Zhang Liang, um dos “Três Magníficos da Dinastia Han”

Zhang Liang, um dos “Três Magníficos da Dinastia Han” (Catherine Chang/The Epoch Times)

O grande estrategista sob o comando de Liu Bang renunciou ao poder para praticar o Tao

Zhang Liang (que morreu por volta de 196 a.C.) era conhecido como um dos “Três Magníficos da Dinastia Han”, junto com Han Xin e Xiao He. Ele foi ministro e assessor de Liu Bang, o imperador da Dinastia Han.

Ele foi muito elogiado por ser capaz de “vencer batalhas sem deixar a base de comando há milhares de quilômetros de distância”. Além de seu grande talento em estratégias militares e mobilização das forças armadas, ele também era conhecido por sua tolerância e respeito pelos mais velhos.

Ele veio de uma família rica no Estado de Han. Por cinco gerações, seus antepassados serviram o Estado durante o Período dos Reinos Combatentes. O Estado foi posteriormente eliminado por Qin Shihuang, fundador da Dinastia Qin. Para vingar a queda de seu Estado natal, Zhang contratou assassinos para matar Qin Shihuang, mas falhou e teve de fugir para outro Estado.

Ao contrário do que muitas pessoas afirmam que um cavalheiro deve ser musculoso, Zhang Liang era magro e tinha um rosto belo como de uma criança. Uma década mais tarde, ele serviu como conselheiro de Liu Bang, o primeiro imperador da Dinastia Han. Suas estratégias foram muito úteis para Liu Bang derrotar o regime de Qin Shihuang e outros exércitos.

Uma vez estabelecida a Dinastia Han, Liu Bang recompensou seus seguidores com postos no governo, mas Zhang Liang renunciou e deixou os negócios de Estado. Ele dedicou o resto de sua vida à prática do taoismo.

De todas as histórias de Zhang, há uma lenda muito conhecida. Quando jovem, ele viu um velho homem sentado numa ponte num dia que ventava e nevava muito. O velho deliberadamente deixou cair o sapato debaixo da ponte e pediu a Zhang Liang que o ajudasse a procurá-lo no rio. Zhang Liang o fez. Além disso, ele se ajoelhou e colocou o sapato no pé do velho senhor.

Vendo o respeito de Zhang pelos mais velhos, o velho sorriu e pediu que se reunissem na manhã seguinte para uma consulta. No dia seguinte, Zhang Liang estava lá antes do amanhecer, e encontrou o velho esperando.

O velho culpou-lhe por ficar esperando e lhe disse para voltar no dia seguinte. A mesma coisa aconteceu no dia seguinte, mas Zhang Liang havia chegado antes mesmo do amanhecer. No terceiro dia, Zhang Liang chegou à ponte à meia-noite e esperou pelo velho senhor. Desta vez, o velho estava satisfeito com Zhang e deu-lhe um livro que foi escrito por um ancestral muito sábio.

Depois de ler e estudar o livro, Zhang Liang ficou conhecido por seu pensamento estratégico e sua flexibilidade e dinamismo em lidar com situações difíceis. Graças a suas sugestões sobre estratégias políticas e militares, Liu Bang chegou ao trono e tornou-se imperador da Dinastia Han.

Quando Liu Bang conquistou a capital de Qin, ele ficou atraído pelos valiosos tesouros e belas mulheres do palácio e queria ficar por lá. Zhang Liang avisou a Liu Bang que não ficasse no palácio, pois corria o risco de ser jugado como alguém que buscava uma vida de luxúria, e que ajudaria a perpetuar o mal da dinastia anterior com mais atos perversos. Liu Bang seguiu o conselho de Zhang e deixou o palácio. Como resultado, Liu Bang recebeu total apoio do povo de Qin e, finalmente, assumiu o trono.

Quando a situação da nova Dinastia Han tornou-se relativamente estável, Zhang Liang começou a ficar em casa e a praticar o taoismo por mais de um ano antes da aprovação de sua renúncia.

Nos primeiros anos de Zhang Liang, sua fortuna e fama diminuíram quando o Estado de Han foi eliminado por Qin, e ele experimentou a passagem da riqueza à pobreza, de duque a fugitivo, e de nobre herdeiro a funcionário civil. No entanto, ele não se sentiu desencorajado pela fracassada tentativa de assassinato a Qin Shihuang.

Depois de avaliar a situação política, ele juntou-se a Liu Bang e ajudou a derrotar Qin, portanto, finalmente havia se vingado de Qin pela queda de seu Estado natal Han. Mas no fim de tudo, ele não tinha interesse pela fama, poder ou luxo e renunciou para se dedicar a prática do taoismo.

Poucos anos depois da morte de Liu Bang, Zhang Liang também morreu em 189 a.C. Ele foi descrito como um dos “Três Magníficos da Dinastia Han” e é considerado um estrategista e conselheiro modelo.

Para conhecer outras figuras históricas da antiga China, clique aqui.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas