ZTE, Irã e a hipocrisia da esquerda

Por Tian Yuan, Epoch Times

Quando o presidente norte-americano Donald Trump anunciou que daria uma suspensão à empresa de tecnologia chinesa ZTE, removendo as sanções que provavelmente teriam colocado a empresa fora dos negócios, ele imediatamente foi atacado pela esquerda.

Os senadores democratas Charles Schumer (D-N.Y), Ron Wyden (D-Ore.) e Sherrod Brown (D-Ohio) criticaram Trump por colocar em risco a segurança nacional dos Estados Unidos e questionaram se Trump levava a sério o emprego americano.

Não demorou muito para que a mídia esquerdista “descobrisse” o que mudou a mente de Trump. O conselho editorial do New York Times alegou que o acordo com a ZTE era um quid pro quo. O jornal acreditava que Trump havia poupado a ZTE por dois motivos. Primeiro, a China concedeu marcas registradas a Ivanka Trump em maio. Em segundo lugar, um parque temático na Indonésia recebeu um empréstimo de uma empresa estatal na China. O parque temático licencia o direito de usar o nome de Trump, mas não pertence nem é operado pela organização Trump.

A única evidência que o jornal forneceu em suas reportagens e editorial foi o cronograma dos eventos.

Mas isso não impediu que o escritor Paul Krugman do New York Times gritasse a plenos pulmões que Donald Trump recebeu subornos do governo chinês! Que ele arriscou nossa segurança nacional! E que não dissessem que não há provas!

Mas de maneira típica, Krugman não ofereceu qualquer prova.

O Washington Post, a Vox, a Vanity Fair e a Business Insider estavam todos vendendo a mesma teoria conspiratória do New York Times. Eles também insistiram que a decisão de Trump sobre a ZTE minaria a credibilidade da América e encorajaria nossos inimigos, como o Irã.

Então, em 6 de junho, um relatório do Subcomitê Permanente de Investigações do Comitê de Segurança Interna do Senado revelou que em 2016, a administração de Barack Obama concedeu ao Irã acesso especial ao sistema financeiro dos EUA para movimentar US$ 5,7 bilhões congelados por sanções internacionais num banco de Omã. Embora os funcionários do Departamento de Estado de Obama tenham concedido uma licença especial para permitir o acesso do Irã ao sistema financeiro dos EUA e incentivassem os bancos dos EUA a ajudar, os bancos se recusaram a cooperar. O Irã finalmente converteu os ativos em euros sem usar a licença especial e os bancos dos EUA.

O relatório acusou a gestão Obama de mentir ao Congresso e ao povo americano sobre o assunto. Enquanto o governo concedia ao Irã a licença especial, ele repetidamente disse ao Congresso que permitir o acesso do Irã ao sistema financeiro dos EUA “não estava na mesa ou [era] parte de qualquer acordo”.

Obama foi facilmente o presidente mais amigo do Irã na história dos EUA. O Irã se beneficiou da presidência de Obama generosamente. O acordo nuclear com o Irã, um acordo pessoal entre Obama e Irã que não era juridicamente vinculante nem exequível, liberou US$ 100 bilhões em ativos congelados para o regime. Além disso, Obama enviou valises de dinheiro, totalizando US$ 1,7 bilhão, para o Irã. A gestão Obama alegou que isso era necessário porque o Irã não tinha acesso ao sistema financeiro internacional.

A gestão Obama violou diretamente as sanções dos EUA contra o Irã e mentiu ao Congresso sobre isso. Ajudou e incitou financeiramente o regime iraniano, o principal patrocinador estatal do terrorismo internacional, conforme designado pelo próprio Departamento de Estado de Obama. O Irã forneceu financiamento, treinamento e equipamento para grupos terroristas em todo o mundo, como o Hezbollah.

Até mesmo John Kerry, o secretário de Estado de Obama, admitiu que os fundos que o Irã receberia “acabariam nas mãos da Guarda Revolucionária Iraniana ou de outras entidades, algumas das quais são rotuladas de terroristas”.

É claro que todos os meios de comunicação esquerdistas — New York Times, Washington Post, Vox, Vanity Fair — que se importavam tanto com a suposta violação de segurança nacional de Trump estavam em pé de guerra, cheios de raiva, nessas transações também, certo?

Não, eles não estavam com raiva. Em sua visão de mundo distorcida, o comprometimento de Obama da segurança nacional dos EUA nos deixou mais seguros e não teve segundas intenções. Por outro lado, as ações de Trump só podem nos trazer perigo, e seu modus operandi deve estar buscando enriquecer a si mesmo.

Este episódio me lembra de uma história. Durante a eleição presidencial de 2012, Mitt Romney foi acusado de crueldade contra os animais porque certa vez dirigiu uma longa distância com seu cachorro em cima do carro durante as férias da família em 1983. A esquerda ficou indignada: Romney era um patife sem coração! Então, descobriu-se que Obama, quando menino, comeu cachorro. De repente, comer cachorro se tornou totalmente legal para a esquerda.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas