cênicas.

O Shen Yun, com sede em Nova Iorque, cuja missão é reviver a cultura tradicional chinesa e que carrega o slogan “China Before Communism” (A China antes do comunismo), tem sido uma grande pedra no sapato de Pequim por quase duas décadas.

Em sua campanha, o PCCh utilizou uma infinidade de táticas para obstruir o Shen Yun, que todos os anos se apresenta para um público de um milhão de pessoas em todo o mundo, incluindo a tentativa de pressionar os teatros a desistir das apresentações, perseguir os familiares dos artistas na China e subverter o sistema jurídico dos EUA para seus propósitos.

Em maio passado, o FBI prendeu dois supostos agentes chineses que haviam tentado subornar com dezenas de milhares de dólares um agente do FBI que se passava por funcionário do IRS em uma tentativa de revogar o status de organização sem fins lucrativos do Shen Yun.

O Departamento de Justiça indicou que os dois supostos agentes do PCCh também tentaram usar um processo ambiental contra as instalações e escolas de treinamento da empresa para “inibir” seu crescimento.

O próximo ataque contra o Shen Yun, no entanto, parece vir do maior jornal dos Estados Unidos, o New York Times.

Dois repórteres, Michael Rothfeld e Nicole Hong – tendo o segundo começando a trabalhar na história do Shen Yun depois de passar seis meses na mesa do New York Times na China – procuraram especificamente por ex-artistas que poderiam ter deixado a empresa anos atrás com ressentimentos, segundo registros obtidos pelo Epoch Times.

Muitos dos artistas do Shen Yun são praticantes do Falun Gong, uma prática de meditação cujos seguidores são brutalmente perseguidos pelo PCCh, o que torna a empresa um alvo principal do regime e de seus representantes. Algumas das peças de dança do Shen Yun incluem representações artísticas sobre esta perseguição.

“Sabemos que esses repórteres estão procurando entrevistar um pequeno grupo que pode ter algo ruim a dizer sobre o Shen Yun, e parecem estar ignorando a esmagadora maioria [dos artistas] que vê seu tempo no Shen Yun de forma positiva e [como] profundamente gratificante”, disse Ying Chen, vice-presidente do Shen Yun, ao Epoch Times.

image-5609279
“Flowing Sleeves”, do programa de 2009 do Shen Yun Performing Arts. (Shen Yun Performing Arts)

“Também sabemos que alguns desses entrevistados viajaram livremente para a China, o que levanta uma enorme bandeira vermelha, porque normalmente qualquer pessoa que trabalhe para o Shen Yun ou que seja conhecida por praticar o Falun Gong estaria em grande perigo ao voltar para a China, mas essas pessoas o fazem livre e repetidamente. Também temos registros de comunicação que demonstram que alguns desses entrevistados estavam muito felizes com sua experiência no Shen Yun, mas agora estão dizendo o contrário ao New York Times.

“Tudo isso indica que o New York Times está focado em nos atacar e está construindo uma história com base em entrevistas muito questionáveis.”

Tentativas de difamação

Documentos internos do PCCh mostram que o partido considera o campus do Shen Yun no norte do estado de Nova Iorque, chamado Dragon Springs, um “quartel-general” das atividades dos praticantes do Falun Gong para combater a perseguição.

“Ataque as sedes e bases do Falun Gong no exterior de forma sistemática e estratégica”, diz um documento de diretriz do PCCh obtido pelo Epoch Times.

Outro documento orientava as autoridades a cooptar setores específicos para sua repressão transnacional contra o Falun Gong, pedindo a mobilização de “pessoas favoráveis à China, como especialistas, acadêmicos, jornalistas… que têm maior influência nos EUA e nos países ocidentais para falar por nós e se esforçar para fazer com que mais mídias estrangeiras publiquem mais relatórios favoráveis a nós”.

O New York Times agora parece estar fazendo exatamente isso, comentou Larry Liu, vice-diretor do Centro de Informações do Falun Dafa (FDIC, na sigla em inglês), uma organização sem fins lucrativos dedicada a monitorar a perseguição ao Falun Gong.

image-5609189
O New York Times publicou uma seção chamada “China Rules” (Regras da China) em sua edição de 25 de novembro de 2018. A seção incluía caracteres chineses gigantes em um fundo vermelho e um relatório brilhante sobre o Partido Comunista Chinês, ao mesmo tempo em que criticava os Estados Unidos. (Samira BouaouThe Epoch Times)

“Esse artigo provavelmente será o sonho do PCCh que se tornou realidade”, disse Liu.

Pouco tempo depois que a Sra. Hong retornou a Nova Iorque no ano passado, após um período na equipe do New York Times na China, em Seul, alguns ex-dançarinos do Shen Yun começaram a receber e-mails dela e do Sr. Rothfeld. As perguntas enviadas por e-mail eram, às vezes, perturbadoramente específicas e deixavam os artistas com a impressão de que os repórteres estavam tentando obter informações que poderiam ser usadas como arma contra a empresa, disse o Sr. Liu.

Um ex-dançarino só foi questionado sobre um incidente específico: uma lesão no joelho.

De acordo com o Sr. Liu, os repórteres parecem estar tentando criar uma narrativa sugerindo que os dançarinos não recebem cuidados médicos suficientes, uma narrativa falsa fundamental promovida pelo PCCh para difamar o Falun Gong.

O Epoch Times conversou com dezenas de artistas do Shen Yun e seus familiares, bem como com alunos e professores de duas escolas afiliadas ao Shen Yun. Eles descreveram o ambiente como exigente, mas com uma cultura saudável e uma comunidade de apoio. A sugestão de falta de assistência médica ou tratamento provocou reações viscerais.

“É um lixo absoluto”, disse Kay Rubacek, cujo filho e filha se apresentam com o Shen Yun. A Sra. Rubacek é uma cineasta cujo portfólio inclui documentários premiados e o programa “Life & Times” na NTD, uma mídia irmã do Epoch Times.

“Todos que assistem ao show, veem o Shen Yun, podem ver que esses dançarinos adoram. Eles realmente amam o que fazem.”

Seus filhos começaram a frequentar a Fei Tian Academy of the Arts, uma escola particular de artes da 5ª à 12ª série, quando tinham 13 e 14 anos. A Sra. Rubacek disse que, antes de mandar seus filhos para a escola, ela foi muito cuidadosa ao se familiarizar com o campus e os professores.

“Sou muito cuidadosa com o local para onde mando meus filhos. Sou muito protetora com eles”, disse ela. “Portanto, para que eu me sinta à vontade para mandá-los para um internato, tenho que verificar tudo, e eu verifiquei tudo.”

O curso de dança da escola oferece aos alunos a possibilidade de fazer um teste para o Shen Yun enquanto treinam na Fei Tian College, no mesmo campus, que foi o que seus filhos fizeram – com grande sucesso, observou ela.

Ela lembrou que, pouco depois de entrar na escola, seu filho bateu o dedo do pé durante a prática de dança. Ele foi levado para fazer um raio X, que revelou uma fratura fina. Seu professor de dança insistiu que ele não poderia voltar a participar da aula até que a fratura estivesse totalmente curada.

Ele aproveitou o hiato como uma oportunidade para se concentrar no alongamento, tornando-se um dos dançarinos mais flexíveis da trupe, disse ela.

“O nível de positividade que vejo vindo deles e sua capacidade de enfrentar desafios é notável e algo que eu gostaria de ter tido quando criança”, disse a Sra. Rubacek.

Ela ficou chocada ao saber que o New York Times tentaria difamar seus filhos como sendo parte de alguma organização reprovável.

image-5609589
Dançarinos do Shen Yun ensaiam uma coreografia de dança clássica chinesa em suas instalações em Orange County, Nova Iorque, nesta foto de arquivo. (Cortesia do Shen Yun)

“Perigo real”

“As falsas narrativas que o [New York] Times parece estar buscando são uma grande preocupação para nós, pois podem criar um perigo real”, disse George Xu, vice-presidente da Dragon Springs.

Vários meses atrás, disse ele, as autoridades locais e federais foram mobilizadas para combater o que acreditavam ser uma ameaça crível representada por um chinês que postou nas mídias sociais sobre querer fazer parte de um “esquadrão da morte”. O homem também publicou um vídeo de si mesmo carregando carregadores de fuzil AR-15.

O homem “propaga essas mesmas narrativas falsas e tem falado com algumas das mesmas pessoas que o [New York] Times está entrevistando”, disse Xu.

“Em um determinado momento, soube-se que esse homem estava na área do nosso campus. (…) Tínhamos a polícia estadual patrulhando nossas entradas, e todos estavam em alerta máximo. Isso é muito sério”.

O Epoch Times obteve uma cópia de um boletim de segurança do FBI de setembro, informando que o homem, que “fez ameaças ao campus de Dragon Springs”, foi visto na área e estava “potencialmente armado e perigoso”.

Ao executar um mandado de busca, a polícia encontrou uma pistola, um fuzil AR-15, mais de 600 cartuchos de munição e 14 carregadores para as armas, cerca de metade dos quais estava carregada, segundo um relatório policial obtido pelo Epoch Times, observando que os carregadores excediam o limite de capacidade de 10 cartuchos no estado de residência do homem.

Visando o topo

O Shen Yun se orgulha de ser a principal companhia de dança clássica chinesa do mundo, crescendo de um grupo em 2007 para oito, cada um com sua própria orquestra, fazendo turnês pelo mundo e se apresentando para mais de um milhão de pessoas todos os anos. O Epoch Times tem sido um patrocinador de mídia de longa data do Shen Yun.

Como em qualquer empreendimento artístico de elite, a dança clássica chinesa exige um esforço enorme, segundo vários dançarinos e professores.

image-5609239
Alison Chen no campus da Fei Tian College em Middletown, Nova Iorque, em 19 de setembro de 2023. (Samira Bouaou/The Epoch Times)

“Para se tornar um artista de tão alto calibre, definitivamente é preciso muita coragem e muita persistência, e você tem que sacrificar muito tempo e energia”, disse Alison Chen, que se aposentou do Shen Yun em 2015 para se tornar professora de dança e, mais tarde, co-presidente do departamento de dança no campus da Fei Tian College em Middletown, Nova Iorque.

Ela ainda estava na adolescência quando começou a treinar com o Shen Yun em 2007, pouco depois de seu início. Graças à sua aptidão e experiência anterior em dança, ela foi convidada a participar da companhia em turnê rapidamente como parte de seu estágio escolar. No entanto, com o passar dos anos, a empresa continuou a elevar o nível. Os alunos da Fei Tian ainda podem fazer audições para as turnês como parte do curso, mas suas habilidades de dança devem ser excepcionais para que consigam ser selecionados, disse ela.

Em comparação com o balé, o treinamento da dança clássica chinesa está mais alinhado com a disposição natural do corpo humano, o que leva a um esforço menos extremo, disse Jimmy Cha, que era dançarino profissional de balé antes de entrar para o Shen Yun em 2008.

Os dançarinos de balé geralmente se aposentam na faixa dos 30 anos e muitas vezes ficam com dor crônica e outras doenças. Em média, os dançarinos amadores mais jovens sofrem uma lesão e os dançarinos profissionais mais velhos, 1,2 lesão para cada 1.000 horas de dança, de acordo com uma revisão de pesquisas sobre o assunto.

De acordo com essas estimativas, uma companhia de dança profissional do porte do Shen Yun teria, teoricamente, centenas de lesões ocorrendo todos os anos.

Os dançarinos e professores com quem o Epoch Times conversou não tinham essas estatísticas prontas, mas todos concordaram que a incidência de lesões que observaram no Shen Yun foi uma fração desse número.

image-5609192
Os artistas do Shen Yun se reúnem no palco durante uma chamada de cortina no Paramount Theatre em Cedar Rapids, Iowa, em 24 de outubro de 2021. (Hu Chen/The Epoch Times)

O Sr. Cha atribuiu o baixo índice de lesões em parte aos rigorosos padrões de treinamento e à ênfase na técnica correta. Em vez de um movimento de dança em si causar uma lesão, geralmente é a técnica incorreta do dançarino que, com o tempo, leva a uma tensão excessiva ou lesão, explicou ele.

“Manter todos em ótima forma e ter sua técnica constantemente monitorada ajuda a evitar muitos problemas”, disse ele.

Já na casa dos 40 anos, o Sr. Cha teve sua cota de lesões na dança. A última delas, um ligamento rompido no joelho em 2020, ameaçou encerrar sua carreira. Ele viajou para a Coreia do Sul para se consultar com um cirurgião de joelho de classe mundial, disse ele, e depois de uma extensa reabilitação, ele conseguiu voltar ao palco.

Se um problema físico impedir uma pessoa de continuar como artista, o Shen Yun geralmente oferece a ela a chance de permanecer na empresa em uma função diferente, como a de produção, disse o Sr. Cha.

No entanto, na maioria dos casos, não são os rigores físicos que aqueles que decidem desistir consideram insuperáveis. Em vez disso, é o desafio mental e até mesmo espiritual.

Em geral, o mundo das artes cênicas de elite é notório pela política interna e pela intensa competição, com egos conflitantes e artistas bem-sucedidos que se sentem menosprezados se forem preteridos para papeis principais, reconheceram vários dançarinos.

Eles notaram uma atmosfera muito diferente no Shen Yun.

Para retratar a autêntica cultura chinesa, os artistas precisam estudá-la e incorporá-la eles mesmos, aderindo aos valores e à moralidade tradicionais. Mais importante ainda, eles precisam deixar seus egos na porta, disseram.

Tendo crescido na sociedade estritamente hierárquica da Coreia do Sul, o Sr. Cha observou que precisou de alguns ajustes para aceitar conselhos de dançarinos mais jovens ou até mesmo de professores.

image-5609194
Jimmy Cha treina em um estúdio de dança no campus da Fei Tian College em Middletown, Nova Iorque, em 4 de dezembro de 2023. (Samira Bouaou/The Epoch Times)

A Sra. Chen disse: “Os professores nos diziam: ‘Não importa o quanto você tenha aprendido e não importa o quanto você acha que sabe, todos nós temos que começar do zero’”.

Adotar uma atitude mais humilde em relação à dança foi um processo, disse ela.

Ela se lembrou de como seu ego cresceu depois de vencer a divisão júnior de uma competição de dança clássica chinesa.

“Achei que era um meio de ficar famosa”, disse ela.

Foi um momento crucial em sua carreira em ascensão, um momento em que, em retrospecto, ela percebeu que seu caráter foi posto à prova.

“Se ninguém tivesse realmente me orientado a pensar sobre isso de forma saudável, eu poderia facilmente ter me agarrado a isso”, disse ela.

Graças à influência positiva de seus professores e colegas de classe, ela foi capaz de reconhecer o problema, disse.

“Xue wu zhi jing” – o aprendizado não tem limites – é um provérbio chinês que ela recitava para si mesma.

“Quanto mais arrogante você for, menos será capaz de crescer”, disse ela. “Não importa o quanto você se considere excelente, sempre há alguém que pode lhe ensinar algo novo.”

Mas conhecer a sabedoria e colocá-la em prática são duas coisas diferentes, observou ela.

No ano seguinte, quando ficou em segundo lugar na competição, ela se sentiu inquieta em seu coração.

“Independentemente do quanto eu possa ter negado, eu ainda me importava mais ou menos com isso”, disse ela.

As coisas pioraram. Ao contrário do que normalmente acontecia com ela, que era “alegre e feliz”, ela estava ficando constrangida e nervosa no palco.

“Quanto mais eu me preocupava com a minha aparência em público, mais estressada eu me sentia quando me apresentava e, às vezes, isso afetava a qualidade do meu desempenho no palco”, disse ela.

image-5609281
Alison Chen ensina alunos em um estúdio de dança no campus da Fei Tian College em Middletown, Nova Iorque, em 19 de setembro de 2023. (Samira Bouaou/The Epoch Times)

Em um determinado momento, ela se viu em uma encruzilhada: deixar de lado sua vaidade ou seguir o caminho do ressentimento, da inveja e do apontar de dedos. Depois de muito refletir sobre si mesma, ela escolheu a primeira opção.

“Percebi (…) que precisava realmente dar um passo atrás e trabalhar em mim mesma internamente antes de poder seguir em frente”, disse ela.

Ela achou a escolha profundamente libertadora.

“Na verdade, isso me ensinou a ser mais grata”, disse ela.

Mas nem todos conseguem dar esse salto. Aqueles que não conseguem, provavelmente acabarão saindo, disseram vários membros da empresa.

Ao longo dos anos, houve algumas saídas não muito amigáveis, geralmente porque um membro violou as regras da empresa, não conseguiu se destacar artisticamente ou exigiu reconhecimento ou tratamento especial, disseram eles.

“Infelizmente, sabemos que são exatamente essas pessoas que o [New York] Times está alvejando”, disse a vice-presidente do Shen Yun, Chen.

Atividade suspeita

Os esforços do New York Times se tornaram mais alarmantes para o Sr. Liu quando ele soube que a Sra. Hong e o Sr. Rothfeld estavam conversando com Alex Scilla, um homem com interesses comerciais de longa data na China que vem realizando uma extensa campanha contra Dragon Springs junto com a ativista local Grace Woodard.

Como uma investigação anterior do Epoch Times revelou, o Sr. Scilla e a Sra. Woodard se envolveram na vigilância da propriedade Dragon Springs em Orange County, Nova Iorque, e tentaram impedir seu desenvolvimento e obter cobertura negativa da mídia por meio de uma série de ações judiciais e ambientais sem mérito.

Depois que duas ações anteriores foram rejeitadas, o Sr. Scilla entrou com uma nova ação, que é, mais uma vez, infundada, disseram os representantes da Dragon Springs, apresentando as evidências ao Epoch Times.

image-5609197image-5609196(Esquerda) Alex Scilla fala em uma audiência pública sobre o desenvolvimento proposto pela New Century no Centro Sênior da Cidade de Deerpark em Huguenot, N.Y., em 26 de abril de 2023. (À direita) Grace Woodard também participa da audiência pública. (Samira Bouaou/The Epoch Times)

Os dois supostos agentes chineses presos pelo FBI em maio passado, John Chen e Lin Feng, estavam envolvidos principalmente em um esquema, no início de 2023, para subornar um agente do IRS para que ele iniciasse uma investigação falsa a fim de retirar o status de organização sem fins lucrativos de uma entidade administrada por praticantes do Falun Gong, de acordo com a acusação.

Antes de lançar o esquema do IRS, eles também realizaram atividades que parecem muito semelhantes aos esforços do Sr. Scilla, segundo documentos judiciais.

Lin, um ex-atleta chinês, foi interrogado pelo FBI várias vezes e “admitiu que ele e [o Sr. Chen] viajaram para Nova Iorque para vigiar os residentes do Falun Gong no Condado de Orange, Nova Iorque, e para coletar informações que seriam a base para um possível processo ambiental destinado a inibir o crescimento da comunidade do Falun Gong no Condado de Orange, Nova Iorque”, disseram os promotores federais em um processo judicial no ano passado, argumentando que os dois homens precisavam permanecer sob custódia para evitar que fugissem para a China.

Os encarregados do Sr. Chen aparentemente estavam operando de Tianjin, a base do Escritório 610, uma agência policial extralegal criada em 1999 pelo PCCh para eliminar o Falun Gong. O fato de ter como alvo os dissidentes chineses nos Estados Unidos lhe rendeu uma estatura crescente dentro do PCCh, incluindo três audiências com Xi Jinping, o líder supremo do PCCh, de acordo com os documentos do tribunal.

image-5609198
Chen Jun, também conhecido como John Chen, participa de um evento pró-Pequim que ele organizou no San Gabriel Mission Playhouse, na Califórnia, em outubro de 2016. (Liu Fei/The Epoch Times)

“Eles são como irmãos de sangue”, disse Chen, referindo-se aos seus companheiros do PCCh, em uma conversa com um agente secreto do FBI.

“Começamos essa luta contra [o fundador do Falun Gong] há vinte, trinta anos. Eles estão sempre conosco.”

A referência ao “fundador do Falun Gong”, bem como o fato de que o Sr. Chen e o Sr. Lin direcionaram seu esquema de suborno ao escritório da Receita Federal do Condado de Orange, não deixou dúvidas de que a entidade visada era o Shen Yun, disse o Sr. Liu.

O Sr. Scilla tem seus próprios laços com Tianjin. Com base nas informações analisadas pelo Epoch Times, ele morou na metrópole do norte da China por muitos anos, e sua única fonte potencial de renda parece ser uma empresa de consultoria que ele fundou com sua esposa chinesa em Tianjin em 2019, pouco depois de se mudar para os Estados Unidos e lançar sua campanha contra a Dragon Springs. O Sr. Scilla não respondeu anteriormente a várias perguntas do Epoch Times.

image-5609199
Agentes do FBI caminham pela sede da agência em Washington em 15 de fevereiro de 2024. (Madalina Vasiliu/The Epoch Times)

O Sr. Chen alegou também ter um negócio em Tianjin e indicou ao agente secreto do FBI que talvez quisesse viajar para a China e receber o pagamento lá, “afirmando que seu acesso a recursos na [China] era menor do que o acesso que ele tinha nos Estados Unidos”, disseram os promotores.

O Sr. Chen e o Sr. Lin agora enfrentam acusações de atuarem como agentes chineses não registrados, suborno e múltiplas conspirações, inclusive para realizar lavagem de dinheiro.

Uma história de adesão à linha do partido

Em 2001, o então editor do New York Times, Arthur Sulzberger Jr., liderou uma delegação de redatores e editores do jornal a Pequim, onde negociaram com o PCCh o desbloqueio do site do jornal na China. Alguns dias depois que o jornal publicou uma entrevista lisonjeira com o então líder do PCCh, Jiang Zemin, o site foi desbloqueado.

Em 1999, Jiang lançou pessoalmente a campanha para “erradicar” o Falun Gong, contra a vontade de outros altos funcionários do PCCh.

À medida que a perseguição aumentava com ferocidade crescente, tanto o Washington Post quanto o Wall Street Journal estavam produzindo uma cobertura contundente das atrocidades do regime e expondo a propaganda do partido destinada a demonizar o Falun Gong.

O New York Times adotou o caminho oposto, emprestando um amplo espaço para a propaganda do regime.

Em um caso, o jornal chegou a repetir a frase de que os praticantes do Falun Gong se beneficiaram das tentativas do PCCh de fazer lavagem cerebral e coagi-los a renunciar à sua fé.

Um praticante de Falun Gong, que “ainda estava no campo de prisioneiros”, foi “citado como tendo dito que ‘o centro de reeducação é mais confortável do que minha casa’ e que ‘a polícia do centro é muito educada e gentil’”, disse um artigo.

Quase dois terços dos artigos do jornal sobre o Falun Gong nos últimos 25 anos incluíram várias falsidades e deturpações, geralmente retiradas do léxico do PCCh, de acordo com um relatório futuro da FDIC obtido pelo Epoch Times.

Dezenas de artigos rotularam o Falun Gong como um “culto”, “seita”, “culto maligno” ou “seita maligna”.

image-5609200
Policiais abordam e prendem praticantes do Falun Gong na Praça Tiananmen, em Pequim, em 14 de fevereiro de 2002. (Frederic Brown/AFP via Getty Images)

Em alguns casos, o jornal reconheceu que os rótulos vinham do PCCh, mas em outros, ele os atribuiu com sua própria voz.

Estudiosos da religião chinesa, pesquisadores de direitos humanos e até mesmo jornalistas que se aventuraram a se familiarizar com o Falun Gong concluíram que tais rótulos são injustificados.

Ian Johnson, autor de uma série inovadora de reportagens sobre o Falun Gong para o Wall Street Journal em 2000, observou que a prática “não atendia a muitas definições comuns de culto”.

“Seus membros se casam fora do grupo, têm amigos de fora, têm empregos normais, não vivem isolados da sociedade, não acreditam que o fim do mundo é iminente e não doam quantias significativas de dinheiro para a organização. Mais importante ainda, o suicídio não é aceito, nem a violência física”, escreveu ele.

“[O Falun Gong] é, no fundo, uma disciplina apolítica e voltada para dentro, que visa purificar-se espiritualmente e melhorar sua saúde.”

Somente em alguns artigos o New York Times conseguiu incluir a explicação mais básica das crenças do Falun Gong – seus princípios fundamentais de verdade, compaixão e tolerância.

À medida que mais evidências das brutalidades contra o Falun Gong se acumulavam, o jornal simplesmente as ignorava, de acordo com o FDIC.

Em 2016, uma repórter do New York Times, Didi Kirsten Tatlow, reuniu-se com vários médicos chineses especializados em transplantes e ouviu a conversa deles sugerindo que os prisioneiros de consciência eram usados na China como fonte de órgãos para transplantes. Na mesma época, alguns advogados e pesquisadores de direitos humanos já haviam reunido evidências substanciais que indicavam que o PCCh estava de fato matando prisioneiros de consciência para alimentar seu crescente setor de transplantes, e que o alvo principal era o Falun Gong.

A Sra. Tatlow estava pronta para prosseguir com a investigação, mas disse que foi bloqueada por seus editores.

“Tive a impressão de que o New York Times, meu empregador na época, não estava satisfeito com o fato de eu estar trabalhando nessas histórias [sobre abusos em transplantes de órgãos] e, depois de inicialmente tolerar meus esforços, tornou impossível que eu continuasse”, disse ela em um depoimento ao Tribunal da China, um painel independente de especialistas que analisou as evidências da coleta forçada de órgãos.

image-5609560
O advogado do Tribunal da China Hamid Sabi (à esq.) e o presidente Sir Geoffrey Nice QC, no primeiro dia de audiências públicas em Londres, em 8 de dezembro de 2018. (Justin Palmer)

Depois de ouvir mais de 50 testemunhas, incluindo jornalistas, pesquisadores, médicos e ex-detentos chineses, o painel concluiu, em junho de 2019, que “a extração forçada de órgãos [havia] sido cometida durante anos em toda a China em uma escala significativa e que os praticantes do Falun Gong [haviam] sido uma – e provavelmente a principal – fonte de fornecimento de órgãos”.

O julgamento final repercutiu na mídia, gerando reportagens no Guardian, Reuters, Sky News, New York Post e dezenas de outros.

“O New York Times, entretanto, não se manifestou”, observou o FDIC.

Nos últimos anos, a cobertura do jornal sobre o Falun Gong se tornou “abertamente hostil”, segundo o jornal.

Em 2020, aproveitando o fervor antirracismo da época, o jornal incluiu uma alegação de que o Falun Gong proibia o casamento inter-racial – uma falsidade óbvia, já que os casamentos inter-raciais são comuns entre os praticantes do Falun Gong.

Os artigos também retratavam o Falun Gong como “secreto”, “extremista” e “perigoso”, sem se preocupar em comprovar as alegações, segundo o relatório.

A brutalidade da perseguição, por outro lado, foi encoberta como meras acusações, e o esforço do Falun Gong para combatê-la foi caracterizado como uma “campanha de relações públicas”.

História da propaganda

O New York Times tem um histórico sórdido de amplificação da propaganda comunista.

Na década de 1930, seu principal repórter na Rússia, Walter Duranty, encobriu de forma infame a fome induzida pelos soviéticos na Ucrânia e até ganhou um Prêmio Pulitzer por isso.

image-5609206
O repórter Walter Duranty (1884-1957), correspondente do New York Times em Moscou, lê um exemplar do Pravda, o jornal oficial do Partido Comunista da União Soviética, por volta de 1925. (James Abbe/Hulton Archive/Getty Images)

Em conversas particulares, Duranty afirmou que estava ciente da fome, de acordo com “US Intelligence Perceptions of Soviet Power, 1921-1946”, do especialista soviético Leonard Leshuk.

Duranty disse a um funcionário do Departamento de Estado dos EUA em Berlim “que ‘de acordo com o New York Times e as autoridades soviéticas’ seus despachos oficiais sempre refletem a opinião oficial do regime soviético e não a sua própria”, escreveu Leshuk.

Décadas depois, o jornal contratou um consultor para determinar se o Pulitzer deveria ser devolvido. O consultor concluiu que ele deveria ser devolvido, mas o jornal se recusou a fazê-lo.

O fiasco de Duranty não foi um incidente isolado, de acordo com “The Gray Lady Winked”, de Ashley Rindsberg.

“O jornal publicou propaganda flagrantemente pró-comunista como reportagens durante os primeiros anos críticos da ascensão da União Soviética” e continuou a fazê-lo durante os anos soviéticos, escreveu o Sr. Rindsberg.

“O New York Times publicava regularmente reportagens e análises escritas por agentes comunistas e simpatizantes soviéticos. Se a liderança do Times achava que as reportagens pró-soviéticas eram imprecisas ou enganosas, eles certamente nunca fizeram nada a respeito.”

Mao Tse-tung, cujos ditames causaram a morte de cerca de 80 milhões de pessoas, já foi aclamado pelo jornal como um “reformador agrário democrático”.

“O experimento social na China sob a liderança do Presidente Mao é um dos mais importantes e bem-sucedidos da história da humanidade”, escreveu David Rockefeller em um artigo de opinião para o jornal em 1973.

Quando Fidel Castro estava prestes a assumir o poder em Cuba, o New York Times também ajudou a fortalecer sua imagem, chamando-o de “democrático”. O editor do jornal até se reuniu com Castro na época. O ditador comunista foi recebido novamente na sede do jornal em 1995, acompanhado de uma cobertura favorável de sua visita aos EUA, e mais uma vez em 2000, escreveu Rindsberg.

image-5609286
O líder cubano Fidel Castro fala para uma multidão em Bani, República Dominicana, em 23 de agosto de 1998. (Roberto Schmidt/AFP via Getty Images)

Tom Kuntz, ex-editor do jornal, ficou “preocupado” ao ver Castro sendo recebido em êxtase nos escritórios, com multidões de funcionários seguindo o ditador.

“Era como se Michael Jackson ou Elvis tivessem entrado no prédio”, disse ele ao Epoch Times.

Influência do PCCh

Desde que o editor anterior do New York Times, o Sr. Sulzberger, decidiu globalizar a publicação, sua presença na China tem sido uma alta prioridade, com o jornal mantendo escritórios em Pequim e Xangai. Esse acesso, no entanto, parece vir acompanhado de condições.

“Há sempre a questão de que, se você quiser ser um jornal global, o que precisa fazer para manter a China feliz e permanecer no negócio lá?” disse o Sr. Kuntz.

“Sempre houve tensões, e sei que eles, como muitas empresas, tentaram manter o acesso à China.”

Em 2012, o jornal publicou uma exposição sobre a riqueza da família de Wen Jiabao, então primeiro-ministro chinês e uma das últimas vozes a favor de uma reforma política, mesmo que moderada, entre os líderes do Partido.

O PCCh reagiu bloqueando o site do New York Times, inclusive sua versão chinesa, que havia sido lançada poucos meses antes.

Os executivos do jornal, incluindo o Sr. Sulzberger, tentaram persuadir o partido a renovar o acesso.

image-5609210image-5609280(Esquerda) Uma pessoa mostra o aplicativo do New York Times em um dispositivo. A Apple removeu o aplicativo de sua loja na China, depois que as autoridades informaram à empresa que o aplicativo violava os regulamentos. (Direita) Uma placa é exibida na parede do lado de fora do escritório do New York Times em Xangai, em 30 de outubro de 2012. (Fred Dufour/AFP via Getty Images, Peter Parks/AFP via Getty Images)

“Embarcamos em um esforço de lobby que durou um ano, na esperança de que o bloqueio fosse derrubado. Reunimo-nos repetidamente com o escritório de informações do Conselho de Estado e com o Ministério das Relações Exteriores; trabalhamos com o chefe da agência de notícias Xinhua (um cargo de nível ministerial) e com o chefe do People’s Daily (outro cargo de nível ministerial); conversamos com o ex-diretor de relações governamentais de Rupert Murdoch, que tem laços familiares com o Departamento Central de Propaganda; até tentamos negociações por trás do canal com uma série de intermediários que alegaram ter influência com pessoas próximas ao Presidente Xi. É claro que tentamos, em todas as oportunidades, nos reunir com o próprio presidente Xi, na esperança de repetir o sucesso obtido com o presidente Jiang”, escreveu Craig Smith, que liderou a criação do site em chinês.

Mais tarde, a então editora executiva Jill Abramson reclamou em seu livro que Sulzberger agiu pelas costas dela e, “com a ajuda da embaixada chinesa, estava redigindo uma carta do [New York] Times para o governo chinês, praticamente pedindo desculpas por nossa matéria original”.

“Na minha opinião, o rascunho era questionável e pedia desculpas pela ‘percepção’ que a história criou. Minha pressão arterial subiu ao lê-lo”, escreveu ela.

Quando ela confrontou o editor, ele continuou repetindo: “Não fiz nada de errado” e concordou em reescrever a carta, disse ela.

A versão final ainda era “questionável”, escreveu a Sra. Abramson.

“A palavra ‘perdão’ permaneceu no rascunho final da carta que eu vi.”

Depois de 2012, a insistência do New York Times em “penetrar no mercado da China continental” levou a uma série de novas iniciativas, incluindo publicações impressas, boletins informativos e um site de estilo de vida, escreveu Smith.

Em 2019, os escritórios chineses do jornal empregavam dezenas de repórteres, alguns nativos chineses, outros correspondentes – a maior presença do jornal em qualquer localidade no exterior.

Depois veio o vírus.

image-5609214
Um homem é preso durante um protesto contra a política de COVID-19 da China, em Xangai, em 27 de novembro de 2022. (Hector Retamal/AFP via Getty Images)

Em fevereiro de 2020, o Wall Street Journal publicou um artigo de opinião de Walter Russell Mead com o título “China Is the Real Sick Man of Asia” (A China é o verdadeiro doente da Ásia). Ele criticou a China por lidar mal com a epidemia de coronavírus e questionou o poder e a estabilidade de Pequim.

O PCCh protestou contra o fato de o título ser “racialmente discriminatório” e respondeu expulsando três dos correspondentes do jornal na China.

No mesmo dia, o governo Trump designou cinco meios de comunicação estatais chineses como missões estrangeiras. No mês seguinte, ele limitou o pessoal dos EUA para a mídia estatal chinesa, expulsando de fato 60.

Em 17 de março, o PCCh respondeu expulsando a maioria dos correspondentes do Wall Street Journal, do Washington Post e do New York Times, dando-lhes 10 dias para fazerem as malas.

No dia seguinte, uma solicitação explosiva chegou à caixa de correio do departamento de publicidade do New York Times. O incorporador imobiliário da Flórida, Brett Kingstone, queria publicar um anúncio de página inteira pedindo que a China fosse responsabilizada pela pandemia.

O anúncio estava programado para ser veiculado em 22 de março de 2020. Ele foi aprovado, pago, impresso e distribuído nas primeiras edições antes de o jornal interromper repentinamente a veiculação no meio da noite, impedindo a veiculação do anúncio na maioria das cópias impressas.

“O anúncio em questão não atendia aos nossos padrões e não deveria ter sido publicado no New York Times”, disse a porta-voz Danielle Rhoades Ha disse ao Epoch Times por e-mail.

“Ele foi removido depois de ser sinalizado internamente pela equipe do [New York] Times.”

image-5609289
Sede do New York Times na cidade de Nova Iorque em 7 de dezembro de 2009. (Mario Tama/Getty Images)

Ela não respondeu a uma pergunta sobre se o jornal havia sofrido alguma pressão do PCCh com relação ao anúncio.

O New York Times, no entanto, tem publicado regularmente anúncios de propaganda pagos por uma empresa controlada pelo PCCh.

Kingstone disse que um executivo do New York Times lhe disse que um funcionário do PCCh havia telefonado para a liderança do jornal e exigido que o anúncio fosse retirado. O Epoch Times não conseguiu confirmar de forma independente se a ligação telefônica ocorreu. As tentativas de entrar em contato com o executivo para comentar o assunto não foram bem-sucedidas. O porta-voz do jornal não confirmou nem negou a ocorrência da chamada telefônica.

Pat Laflin, ex-agente do FBI e especialista em espionagem econômica, disse que é “impossível” que o PCCh não tenha tentado pressionar o jornal.

“Exatamente o que eles disseram e quão sutil foi ou quão não tão sutil, tudo isso é especulação. Eu não sei”, disse ele. “Mas a ligação foi recebida? Sim.”

No dia seguinte à retirada do anúncio do Sr. Kingstone, em 23 de março de 2020, os editores executivos do Wall Street Journal, do Washington Post e do New York Times publicaram uma carta aberta ao regime chinês, pedindo que as expulsões fossem revertidas.

Eles não deixaram de destacar o quão positiva foi sua cobertura sobre a forma como o PCCh lidou com a pandemia, ignorando a cruel realidade enfrentada pelos chineses.

“Apresentamos com destaque notícias e análises sobre o notável progresso da China na redução da propagação do vírus por meio de contenção e mitigação”, eles disseram. “Mesmo agora, com alguns de nossos jornalistas enfrentando a iminente expulsão, eles estão relatando como a China está mobilizando recursos estatais para desenvolver vacinas que poderiam oferecer esperança a bilhões de pessoas no país e em todo o mundo.”

Em novembro de 2021, o governo Biden flexibilizou as restrições à mídia chinesa em troca de o PCCh permitir que os repórteres do New York Times, do Washington Post e do Wall Street Journal retornassem e viajassem de e para a China com mais facilidade.

Desde 2020, o New York Times tem sido repetidamente criticado por publicar artigos de opinião que defendem o PCCh, incluindo um de seu conselho editorial no ano passado com o título “Quem se beneficia do confronto com a China?”

image-5609288
Uma captura de tela do artigo de opinião do New York Times “Who Benefits From Confrontation With China?” (Captura de tela via The Epoch Times)

O artigo foi um endosso à política fracassada de “envolvimento” com a China, de acordo com Bradley Thayer, membro sênior do Center for Security Policy, especialista em avaliação estratégica da China e colaborador do Epoch Times.

Ele culpou o New York Times pela “obtusidade ideológica em que eles se recusam a ver a natureza dos regimes comunistas como eles são”.

De outra perspectiva, o New York Times tem interesse em evitar o confronto com a China simplesmente porque quer manter o acesso, disse James Fanell, ex-oficial de inteligência naval e especialista em China.

“Acho que isso é óbvio”, disse ele.

O Epoch Times enviou ao New York Times 13 perguntas específicas ao pedir comentários sobre as alegações descritas neste artigo. As perguntas cobriam tópicos que incluíam por que seus repórteres pareciam buscar apenas entrevistas negativas; as deturpações anteriores do Falun Gong feitas pelo jornal com base na propaganda do PCCh; e como retratar o Shen Yun de forma negativa poderia ajudar o PCCh em seus esforços para suprimir a dissidência no país e no exterior.

O New York Times se recusou a responder a qualquer uma das perguntas, dizendo apenas: “Como uma questão geral de política, não comentamos sobre o que pode ou não ser publicado em edições futuras”.